gototopgototop

RECIFE: LUTA CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

1

Revoltados com mais um absurdo aumento de tarifas, a população pernambucana saiu às ruas no dia 15 de janeiro de 2016 para mostrar que não aceitará mais um ataque ao nosso povo. O sindicato dos tubarões dos transportes públicos anunciou um aumento de R$2,45 para R$3,25 na tarifa A (município de Recife) e R$3,35 para R$4,40 na tarifa B (região metropolitana), ou seja, um aumento de 0,80 centavos e 1,05, respectivamente. Esse valor de causar revolta a qualquer um foi somente o argumento para criar  um clima de indignação na população e implementar imediatamente, na segunda-feira (18/1), os valores de R$ 2,80 na tarifa A e R$ 3,85 tarifa B.

A manifestação reuniu cerca de 500 jovens, e apesar do peleguismo dos governistas e centristas que fazem parte do Partido Único, o protesto foi bem combativo. Dois jovens manifestantes foram presos no ato, o que só fez aumentar a revolta popular. Entoando “presos políticos, liberdade já, lutar não é crime vocês vão nos pagar” e “polícia fascista”, a juventude combativa mostrou seguir o mesmo espírito que tomam as ruas do país afora como nas manifestações em São Paulo e Rio de Janeiro. Foi essa rebeldia que incendiou a Conde da Boa Vista, principal avenida do centro da cidade de Recife e colocou pra correr os oportunistas com suas podres bandeiras, quando não mais tinham controle da manifestação.

 

Mais um flagrante forjado pela polícia racista de Pezão (PMDB) leva Rafael Braga para a cadeia

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

maxresdefault

 

Como parte da campanha pela libertação imediata de Rafael Braga, encarcerado pela polícia fascista e racista de Pezão (PMDB) em mais um flagrante forjado, desta vez, quando voltava de uma padaria próxima a sua casa acusado injusta e arbitrariamente de “tráfico de drogas”, divulgamos trechos de artigos da autoria do ativista revolucionário, perseguido político, ex-preso político Igor Mendes, recentemente publicados na página: http://www.tribunadaimprensaonline.com

 

Urgente! Pela liberdade de Rafael Braga! 

 

“[...] Fiquei sabendo há pouco da nova prisão de Rafael Braga Vieira, o primeiro brasileiro condenado pelas manifestações de 2013, responsável pelo “porte” de desinfetante... Após anos de luta em torno da sua liberdade e muitas idas e vindas, em dezembro último finalmente Rafael ganhou o benefício de cumprir o restante da pena em regime aberto. Ontem, entretanto, quando ia comprar pão, perto de casa, foi parado por policiais (“dura” provavelmente provocada pelo fato de andar com tornozeleira eletrônica) e preso sob acusação de tráfico de drogas. Hoje no TJ ocorrerá a audiência de custódia que decidirá se sua prisão será convertida em preventiva ou se Rafael aguardará o andamento de mais esse processo em liberdade. 

 

Venho nesta página me somar às vozes que exigem a sua imediata liberdade. Rafael Braga é novamente vítima de uma política de discriminação, em virtude da cor da sua pele, da sua situação econômico-social e também da condição de egresso do sistema penal. O mesmo Estado que o condenou de maneira absurda nega-lhe as condições mínimas para que, uma vez em liberdade, possa reconstruir sua vida de maneira digna. Permitir que Rafael Braga seja preso é admitir que o Estado siga violando os direitos do povo impunemente, é conciliar com a política higienista-racista e genocida aplicada pela Polícia de Pezão[...]".

 

 

Camponeses retomam as terras onde o companheiro Cleomar foi assassinado!

Reproduzimos abaixo nota enviada pelos companheiros da Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia anunciando a retomada da fazenda Pedras de São João, em Pedras de Maria da Cruz-MG, uma luta histórica da região e em função da qual o companheiro Cleomar Rodrigues, dirigente da LCP foi assassinado no final de 2014. Esta notícia nos enche de ânimo revolucionário, pois sabemos que a luta dos camponeses pobres do nosso país, a luta por fazer avançar a Revolução Agrária é também a luta pela transformação e libertação de toda a nação.

tomada_cleomar5

Morte ao Latifúndio!
Companheiro Cleomar: Presente na Luta!

Viva a Revolução Agrária!

 

 



 

Camponeses retomam as terras onde o companheiro Cleomar foi assassinado!

 

Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia. Janeiro de 2016. 

 

No último dia 14/01 dezenas de famílias camponesas ocuparam as terras da Fazenda Pedras de São João. A porteira onde o companheiro Cleomar Rodrigues de Almeida foi tocaiado e assassinado por pistoleiros a mando do latifúndio no dia 22 de outubro de 2014, foi trancada pelos trabalhadores. Faixas em homenagem a este grande herói de nosso povo e bandeiras vermelhas da LCP ornamentam a entrada das terras que serão cortadas e distribuídas pela Revolução Agrária aos camponeses pobres sem terra ou com pouca terra.  

As 35 famílias que vivem na Área Unidos com Deus Venceremos junto aos camponeses pobres de Pedras de Maria da Cruz, Januária e região; dirigentes e ativistas da LCP e seus apoiadores dão um passo decisivo no sentido de fazer justiça e realizar um grande sonho do companheiro Cleomar! 

 

Não é só pelos 0,30 centavos!

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

 

No último dia 14/01, fazendo o seu “balanço” sobre os protestos populares que sacodem a capital paulista contra o criminoso aumento das tarifas de ônibus, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), soltou mais uma de suas pérolas: "Manifestação legítima, pacífica, é o nosso dever acompanhar e dar segurança, não tem nenhum problema, isso é extremamente positivo. Agora, outra coisa é vandalismo seletivo. Não teve manifestação quando a inflação passou de 10%. O reajuste da tarifa é 2% abaixo da inflação, os ganhos de eficiência e produtividade foram repassados ao usuário do sistema", afirmou Alckmin. "Estranho, não teve nenhuma manifestação quando a energia elétrica subiu 70 %. Então, vandalismo seletivo não, isso o paulista sabe diferenciar bem as coisas e não aceita.". Na mesma ocasião, Alkmin fez outras declarações não menos absurdas, mas nos deteremos nestas por serem ilustrativas do quão útil é para as classes dominantes como um todo a falsa polarização entre as diferentes legendas do Partido Único das classes dominantes (PTXPSDB, principalmente) em meio ao agravamento da crise econômica política e social do capitalismo burocrático no país.

 

 

O sangue de Lucas da Costa da Silva não terá corrido em vão!

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

Publicamos a seguir nota da Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres sobre o assassinato do camponês Lucas da Costa da Silva no Vale do Jamari em Rondônia, onde o latifúndio, com o apoio do monopólio da imprensa das gerências  do velho Estado a nível municipal, estadual e federal tem empreendido odiosa e violenta campanha contra os camponeses pobres. Mais informações pelo site: http://www.resistenciacamponesa.com

Morte ao latifúndio! Viva a Revolução Agrária!

 


 

 

Goiânia, 05 de janeiro de 2015

Abaixo a odiosa campanha de desinformação para acobertar mais um crime do latifúndio contra os camponeses do Vale do Jamari, Rondônia!

O sangue de Lucas da Costa da Silva não terá corrido em vão!

 

http://www.resistenciacamponesa.com/images/thumbnails/images/2015/Campones_Lucas_da_Costa_da_Silva_-_Acampamento_Luiz_Carlos_-_assassinado_-_Monte_Negro_-_31.dez.15-169x300.jpg

            No dia 01 de Janeiro de 2016 a Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia e Amazônia Ocidental denunciou o desaparecimento do jovem Lucas da Costa da Silva, de 24 anos, que teria ocorrido em 31 de dezembro, após um ataque de pistoleiros contra os camponeses do Acampamento Luiz Carlos, Fazenda Fluminense, linha 25, em Monte Negro.

O nome do Acampamento é uma homenagem ao camponês Luiz Carlos da Silva, que desde 2012 luta junto com outras famílias para que as terras públicas desta Gleba sejam entregues aos seus legítimos donos, os camponeses, e que está desaparecido desde a manhã do dia 28 de novembro de 2014, quando saiu para trabalhar. Como relata a nota da LCP por sofrerem vários ataques de pistoleiros a mando de Jair Miotto, como medida de segurança, os camponeses só trabalhavam em grupos. Na manhã do dia 28 de novembro de 2014, o camponês Luiz Carlos da Silva saiu sozinho para trabalhar e desde então desapareceu. A família do camponês tentou diversas vezes registrar a ocorrência policial do desaparecimento em Monte Negro, mas a polícia se recusou. A PM só iniciou as buscas depois que familiares denunciaram na imprensa e bloquearam a rodovia R0 421 por várias horas. Um parente de Luiz Carlos teve sua casa queimada, possivelmente como represália por ter participado destes protestos. Camponeses acompanharam policiais militares de Buritis no local do seqüestro e seguiram pegadas que conduziam à sede da fazenda Fluminense”.

No dia 02 de janeiro de 2016, a Liga de Rondônia e Amazônia Ocidental informa o assassinato de Lucas, conforme a nota “Morte anunciada- mais um camponês assassinado no Vale do Jamari”, publicada no dia 04 de janeiro de 2016 no site Resistência Camponesa (ambas foram publicadas também pelo site Alerta Rondônia).

 

Abaixo à repressão policial fascista contra os protestos populares! Nem um passo atrás! Garantir nas ruas nosso direito democrático à livre manifestação!

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

  1

Uma verdadeira Operação de Guerra foi orquestrada, montada e executada conjuntamente pelos gerenciamentos de Fernando Haddad (PT) e Geraldo Alkmin (PSDB) para impedir a realização do 2° protesto contra o aumento das tarifas na cidade de São Paulo, no último dia 12/01. Ainda durante a concentração, na Praça do Ciclista no centro de SP, a PM revistou indiscriminadamente os manifestantes em busca de flagrantes forjados que justificassem sua truculenta intervenção já planejada e efetuou algumas prisões. Pouco tempo depois, a concentração da manifestação foi cercada pela PM que, utilizando do famigerado “envelopamento”, isolou e cercou os manifestantes impedindo-os de seguir em pela Avenida Rebouças. Com os manifestantes encurralados, os policiais lançaram uma verdadeira chuva de bombas e tiros de balas de borracha na esquina da Avenida Paulista com a Consolação. A Juventude Combatente fez barricadas com sacos de lixo, usou tapumes como escudos, atirou pedras, resistindo da forma como pôde à covarde repressão policial. Confrontos entre manifestantes e policiais espalharam-se por toda a região central da cidade. Por volta das 21:20, o transito na Avenida Paulista foi liberado e, poucos minutos depois, o secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, elogiou publicamente a atuação da PM.

 

A forma como a PM reprimiu o legítimo e (até aquele momento) pacífico protesto têm o claro objetivo de impedir o direito democrático à livre manifestação e a espúria justificativa para a descomunal repressão apresentada pelo secretário da Segurança Pública deixa isto ainda mais evidente: "São 2 mil pessoas tentando romper um bloqueio. Para que se evite a necessidade do confronto pessoal, para que se evite a necessidade do uso da força pessoal, que isso pode deixar os manifestantes machucados, foram usadas as bombas para dispersar", disse. "As imagens são muito claras que mostram que houve investida dos manifestantes contra um bloqueio. Eles já estavam previamente avisados que não poderiam descer a Rebouças."

 

 

Abaixo o aumento das passagens! Viva a juventude combatente!

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

rj

Os combativos protestos por todo o país contra o abusivo aumento das passagens dão o tom de como será este ano de 2016. As cenas da brava resistência da juventude combatente à repressão policial fascista do velho Estado, particularmente na cidade de São Paulo, onde os estudantes secundaristas com suas históricas ocupações acabam de impor fragorosa derrota ao gerenciamento de Geraldo Alkmin (PSDB), trazem novamente aos corações e mentes do povo brasileiro o espírito rebelde das grandes jornadas de luta de junho/julho de 2013!

 Com razão, toda a canalha treme! Não tardou para que o monopólio da imprensa (Globo à cabeça), repetindo a surrada cantilena dos “vândalos”, “black blocks” e “mascarados” incrementasse sua permanente campanha de criminalização do protesto popular, com os seus repórteres do alto de seus helicópteros ou “infiltrados” nas manifestações e que não tardarão serem expulsos dos protestos, como ocorre desde 2013 e repetiu-se durante a onda de ocupações em SP. Como se lhes fosse possível tapar o sol com a peneira, na inglória missão de buscar opinião pública favorável à descomunal e injustificável repressão policial que tende a crescer ainda mais com a escalada do protesto popular no país.

 

Nota sobre a ocupação da UERJ

Avaliação do Usuário: / 16
PiorMelhor 
Desde o primeiro dia da ocupação da UERJ, quando o DCE (PT, pecedobê) teve a iniciativa de levar a cabo uma ocupação acordada e legitimada por REItoria (que vê a ocupação como “legítima e motivada”) e Pezão-PMDB (que se apressou em prometer que “liberaria verbas para o pagamento parcelado de bolsas e salários”), e já nas duas primeiras assembléias do dia 01/12 ficou claro que caso a massa dos estudantes quisessem tomar as decisões nas suas mãos para seguir se contrapondo à política oportunista do DCE, a palavra de ordem destes eleitoreiros seria SABOTAR a Ocupação! Em todas as assembleias era claro o esforço dos pelegos da UNE para cansar os estudantes com manipulações da mesa, passando o rodo em diversas propostas feitas. Esse esforço tinha como objetivo, além de cansar aqueles que tinham ido ali para decidir os rumos da luta na UERJ, desmobilizar toda ocupação e também esvaziar a universidade para que nada fugisse do controle do DCE.

 

 

QUEM TEM MEDO DO MOVIMENTO ESTUDANTIL POPULAR REVOLUCIONÁRIO?

Avaliação do Usuário: / 4
PiorMelhor 

Nos guiamos por dois princípios: “Servir ao povo de todo coração” e “ser tropa de choque da revolução”; somos organizados a nível nacional e rechaçamos o circo que é montado de 2 em 2 anos no nosso país para garantir o domínio de nosso Povo e Nação pelo latifúndio, grande burguesia e imperialismo. Temos, também, três tarefas principais: agitar e propagandear a revolução; organizar a luta das massas; combater todo tipo de oportunismo. Rechaçamos a UNE, esta entidade governista, reformista e pelega, verdadeiro órgão oficial do MEC que só faz legitimar o plano de desmonte do ensino público e sabotar a luta combativa dos estudantes e em troca recebem desde que PT subiu a gerencia de turno do Estado repasses milionários dos governos e, agora, o monopólio das carteiras estudantis com a “lei da meia-entrada”.

 

1617831_610600489009623_205438768_o

 

Mobilizar e Ocupar para a UERJ não fechar!

Avaliação do Usuário: / 6
PiorMelhor 
Na última terça (01/12) estudantes da UERJ realizaram duas assembleias, uma de manhã outra a noite, e decidiram participar da ocupação da universidade pelo pagamento de bolsas estudantis e salários dos trabalhadores. Pela manhã também houve um ato organizado por residentes HUPE, terceirizados e estudantes que fechou as ruas próximas a UERJ.

Após a REItoria ter decretado a suspensão das aulas por uma semana, alegando situação de insalubridade devido ao atraso dos pagamentos, as aulas voltariam nesta terça-feira na mesma situação: Estudantes e residentes sem bolsa, trabalhadores sem salários, o hospital universitário Pedro Ernesto(HUPE) sem limpeza e sem condições de funcionar.

G06pt1

(Foto: ato de estudantes,residentes e terceirizados 01/02)

 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

JEP 18

JEP 18 - Em breve

Heróis do M.E

Quem está online?

Nós temos 14 visitantes online

Até sempre, Camarada!

rev_che

Clique na imagem da revista para acessar a matéria completa.