gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário

PELA MELHORIA IMEDIATA DO TRANSPORTE COLETIVO EM PORTO VELHO!

Avaliação do Usuário: / 4
PiorMelhor 

Ato_13-04_1_

Manifestação no Centro de Porto Velho

No final da tarde do dia 13 de abril ocorreu uma manifestação denunciando as péssimas condições do transporte coletivo em Porto Velho e exigindo melhorias imediatas no serviço. Cerca de 30 estudantes, universitários e secundaristas, concentraram-se a partir de 17:00 na Praça Aluízio Ferreira (Praça do Porto). Já na concentração houve intensa agitação e distribuição de panfletos, aproveitando o horário de saída dos estudantes de escolas estaduais próximas. Uma faixa com a consigna Por um transporte público com segurança e qualidade! foi erguida pelos estudantes.

Antes do ato sair, os presentes discutiram sobre a forma de seguir o trajeto, previamente estabelecido, e deliberaram por descer a Av. Farquar até a Av. 7 de setembro e ir até o cruzamento da Av. 7 de setembro com a Rua Rogério Weber, sem fechar a rua. Nessa primeira parte do trajeto houve intensa agitação ao megafone e palavras de ordem eram entoadas quase que de forma ininterrupta, além da distribuição de panfletos. No cruzamento da 7 de setembro com a Rogério Weber, estudantes intensificaram a agitação, conversando com trabalhadores e estudantes que estavam nos pontos de ônibus, entregando os panfletos e exibindo a faixa no sinal de trânsito.

Chegando à rua Rogério Weber, os manifestantes fecharam a pista sentido Terminal e dirigiram-se para lá. Nesse percurso, vários trabalhadores que passavam de carro e de moto saudaram o protesto, além dos próprios passageiros dos ônibus, que compreendiam muito bem a justeza do protesto. Foi nesse clima de altivez e combatividade que o ato chegou ao Terminal.

Ato_13-04_2_G1

 

Entre Marília e a Pátria

Avaliação do Usuário: / 3
PiorMelhor 

frei_caneca

 

Político e religioso brasileiro, Joaquim da Silva Rabelo, popularmente conhecido como Frei Caneca, foi uma importante figura histórica nas lutas de libertação nacional em nosso país. Tendo atuado como forte liderança nos movimentos democráticos da Revolução Pernambucana (1817) e da Confederação do Equador (1824), Frei Caneca mobilizou as massas e os intelectuais de Pernambuco para se rebelarem contra as políticas autoritárias de D. Pedro I. Por ser uma figura política de oposição direta à monarquia, Frei Caneca logo foi capturado e sentenciado à forca pelas forças do Império. No entanto, nenhum escravo ou soldado mostrou-se disposto a conduzir seu enforcamento. O Império Brasileiro decretou então seu fuzilamento, com o intuito de enfraquecer os demais movimentos de libertação nacional por meio da execução dessa grande liderança.  Mas o Império não foi capaz de frear as rebeliões do povo brasileiro, como se comprovou nos diversos movimentos que estouraram no primeiro reinado e no período regencial a partir do exemplo das lutas de Pernambuco. Segue abaixo um poema de Frei Caneca em que reafirma seu compromisso de lutar até a morte por sua pátria, bem como sinaliza que as gerações futuras devem levar essa luta adiante.

 


 

Entre Marília e a Pátria - Frei Caneca

Entre Marília e a pátria

Coloquei meu coração:

A pátria roubou-m'o todo;

Marília que chore em vão.

 

Marília, pede a teus filhos,

Por minha própria abenção,

Morram, como eu, pela pátria;

Marília que chore em vão.

 

Apenas forem crescendo,

Cresçam co'as armas na mão,

Saibam morrer, como eu morro;

Marília que chore em vão.

 

Defender os pátrios lares,

É dever do cidadão.

Quando exalem pela pátria;

Marília que chore em vão.

 

Mensagem da Direcção Central à Liga dos Comunistas [Karl Marx e Friedrich Engels]

Marx-Engels-Forum01 Publicamos em nossa página mais uma obra dos grandes dirigentes do proletariado Marx e Engels. Esse domumento é uma diretiva do Comitê Central da Liga dos Comunistas para seus quadros. Propomos uma leitura atenta desse documento, o caro leitor encontrará na primeira parte do escrito a importância dada por Marx e Engels à organização e disciplina da Liga dos Comunistas, e como esses viam uma real necessidade da Liga manter um corpo clandestino combinadado com a ação pública.

Depois, o documento entra em outras questões fundamentais, como: a) a imperiorisidade da violência revolucionária, que toma boa parte da diretiva, indicando que o Partido proletário não pode de nenhuma forma reter a fúria das massas, pelo contrário, deve colocar o proletariado a sua vanguarda expondo a luta de classes a tal condição que até a pequena burguesia seja obrigada a apelar para violência, levando a Revolução até o mais longe possível não se iludindo com a contemporização da burguesia; b) a diferenciação do programa político do proletariado com o da pequena burguesia, enquanto o primeiro quer derrubar toda ordem capitalista, destruindo a propriedade privada e emancipando a humanidade, a última quer um "capitalismo melhorado" o que, pelas próprias leis do capitalismo, é impossível, portanto, tal programa, só pode gerar ilusão e enganação para as massas de trabalhadores [nesse ponto, observem que Marx e Engels dão uma verdadeira lição aos partidos reformistas de hoje que colocam a luta do povo apenas no campo do "possível" quando, acima de tudo, temos de preparar o povo para a grande luta final]; c) por último, trata sobre a unidade tática do Partido operário com outros partidos em momentos de luta, esta unidade se dá com apoio  do proletariado nas pautas comuns e luta nos pontos divergentes, ou seja, o Partido do proletariado deve aumentar suas forças para atacar o inimigo principal, mas nunca perdendo sua independência, o operariado não pode marchar a reboque da burguesia.

 

GO: MEPR REALIZA CELEBRAÇÃO SOBRE OS 50 ANOS DA BATALHA DE CACHOEIRINHA

IMG_20170513_131218636_HDR  

No dia 13 de maio os estudantes do povo de Goiânia se reuniram para celebrar a importante Batalha de Cachoeirinha e propagandear a revolução democrática agrária como primeiro passo do verdadeiro caminho para a transformação da realidade do povo brasileiro.

A Batalha de Cachoeirinha ocorreu em 1967 quando latifundiários tomaram à força as terras de posseiros e quilombolas que residiam no norte de Minas Gerais. A desocupação violenta foi legalizada e apoiada pelo Estado. Em pleno regime militar, que se iniciara em 1964, os latifundiários foram encorajados a se assenhorarem das terras dos camponeses posseiros através da grilagem. Esse processo contaria com validação jurídica dada pelo judiciário e também com a permissão do uso da violência privada e também das forças do Estado que abertamente colaboravam com os ataques às terras camponesas em prol de grileiros. Essa é uma das facetas da chamada modernização conservadora no campo brasileiro que fortaleceu o latifúndio – renovando-o através de gordos e vultosos incentivos estatais – e reforçou o capitalismo burocrático no país.

IMG_20170513_131307513

 

O nordeste “canta mais uma vez” com o grupo Clã Brasil!

Avaliação do Usuário: / 13
PiorMelhor 

 

Tradição, cultura popular e harmonia: Assim podemos caracterizar o grupo paraibano Clã Brasil. Há mais de dez anos na “cena musical” entoam nos palcos do nordeste, do Brasil e da Europa baiões, xotes, cocos e muito forró pé-de- serra. A origem do grupo aconteceu de uma maneira “espontanea”, quando José Hilton, o Badu,juntamente com sua esposa Maria José e as filhas Lucyane, Larissa e Lizete abriam os portões de sua casa e tocavam para fazer a vizinhança “cair no arrasta pé”, porém em 2001 a família “formalizou” o grupo juntamente com a chegada de dois irmãos: Fabiane e Francisco Filho, estando aí a origem do nome “clã brasil”.
 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI