gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário

RJ: Juventude Combatente repele as provocações da PM fascista e reafirma o caminho da luta independente e combativa

Avaliação do Usuário: / 4
PiorMelhor 

ato_1

 

Na tarde desta última quarta-feira, 08/06/16, estudantes, professores grevistas realizaram mais um combativo ato no Centro do Rio, após o término da assembleia do Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação). Na assembleia, os trabalhadores decidiram pela manutenção da greve e na saída a Polícia Militar já começava suas provocações, revistando arbitrariamente alguns estudantes. Na concentração do ato, na Candelária, as provocações da PM continuaram e estes fascistas revistaram diversos estudantes e professores, tiraram fotos e tentaram realizar prisões, mas foram impedidos pela grande mobilização e disposição de luta da juventude combatente. Pouco tempo depois, a PM tentou usar a tática fascista do “envelopamento” para impedir o ato de sair, porém, mais uma vez os estudantes não aceitaram a provocação e seguiram entoando palavras de ordem de resistência e denunciando esse aparato genocida do velho Estado.

 

Propaganda da Revolução nos muros da cidade e do campo

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

1

 

Diante de todo o aprofundamento da crise que assola o Brasil e dos ataques contra o povo da gerência Temer (PMDB/FMI), temos visto, cada vez mais, manifestações de diversas formas defendendo os direitos do povo e apontando o caminho da luta revolucionária como única forma de resolver os problemas do nosso país. No país inteiro, de norte a sul, a juventude combatente e os revolucionários tem deixado sua mensagem de que a rebelião se justifica. Os muros no campo e na cidade tem demonstrado isso.

 

FERP: A GRANDE REVOLUÇÃO CULTURAL PROLETARIA E A EMANCIPAÇÃO DA MULHER

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

Seguimos com a publicação de artigos do Boletim La Rebelión se Justifica Nº 3 publicado pela Frente de Estudantes Revolucionária e Popular - FERP (Chile) disponível no sítio de internet: https://ferp-larebelionsejustifica.blogspot.com


[50 anos da GRCP]

A GRANDE REVOLUÇÃO CULTURAL PROLETARIA E A EMANCIPAÇÃO DA MULHER

gr3

As mulheres do povo sofrem uma dupla opressão: a opressão de classe e de sexo. A origem disto é o surgimento da propriedade privada, que vai de mãos dadas com o surgimento das classes e do Estado. Portanto, a luta feminina é parte da revolução proletária, que tem como meta final a sociedade sem classes, e assim o demonstra a Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP).

Durante a GRCP na China, a experiência mais avançada do proletariado internacional, se combatem as velhas ideias da burguesia que se mantinham na cultura, para assim conjurar a restauração capitalista. A mulher neste contexto toma um papel fundamental.

Na produção, a mulher tomou um papel importante, impulsionando métodos como as fábricas de bairro e a coletivização do campo, adequando-se às necessidades imediatas do povo chinês.

Esta integração (pionera no mundo, junto com a experiência soviética) foi de mãos dadas com a coletivização do trabalho doméstico e maternal, liberando-a da escravidão destas duas funções as quais está submetida no capitalismo. No âmbito sexual a mulher varre com seu papel passivo e submisso a que estava confinada na velha sociedade.

Todos estes avanços não teriam acontecido se não fosse pela participação política da mulher na revolução, o que não se contrapõe ao homem, se não que lutam em conjunto. Varrendo com a concepção reacionária da natureza deficitária da mulher, se aplicaram critérios dentro das organizações e do Partido Comunista da China em favor de que as companheiras tomassem cargos de direção.

Um grande exemplo para todas as mulheres revolucionárias é a companheira Chiang Ching, firme comunista que após a morte de seu companheiro, o Presidente Mao, brigou por manter a linha vermelha, sendo encarcerada pelo revisionismo até sua morte.

A luta feminina na GRCP contra as ideias da velha sociedade e do patriarcado é a maior experiência de emancipação feminina na história, demonstrando quão necessária é a participação das mulheres na revolução proletária e quão importante é a revolução para transformar sua condição.

"Trace as fronteiras entre os revolucionários e os reacionários, levante vossa moral, destruir o eventual prestígio do inimigo e depois poderás isolar os reacionários e lutar para vencer-los, derrubá-los ou eliminar-los."

"As mulheres carregam sobre seus ombros metade do céu e devem conquistá-la!

Se esta parte do céu permanece serena, as tempestades revolucionárias que devem varrer o velho mundo se reduzirão a trovoadas passageiras." 

GR2Chiang Ching

 

 

A LISTA DE ORWELL

Avaliação do Usuário: / 5
PiorMelhor 

 

NOTA DO MEPR:

O presente texto foi retirado do blog http://dazibaorojo08.blogspot.com.br/ e traduzido por nós do MEPR. Sua autoria é de Jorge Ángel Hernández.

O artigo fala da atuação de George Orwell, que reinvidicava ser "socialista" e ser contra o suposto "stalinismo", como espião e informante do serviço de inteligência britânico. Ele ilustra bem a situação política mundial no período posterior ao fim da Segunda Guerra Mundial, particularmente da ofensiva reacionária no campo da cultura e das artes posta em jogo pelos países imperialistas (USA, Inglaterra, etc.) contra os ideais democráticos, revolucionários e a ideologia comunista que vinha ganhando muito espaço neste momento.

O papel que cumpriu o governo britânico, retratado particularmente neste caso da "lista de Orwell", é notável na política imperialista contra o socialismo. Não apenas investiram rios de dinheiro no serviço de espionagem (procurando encontrar "simpatizantes do comunismo" em todos aqueles que se opunham firmemente ao seu sistema de exploração e opressão), mas também estruturam um aparato de contrainformação que passou a atuar ativamente através da divulgação de materiais anticomunistas por todo o mundo e com um cuidado ainda maior nos países dominados (o terceiro mundo). A estruturação de organismos como o IRD1 era, portanto, o de atuar através de embaixadas (como a embaixada inglesa no Brasil durante o regime militar fascista) para agregar em torno de si intelectuais, jornalistas, artistas que poderiam ser porta-vozes do imperialismo nesta batalha ideológica contra o socialismo.

Era chave para o imperialismo agregar em torno de si figuras renegadas, que já foram “socialistas” ou que reinvidicam tal título, mas que, neste período após a consolidação de J. Stalin no comando da URSS, seu papel na derrota ao nazi-fascismo e, principalmente, após o fim da Segunda Guerra Mundial e o advento da chamada "Guerra Fria", capitularam da posição de defesa do socialismo e, na prática, se mostraram como linha auxiliar desta ofensiva imperialista contra o Socialismo (ora iludidos, ora de pleno acordo, como é caso de Orwell).

 

Tal ação desesperada por parte dos governos imperialistas pretendia fazer uma contrapropaganda acerca dos inegáveis avanços ocorridos nos países socialistas (URSS desde 1917 e principalmente com seu papel decisivo na derrota do nazi-fascismo e China Popular a partir de 1949) no âmbito ideológico, tentando fazer contrapôr a "liberdade de crítica", "liberdade da arte" e demais discursos metafísicos da burguesia às Republicas Populares - nas quais o povo trabalhador, os operários, os camponeses, não obstante ter logrado tomar o poder dos reacionários (grandes burgueses, latifundiários e imperialistas), conseguia também expressivos avanços em todos os campos da vida humana (produção industrial, produção acadêmica, música, cinema, teatro) sobre um sistema de governo não mais baseado na exploração do homem pelo homem, mas baseado na democracia para amplas massas e ditadura para os exploradores.

 


 

Jorge Ángel Hernández

O famoso escritor britânico George Orwell, autor de igualmente célebre novela 1984, se empregava de pleno conhecimento de causa no quadro da Guerra Fria Cultural. Desempenhava seu papel de colaborador ativo da CIA, sobretudo através do agente intelectual Arthur Koestler2, com quem jogava calculando o grau de traição que poderiam alcançar as “bestas negras favoritas” de sua lista de denúncias. Em seu meticuloso diário, Orwell reuniu nomes de trinca e cinco pessoas em 1949, mas engrossou rapidamente o número no mesmo ano, até chegar a 125 supeitos de simpatizar com o comunismo ou de colaborar com ele diretamente. A volumosa lista seria entregue pelo mesmo ao Departamento de Pesquisa e Informações (Information Research Department - IRD, na sigla em inglês).

 

 

Vídeo: Imagens da Grande Revolução Cultural Proletária

Divulgamos abaixo vídeo encontrado na internet com diversas imagens da Grande Revolução Cultural Proletária na China. Logo nas primeiras imagens do vídeo, é possível ver o momento em que o Presidente Mao Tsetung recebe sua a braçadeira de Guarda Vermelho das mãos de um jovem revolucionário durante um comício para a juventude. Em outro momento, centenas de milhares de jovens, entre eles muitos dos Guardas Vermelhos exaltam e defendem a GRCP agitando seus exemplares do Livro de Citações do Presidente Mao Tsetung o  "Pequeno Livro Vemelho".


Essas imagens tem elevada importância no combate à todo o vômito reacionário anticomunista despejado por fascistóides de todas as extirpes, com a colaboração do monópolio de imprensa, e convergente com o oportunismo e o revisionismo, com seus expúrios ataques à GRCP e à grande experiência da Revolução Chinesa sob direção do PCCh e do Presidente Mao Tsetung. Vejam! Contemplem os milhares de jovens saudando as grandes tormentas que durante dez anos varreram os ventos restauracionistas na China! Esta foi a maior experiência do movimento de massas na história da Humandidade, a mais avançada de todas e é mais uma prova de que REBELAR-SE É JUSTO!

 

CELEBRAR OS 50 ANOS DA GRANDE REVOLUÇÃO CULTURAL PROLETÁRIA


 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL