gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário

Companheira Remis: Presente na Luta! - MEPR/MFP

 

001

Nova Morada - Recife/PE

 

002

BR101, Iputinga - Recife/PE

 

Divulgado poema do professor Saibaba escrito na prisão de Nagpur (Índia)

Retirado e traduzido de Dazibaorojo08.blogspot.com

saibaba

Mãe, não chores por mim

Quando venha me ver, 
mãe, não chores por mim.
Não pude ver bem seu rosto
pela janela de fibra de vidro.
Se você olhasse meu corpo aleijado
Chore, mãe, não por minha ausência em casa;
Quando eu morava em casa
Eu tive muitos amigos
pelo mundo,
mas preso nesta prisão,
Anaa Cell
Ganhei muitos outros amigos
em todo o planeta;

Mãe, desespere-se,
mas não por causa da minha saúde debilitada;
quando na minha infância
você não podia pagar por um copo de leite
você me alimentou com suas palavras
com força e coragem.

Neste momento de dor e sofrimento
Eu ainda colho das forças com que
você me alimentou
Mãe, não perca a sua esperança;
Percebi que a prisão não é a morte,
mas meu renascimento,
e irei para casa,
no seu colo que me alimentou,
com esperança e coragem.

Mãe, não temas pela minha liberdade;
diga ao mundo
que minha liberdade perdida
É a liberdade conquistada para as massas.
Como todos aqueles que estão do meu lado
faça da sua causa a miserável da terra
em que minha liberdade é sustentada.

"Escrito depois que você veio me ver através da janela da sala de visita da prisão em 14 de novembro de 2017. Espero que alguém a traduzisse por você. Mãe, me perdoe por escrever isso em uma língua estrangeira que você não entende. Que posso fazer? Não consigo escrever no doce idioma que você me ensinou na minha infância em seu colo. Seu filho com amor"

G.N. Saibaba
Anda cell, Prisão Central de Nagpur
Dezembro, 2017.

 



Sobre a prisão do professor GN Saibaba, o jornal A Nova Democracia publicou na sua edição nº  185:

"Uma reportagem da agência indiana IANS informou neste 8 de março que o professor G.N. Saibaba – prestigioso intelectual revolucionário e democrata consequente – e mais quatro pessoas, dentre eles um estudante membro da União Democrática de Estudantes e um jornalista, foram condenados à prisão perpétua pelo Tribunal de Sessões de Gadchiroli (Maharashtra).

O professor G.N. Saibaba, 47 anos, possui paralisia em 90% do corpo e não pode se locomover sem cadeira de rodas. Ademais, vem sofrendo com problemas de saúde agravados pelas duas vezes que ficou encarcerado, a primeira entre maio de 2014 e junho de 2015, e a segunda entre dezembro de 2015 a abril de 2016. Saibaba chegou a ser internado em fevereiro último no Hospital Rockland, em Delhi, onde foi constatada uma pancreatite aguda que necessitará operação nos próximos meses.

Esta criminosa sentença é um ataque frontal às liberdades democráticas tão caras ao professor Saibaba, que critica duramente a escalada fascista e reacionarização do velho Estado indiano, seus crimes contra o povo, os revolucionários e os democratas.

Tal como afirmamos em AND nº 174, toda a perseguição sobre G.N. Saibaba é a prova de que o velho Estado indiano, de tão podre, reprime ferozmente até mesmo os democratas, e que sua desculpa de “combater os maoístas” significa, na verdade, combater todo e qualquer vestígio de direitos democráticos para manter a Índia afundada na semicolonialidade e semifeudalidade."

 

Coletivo Bagaço promove festa popular em comemoração ao boicote às eleições

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

Esse ano mais 36 milhões de brasileiros não apareceram ou votaram em branco ou nulo no segundo turno das eleições. Isso é motivo de comemoração para todas as pessoas e movimentos que participaram de comitês pelo boicote à farsa eleitoral e apontam o caminho revolucionário como necessidade para uma real transformação em nosso país. Por isso, no último dia 15 de dezembro, o coletivo Bagaço organizou na cidade de Igarassu (Pernambuco), uma festa reunindo vários jovens da comunidade. Teve de tudo: comidas típicas, oficina de cavalo-marinho, apresentação musical, sarau de poesias, roda de capoeira e sessões de vídeos e imagens das ações realizadas durante a campanha.

 

O nordeste “canta mais uma vez” com o grupo Clã Brasil!

Avaliação do Usuário: / 14
PiorMelhor 

 

Tradição, cultura popular e harmonia: Assim podemos caracterizar o grupo paraibano Clã Brasil. Há mais de dez anos na “cena musical” entoam nos palcos do nordeste, do Brasil e da Europa baiões, xotes, cocos e muito forró pé-de- serra. A origem do grupo aconteceu de uma maneira “espontanea”, quando José Hilton, o Badu,juntamente com sua esposa Maria José e as filhas Lucyane, Larissa e Lizete abriam os portões de sua casa e tocavam para fazer a vizinhança “cair no arrasta pé”, porém em 2001 a família “formalizou” o grupo juntamente com a chegada de dois irmãos: Fabiane e Francisco Filho, estando aí a origem do nome “clã brasil”.
 

Os Inocentes do Leblon - Carlos Drummond de Andrade

Avaliação do Usuário: / 13
PiorMelhor 
carlos-drummond-de-andradeUm dos maiores poetas da nossa terra, tem uma interessantíssima poesia para o momento atual de manifestações. Versa justamente sobre os "inocentes do Lebon", o bairro nobre e belo da capital do Rio de Janeiro. Ainda mais nestes tempos em que as manifestações ocuparam as ruas do famoso bairro a poesia ganha maior valor. E que fique a pergunta no ar, até que ponto muitos dos moradores do Leblon são realmente inocentes, até que ponto eles ignoram tudo o que se passa, até que ponto não sabem da fome e da miséria que lhes passa lindeira?

Os Inocentes do Leblon - Carlos Drummond de Andrade

Os inocentes do Leblon
não viram o navio entrar.
Trouxe bailarinas?
Trouxe imigrantes?
Trouxe um grama de rádio?
Os inocentes, definitivamente inocentes, tudo ignoram,
mas a areia é quente, e há um óleo suave
que eles passam nas costas, e esquecem.
 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI