gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário

Entre Marília e a Pátria

Avaliação do Usuário: / 3
PiorMelhor 

frei_caneca

 

Político e religioso brasileiro, Joaquim da Silva Rabelo, popularmente conhecido como Frei Caneca, foi uma importante figura histórica nas lutas de libertação nacional em nosso país. Tendo atuado como forte liderança nos movimentos democráticos da Revolução Pernambucana (1817) e da Confederação do Equador (1824), Frei Caneca mobilizou as massas e os intelectuais de Pernambuco para se rebelarem contra as políticas autoritárias de D. Pedro I. Por ser uma figura política de oposição direta à monarquia, Frei Caneca logo foi capturado e sentenciado à forca pelas forças do Império. No entanto, nenhum escravo ou soldado mostrou-se disposto a conduzir seu enforcamento. O Império Brasileiro decretou então seu fuzilamento, com o intuito de enfraquecer os demais movimentos de libertação nacional por meio da execução dessa grande liderança.  Mas o Império não foi capaz de frear as rebeliões do povo brasileiro, como se comprovou nos diversos movimentos que estouraram no primeiro reinado e no período regencial a partir do exemplo das lutas de Pernambuco. Segue abaixo um poema de Frei Caneca em que reafirma seu compromisso de lutar até a morte por sua pátria, bem como sinaliza que as gerações futuras devem levar essa luta adiante.

 


 

Entre Marília e a Pátria - Frei Caneca

Entre Marília e a pátria

Coloquei meu coração:

A pátria roubou-m'o todo;

Marília que chore em vão.

 

Marília, pede a teus filhos,

Por minha própria abenção,

Morram, como eu, pela pátria;

Marília que chore em vão.

 

Apenas forem crescendo,

Cresçam co'as armas na mão,

Saibam morrer, como eu morro;

Marília que chore em vão.

 

Defender os pátrios lares,

É dever do cidadão.

Quando exalem pela pátria;

Marília que chore em vão.

 

ISRAEL DESTRÓI ALDEIA PALESTINA BEDUÍNA POR 114 VEZES EM 7 ANOS

Reproduzimos do Blog SOMOS TODOS PALESTINOS

As escavadeiras israelenses  destruíram uma aldeia habitada pelos antigos beduínos palestinos, uma tribo que viveu nesta terra  por milhares de anos.  O estado de Israel expulsa sistematicamente os beduínos indígenas para  fora de suas terras com objetivo de abrir caminho para os  assentamentos para os colonos judios.
Whitney Webb 

Uma mulher beduína se sente sobre os restos da sua casa demolida na aldeia beduína de Umm al-Hiran, perto da cidade do sul de Beersheba, Israel, 18 de janeiro de 2017. (AP / Tsafrir Abayov)
Uma mulher beduína se sente sobre os restos da sua casa demolida na aldeia beduína de Umm al-Hiran, perto da cidade do sul de Beersheba, Israel, 18 de janeiro de 2017. (AP / Tsafrir Abayov)
 
ISRAEL - Agentes da "Autoridade de Terra de Israel" (ILA), juntamente com a polícia israelense e várias escavadeiras, invadiram e demoliram a aldeia beduina de al-Araqib na região do Negev esta semana.
A demolição marcou a 114ª vez que a ILA destruiu a aldeia,  a primeira vez  foi em 2010 e a mais recente antes da demolição de quarta-feira ocorreu  no mês passado .  
A maioria das moradias que foram demolidas na quarta-feira foram casas de lata que os próprios moradores da aldeia construíram ao longo do último mês, desde a última demolição,  para continuar tendo uma casa onde morar na área.   
Mas enquanto os moradores de al-Araqib estão lidando  com a demolição  mais recente que está destruindo sua aldeia, os colonos  judeus na região continuam a expandir-se nas terra palestina.
No ano passado, o ILA aprovou cinco novos assentamentos de colonos judeus no Negev, 2 (dois) dos quais estão localizados exatamente onde se encontram  as aldeias Beduínas palestinas "não reconhecidas" pelo estado de Israel.
Vários grupos de direitos humanos denunciam que a demolição das aldeias Beduínas está diretamente relacionada à expansão dos ilegais assentamentos das colônias de judeus,  removem a população indígena palestina e constroem ainda mais assentamentos para os colonos judeus.
Desde a criação de Israel em 1948, assentamentos de colonos brancos e judeus foram construídos sobre a terra indígena palestina depois que a população autóctone sofreu a limpeza étnica, por todos os modos,  para acomodar judeus europeus no início de suas novas vidas em Israel.
 

CARTA DE ROMPIMENTO COM A UJR (UNIÃO JUVENTUDE E REBELIÃO) E POR QUE DECIDI MILITAR NA UV - LJR (Liga da Juventude Revolucionária)

Avaliação do Usuário: / 6
PiorMelhor 

Publicamos abaixo a carta de rompimento da companheira Walkíria com a juventude pelega da UJR, tentáculo do "partido" revisionista do PCR; essa mesma juventude tão bem conhecida por trair a luta combativa dos estudantes, como foi demonstrado nas ocupações secundaristas de 2015/2016. Nessa carta, a companheira contrapõe a linha oportunista desse partideco com a linha democrática revolucionária defendida pela Juventude Revolucionária  da Unidade Vermelha, bem como expressa sua desilusão com as podres táticas dessa organização que, com sua fraseologia oca, levanta a bandeira da "juventude comunista" e do "combate ao estado burguês". Mas, como exposto abaixo, a prática da UJR não corresponde nem minimamente a seu discurso, revelando que, na verdade, se trata de mais uma entidade que compõe o campo oportunista do estado burguês-latifundiário que tanto explora o povo brasileiro. As bandeiras do PCR (UJR, Correnteza, AERJ etc.) estão à direita do movimento estudantil, e o direcionam para a velha prática do oportunismo eleitoreiro. A decisão da companheira Walkíria de militar na UV - LJR demonstra o caráter decadente do revisionismo e a ascensão da luta combativa e independente no movimento estudantil. Saudamos bravamente o rompimento da companheira e que seu exemplo sirva como uma valiosa lição para a juventude que deseja se mobilizar para abalar a velha ordem que subjuga o Brasil.



 

CARTA DE  ROMPIMENTO COM A UJR (UNIÃO JUVENTUDE  E REBELIÃO) E POR QUE DECIDI MILITAR NA UV - LJR (Liga da Juventude Revolucionária)

Minha primeira experiência prática, que se complementava com minha linha teórica começou na UJR, juventude do PCR.

Fui aprendendo com meus ex-companheiros sua centralidade em âmbitos principais da organização, assim reivindicando os pensamentos e as posições ideológicas, sendo assim empenhada em apreender e aplicar sua linha política.

Entretanto, ao decorrer de quase três meses de atuação nessa organização, fui levada a perceber certas falhas em sua teoria e prática "revolucionárias".

A teoria e a prática do PCR são muito divergentes de uma teoria e prática de fato revolucionárias. Se dizem um partido comunista, porém em sua atuação não passa de um partideco revisionista tal qual seus aliados “temporários” como PSOL e PDT.

ATUAÇÃO NOS  MOVIMENTOS DE MASSAS

O PCR justifica sua atuação na central satélite do PT, a CUT, como sendo um trabalho essencial dentro dos sindicatos, utilizando de forma extremamente desonesta textos de Lênin sobre o trabalho dentro dos mesmos. Porém a prática mostra que é impossível alterar a essência da CUT, pois mesmo existindo trabalhadores honestos lá dentro, a direção é uma verdadeira máfia, servindo como linha auxiliar do governo e da grande burguesia, entravando greves e passando a perna nesta base que faz oposição às posições de direita.

Sobre a “disputa” da UNE e UBES, utilizam o mesmo argumento de que os “comunistas devem estar onde as massas estão”. Porém nos congressos não há qualquer possibilidade de debate político e disputa de massas já que tais “congressos” não passam de festas regadas a drogas e orgias. Outra prova de sua completa degeneração são as inúmeras fraudes como a clássica falsificação das atas.

Ainda que o PCR diga o contrário, a prática mostra que sua participação dentro destes instrumentos do oportunismo como a CUT, a UNE e a UBES servem na verdade para acúmulo político na farsa eleitoral.

 

SOBRE O PT

O PCR argumenta sobre a necessidade de combater a direção pelega da CUT, mas, aparentemente, não é isso que fez durante os governos petistas – semeando ilusões nas massas e nos militantes de que havia algo de progressista ou mesmo anti-imperialista no PT. Em seu “Manifesto do PCR para o 2° Turno das Eleições: Impedir a Entrega do Governo do Brasil aos bancos e ao fascismo” de 2014, quando o PT já havia mais que provado a quem servia, diz “[...] O Partido Comunista Revolucionário (PCR) convoca o povo brasileiro a dizer não ao candidato do imperialismo e dos bancos, derrotar a direita e avançar na luta popular. Dia 26 é dia de votar no Brasil votando em Dilma.”

 

Os Três textos mais lidos do Presidente Mao Tsetung

Como parte de um compromisso em auxiliar no impulsionamento da luta dos estudantes brasileiros, bem como em divulgar a ideologia científica do proletariado, reproduzimos em nosso sítio os “Três artigos permanentes” e também o editorial do “Diário do Exército Popular de Libertação”, escrito em dezembro de 1966, que analiza a importância dos “3 textos” para os revolucionários.

Os três artigos permanentes (“Servir ao Povo”, “Em Memória de Norman Bethune” e “O Velho que Removeu as Montanhas”) foram largamente estudados em um momento chave para a Revolução Chinesa: nos momentos em que se iniciavam a Grande Revolução Cultural Proletária, que impediu por dez anos a restauração capitalista na China Popular.

Estava em jogo para o conjunto do povo chinês (operários, camponeses, estudantes, intelectuais, etc.) transformar a vontade de se chegar ao comunismo em decisão para cumprir as tarefas demandadas no novo momento político que atravessava o país. Revolucionarizar sua ideologia, expulsar as ideias atrasadas, guardar-se da arrogância, transformar a si mesmo para poder servir completamente ao povo e à luta pela emancipação de toda a Humanidade.

Neste movimento de estudar a ideologia científica do proletariado, o marxismo-leninismo-pensamento mao tsetung (como era conhecido o maoísmo à época), para cumprir as novas tarefas que a revolução necessitava, forjou-se dezenas de milhares de sucessores do proletariado. A juventude contribuiu enormemente para mobilizar as massas de operários e camponeses para seguir no caminho de continuar a revolução, derrotando com as posições atrasadas dos revisionistas e burgueses encastelados no Partido Comunista e no Estado.

No que toca a nós, estudantes revolucionários brasileiros, também temos uma grandiosa tarefa a cumprir: propagandear e agitar as massas de estudantes em torno da necessidade da Revolução de Nova Democracia!

E, assim como os jovens Guardas Vermelhos chineses, só teremos êxitos se transformarmos nossa concepção de mundo, entendendo que somos uma força motriz desta revolução e, ao mesmo tempo, seu alvo! Derrotando as ideias erradas e travar de maneira consciente uma revolução dentro de si, tendo em vistas as grandiosas tarefas que são reservadas à juventude e ao povo brasileiro na sua luta por derrotar as três montanhas que o oprimem, o latifúndio, a grande burguesia e o imperialismo.

Publicamos abaixo o editorial do “Diário do Exército Popular de Libertação” e, no link para download, os livreto “Os Três textos mais lidos do Presidente Mao Tsetung” que compreende também os textos “Perseverar no estilo de vida simples e luta dura. Manter estreita ligação com as massas” e “Contra o liberalismo”.

DOWNLOAD


 

Alípio de Freitas: Resistir é preciso! (download)


Alipio_de_Freitas__-_Resistir__Preciso_Pgina_001

Como parte das homenagens ao companheiro Alípio de Freitas, disponibilizamos para download em nosso site o seu livro Resistir é preciso, no qual descreve as infindáveis torturas a que foi submetido pelos milicos do Regime Militar Fascista e nos brinda com um grande exemplo de conduta revolucionária, tirando das lições as vivas de sua própria história a comprovação na prática que "Um homem, se quiser, pode resistir e sobreviver vitoriosamente a qualquer forma de opressão."

DOWNLOAD


COMPANHEIRO ALÍPIO DE FREITAS:

PRESENTE NA LUTA!




 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI