gototopgototop

Qual será a próxima máscara que o PSTU usará para tentar encobrir e justificar seus atos covardes?

Avaliação do Usuário: / 4
PiorMelhor 

 

Após as manifestações de indignação e repúdio geral de organizações e pessoas democráticas, progressistas e principalmente da juventude revolucionária de todo o país ao ato covarde do PSTU, seus dirigentes vem tentando se fazer de vítima no objetivo de reduzir o rechaço e o desgaste em que se afundam. Não podendo tapar o sol com a peneira, buscam desinformar e confundir sobre as reais motivações e os escusos objetivos encobertos por de trás das covardes agressões cometidas por cerca de 50 dirigentes e militantes seus contra 6 ativistas do MEPR, da Unidade Vermelha e da FIP-RJ, no último dia 16/04, na UERJ. Desta vez, a direção regional e nacional de dita organização divulgou a nota “Combater o machismo e as calúnias stalinistas do MEPR”. Este pronunciamento, assinado pela Secretaria de Mulheres do PSTU/RJ publicado no site http://www.pstu.org.br/node/21403 é somente mais uma das manobras para tentar encobrir e justificar seus atos covardes de agressão.

 

Uma vez mais, desmentimos e desmascaramos seus discursos e métodos, próprios de reacionários. Podem tentar confundir para justificar sua covarde agressão, mas nunca poderão encobrir os fatos e a realidade. Estes também são métodos de que se servem o fascismo e toda a reação, porém em vão, para atacar o movimento democrático-popular e revolucionário. O PSTU, por mais que se esforce e distorça a verdade, não pode esconder que, por meio dessa sua covarde agressão, atua como polícia política auxiliar do velho Estado de grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo e, em especial, da DRCI (o novo DOPS) que ataca, persegue, encarcera e processa os militantes da FIP-RJ e do MEPR. Exatamente no mesmo instante que os gerenciamentos de Cabral/Pezão (PMDB) e de Dilma Rousseff (PT) orquestram a mais perversa criminalização contra a juventude combatente, ataques levados ao extremo pelo judiciário do RJ na pessoa do juiz fascista Flávio Itabaiana, o PSTU, de forma deliberada, premeditada e de surpresa enfim, covarde, se aproveita para despejar sua ira reacionária contra a juventude combatente.

 

As verdadeiras motivações e razões mais de fundo desta atitude desesperada do PSTU é o crescente repúdio popular ao podre e farsante processo eleitoral, o crescente desmascaramento destes oportunistas, socialistas de blefe e seus medíocres resultados eleitoreiros. Particularmente no Rio de Janeiro, onde estes têm sido politicamente derrotados pelas vitoriosas campanhas Fora Cabral e a farsa eleitoral!, Não vai ter Copa! e Não vote! Lute pela revolução!, puxadas pela FIP-RJ desde as grandes jornadas de luta de junho/julho de 2013. A questão de toda sua fúria covarde é porque nosso movimento e outras organizações revolucionárias desmascaram sua linha oportunista centrista de morder e assoprar essa imundície que é o governo e toda a podridão em que se converteu o PT e a CUT (de quem são filhotes rejeitados). O que não podem suportar é o desmascaramento de suas posições pelegas!

 

Desde o inicio das manifestações populares de junho/julho de 2013 a direção do PSTU faz frente comum com o velho Estado reacionário, com seus aparatos repressivos e com a imprensa burguesa na criminalização e demonização da juventude combatente. Por meio de suas “declarações públicas” e com o mesmo veneno da reação, fez parte do berreiro histérico, com Rede Globo e Veja à cabeça, contra os “Black Block”. Logo depois, começaram a fabricar e difundir factóides, como a calúnia sobre a participação de ativistas do MEPR e da FIP-RJ no “atentado” contra a sua sede em abril do ano passado, quando chegaram a registrar uma queixa na polícia civil contra o MEPR e a FIP. Queixa esta que compôs uma das peças do inquérito que resultou na perseguição e prisão de 23 ativistas no Rio de Janeiro. E, por estes motivos, não é possível encarar como mera coincidência que a DRCI tenha “visitado” a UERJ um dia após as covardes agressões por 50 bate-paus desse grupo contra 6 jovens membros do MEPR, da Unidade Vermelha e da FIP.

 

Nessa referida nota, para justificar sua injustificável covardia, o PSTU afirma: “É importante ressaltar que o conflito desencadeado na UERJ foi detonado a partir de uma ação machista do militante do MEPR, José Neto, conhecido como “Zé”, quando o mesmo interrompeu aos berros a fala de nossa militante Pâmela (negra, mulher e jovem) quando ela denunciava as ameaças físicas que essa organização stalinista faz com freqüência contra o PSTU e outras organizações. Esse fato foi visto por todos os estudantes presentes na assembléia, que podem nos desmentir caso estejamos falando uma mentira.

 

Primeiro, é necessário deixar claro que não houve qualquer “conflito” envolvendo ativistas do MEPR ou da FIP/RJ com militantes e dirigentes do PSTU. Por volta das 21h50min, ou seja, depois do final da assembléia a qual se referem, cerca de 50 dirigentes e militantes do PSTU, cuja quase totalidade não são estudantes da UERJ e sequer estavam presentes na assembléia, invadiram uma sala onde se realizava reunião da FIP-RJ, agredindo os presentes, fato este presenciado e confirmado por dezenas de pessoas, conforme ilustram os depoimentos constantes dos links citados abaixo:

 

https://www.youtube.com/watch?v=_YU4WebcGhw&feature=youtu.be

https://www.youtube.com/watch?v=X4h4dBhaPhM&feature=youtu.be

 

Dizendo em outras palavras, para o PSTU, juntar capangas para agredir ativistas, numa proporção de 50 para 6, entre os quais uma jovem de 18 anos, tudo bem, mas denunciar publicamente numa assembléia o peleguismo de uma sua militante jovem e negra já é vandalismo! Pelas suas próprias palavras fica evidente o seu desespero e falta de argumentos, como a pérola:nunca fizeram críticas às perseguições e assassinatos de homossexuais nos Estados dirigidos pelos stalinistas”. Quer dizer então que as suas covardes agressões foram motivadas por nos considerarem “stalinistas” e, portanto, presumidamente, “machistas”, “homofóbicos”, etc.? Como não encontram argumentos minimamente plausíveis para justificar a sua execrável atitude, utilizam-se do lugar comum de todos os reacionários mundo afora, toda sorte de imperialistas, fascistas, racistas, porco-chauvinistas, revisionistas e traidores do socialismo, incluída as direções das mil facções e seitas trotskistas (e quem duvide que apenas indague a qualquer um desta estirpe) em atacar o grande camarada Stalin e o socialismo construído na URSS e destruído após sua morte. Segundo a sua lógica, para combater o que chamam de “stalinismo” vale tudo! Argumentos tão “consistentes” e “originais” como os de Bush e Barack Obama para justificar a sua “guerra ao terror” contra os muçulmanos no Oriente Médio!

 

Este é um partido sindicalero, que cada dia mais pelego foge da luta, que engana as massas onde atuam e é cada vez mais acossado por elas, que concilia com a patronal, que borra de medo de greve por que a justiça tacanha e podre deste país está baixando multas nos sindicatos por dia de greve e com isto vêem inviabilizados seus objetivos de aparelhamento e parasitismo dessas entidades, bem como os seus apetites eleitoreiros. Em seu tragicômico desespero, recorre às agressões físicas contra os seus críticos no movimento popular, método consagrado pela UNE (PT/pecedobê) e pelas máfias corruptas e bandidescas que se converteram as centrais sindicais bem representadas pela CUT e Força Sindical, dando mais uma comprovação de como, na prática, nunca romperam com tais entidades governistas, senão que apenas tiraram um só pé de lá.

 

Quanto às sempre repetidas, mas nunca comprovadas “ameaças físicas que supostamente fazemos “com frequência contra o PSTU e outras organizações, desafiamos a direção do PSTU a apresentar fatos concretos e verdadeiros a este respeito. Ao contrário, os fatos provam que eles agrediram uma jovem e os mesmos atestam esta prática odiosa nesta mesma nota onde afirmam que “o PSTU já expulsou de suas fileiras alguns ex-camaradas que cometeram atos machistas graves”. Teriam os expulsado de fato ou não teriam expulsados todos os porcos chauvinistas que abriga a sua sigla? Além do que, resta saber o que essa gente considera como atos machistas graves, uma vez que não os revelam! De qualquer modo, ressaltamos ser necessário deixarem claro o que definem como “ameaças”, pois se consideram como “ameaça física o combate político público, implacável e inconciliável ao peleguismo e reformismo de seus militantes e dirigentes (independente se sejam mulheres ou homens, heterossexuais ou homossexuais, brancos ou negros, jovens ou velhos, pobres ou ricos, etc.) terão o PSTU e outras organizações e partidos eleitoreiros de sua marca de escreverem muitas notas ainda. Ou, quem sabe, prestar mais queixas à polícia? E que fique bem claro, agressão covarde como esta contra nosso movimento NÃO PASSARÁ!!!

 

Não compactuamos com o método fascista de resolver divergências políticas no movimento popular por meio de agressões físicas ou como “caso de polícia” e não cairemos nas provocações policialescas da direção do PSTU! Defendemos e seguiremos defendendo que as divergências políticas no movimento estudantil e popular devem ser tratadas pela democracia e a prática da crítica e a autocrítica! O que não quer dizer que ações covardes como essas, deliberadas e planificadas como foi a cometida pela direção deste P2TU contra os militantes do MEPR, da Unidade Vermelha e da FIP-RJ, ficarão sem a resposta completa.

 

A direção do PSTU deve entender uma questão muito simples: nosso movimento é uma organização revolucionária, nosso objetivo é a revolução proletária, servir a ela de todo o coração, dar nossa vida a ela. Temos muita clareza do que queremos e do que enfrentamos, lutamos contra todas as formas de exploração e de opressão e não tememos o aparato policial-militar-judicial deste carcomido e genocida Estado e seus métodos, não tememos a prisão e nem a morte! Não seria um grupelho de oportunistas eleitoreiros, socialistas de frases e social-pelegos de fato e sua súcia de valentões covardes e brigadores de rua que irão nos intimidar. Estejam bem certos disto, nossos corajosos agressores! Desafiamos o fascismo e não fugimos à luta e não são por outras razões as perseguições, prisões e condenações que este velho e genocida Estado brasileiro e seus gerentes de turno lançam furiosamente contra os nossos e nossas militantes. De fato, pela ciência e experiência histórica, estamos convencidos que a revolução vencerá e varrerá do seu caminho tudo de podre e reacionário. IR AO COMBATE SEM TEMER, OUSAR LUTAR OUSAR VENCER!

 

Abaixo às provocações policialescas dos “ursinhos morenistas” do P2TU!

Abaixo o Estado fascista e todo o sistema político da farsa eleitoral!

Viva a luta popular revolucionária!

Abaixo o imperialismo, o revisionismo e todo o oportunismo e seus agentes trotskistas!

Viva o marxismo-leninismo-maoísmo!

 

Liberdade para Igor Mendes e todos os presos políticos da cidade e do campo!

Rebelar-se é justo!

 

Movimento Estudantil Popular Revolucionário - MEPR - Brasil

 

RVI