gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário
 

139 anos de nascimento de Pancho Villa

pancho

Traduzimos e publicamos material sobre a vida de Pancho Villa organizado pela Corrente do Povo - Sol Rojo [Sol Vermelho] do México e disponibilizado em seu blog na internet.

Ao lado de Emiliano Zapata, Pancho Villa foi um dos dois grandes chefes políticos e militares da Revolução Mexicana. O rápido desenvolvimento e a conquista do Poder em quase todo o país, demonstrou a força do campesinato mexicano e a justeza da sua revolução agrária. Embora a revolução tenha sido tragicamente derrotada por forças latifundiárias apoiadas pelo imperialismo ianque, ainda hoje o caminho defendido por Zapata e Pancho Villa segue vigente e o campesinato e as classes populares do México novamente se levantarão para conquistar a terra, destruir o latifúndio e sobre as fundações de uma Nova Democracia, erigir uma Nova sociedade.


 

No 139º aniversário do General Francisco Villa

Sem cumprem já 139 anos desde o nascimento de Doroteo Arango, melhor conhecido como Francisco Villa, próximo à Coyotada, município de San Juan del Río, em Durango no 5 de Junho de 1878

Dirigente social, lutador revolucionário, chefe militar e guia indiscutível não só do processo social que iniciou em 1910 e se prolongou até 1923 em que foi assassinado, mas também de várias gerações de revolucionários que nos temos proposto à transformação radial da sociedade, deixando de lado as repetições legalóides, pacifistas, reformistas e eleiroreiras do oportunismo e do revisionismo vulgar. Nosso General Francisco Villa ainda cavalga nas lutas vigentes do proletariado, do campesinato pobre, dos povos e nações originários, dos pobres das cidades e do campo e de todos aqueles que cremos que vencer é possível.

Hoje o recordamos com bandeiras vermelhas ao alto, e publicando um fragmento da Biografia Narrativa que o escritor e historiador, Paco Ignácio Taibo II faz do General e da qual recomendamos a leitura.

Viva o General Francisco Villa!

Fora o Poder, tudo é ilusão!

--

pancho2

De Paco Ignacio Taibo II

Pancho Villa: Uma biografia narrativa

 

 

Índia: Presos políticos realizam greve de fome

 

Reproduzimos do CEBRASPO

DEZENAS DE PRISIONEIROS POLÍTICOS NOS CÁRCERES DE CALCUTÁ FAZEM GREVE DE FOME EM SOLIDARIEDADE E PROTESTO AS TORTURAS A REVOLUCIONÁRIA KALPANA MAITY.

Traduzimos do blog maoistroad denúncia sobre a greve de fome de cerca de 80 prisioneiros políticos e a situação que se encontra a revolucionária indiana Kalpana Maity:

“Em torno de 80 prisioneiros políticos de quatro cárceres da Índia -três dos quais se encontram em Kolkota (Calcutá)- fizeram uma greve de fome de 24 horas desde o sábado passado como forma de protesto contra a tortura infligida a comunista-maoísta Kalpana Maity, que atualmente se encontra na prisão de Alipore. A greve nas prisões de Presidency, Dum Dum, Jalpaiguri e no presídio de mulheres de Alipore começaram às 6hs da manhã e terminou na mesma hora de domingo.

Ranjit Sur, membro da Associação para a Proteção dos Direitos Democráticos, uma organização cidadã de direitos humanos, declarou que tem estado em contato com os prisioneiros e que a organização havia recebido uma queixa por escrito de Maity detalhando a tortura a que foi submetida (Fonte: Indianexpress). Nos deu a queixa escrita em sua última aparição, que foi dia 6 de este mês. Devia apresentar ao juiz também, porém não pôde apresentar sua queixa a eles na última audiência. Segundo sua denúncia, Kalpana Mayti começou a sofrer de muitas dores desde que foi transferida a prisão de Alipore. Ela sofre de diabetes, artrites e uma série de outras enfermidades.

“Ela alega que o encarregado do cárcere deu instruções a todos os demais reclusos na prisão ameaçando-os para que não a ajudem. Os outros presos foram proibidos de falar com ela, e vice-versa. Também, a obrigaram limpar sua própria cela e banheiro, algo que os demais internos não têm que fazer. Aos outros reclusos é permitido passear ou fazer exercício no pátio da prisão, entretanto a Kalpana é negada esta facilidade”, segundo afirma Ranjit Sur.

Apesar de Maity ser uma presa política, reconhecida pelo tribunal como tal, não foi tratada como tal: “Tem certas coisas que um preso político deve receber por lei, como uma mesa, cadeira, livros, jornais e material para escrita. As autoridades penitenciárias não lhe ofereceram isto. Ela tem estado isolada por completo”.

Segundo Sur, Maity foi detida em 4 de dezembro de 2010, com outras quatro pessoas acusadas de serem maoístas, Sudip Chongdar, Barun Sur, Akhil Ghosh e Bimal Mallick, no distrito de Maidan em Calcutá. Ela era conhecida como pessoa próxima do maoísta Kishenji, era chamada de “sua sombra”. “Os prisioneiros políticos decidiram que se a tortura não acabar, então irão entrar em greve de fome indefinida em todos os cárceres de Bengala Ocidental”, confirmou Rajnit Sur.

Em 2012, pouco depois de chegar ao poder, o primeiro ministro Mamata Banerjee decidiu sobre a liberação de 51 presos políticos que haviam sido condenados a cadeia perpétua e já haviam cumprido mais de 15 anos de prisão. As recomendações foram realizadas por um “Comitê de Revisão para liberação de presos políticos”, encabeçado pelo juiz Maloy Sengupta. Contudo, ainda que o Comitê Sengupta tenha recomendado a liberação de todos os presos políticos, isto nunca foi levado a cabo.”

LIBERDADE A TODOS PRESOS POLÍTICOS DEMOCRATAS E REVOLUCIONÁRIOS NA ÍNDIA E NO MUNDO!

 

[FERP] EDUCAÇÃO GRATUITA, CIENTÍFICA, NACIONAL E A SERVIÇO DO POVO!

Retirado do Blog da Frente Estudantil Revolucionária e Popular do Chile: ferp-larebelionsejustifica.blogspot.com

 

Chile

Milhares de estudantes se jogam às ruas em protestos, marchas e cortes de avenidas pelo direito à educação, tendo como resposta do velho Estado um crescente repressão, com estudantes gravemente feridos, numerosas detenções arbitrárias, espancamentos e gás lacrimogêneo ao limite. O combativo estado de ânimo das massas deve encher-nos de otimismo.

Enquanto tanto a CONFECH impulsiona as “cinco indicações” (fim da dívida, gratuidade, fortalecimento da educação pública, marco regulatório e fim do lucro) para “incidir” nesta “reforma” que só aprofunda o capitalismo burocrático na educação (ver edição anterior). Isto nos fatos é fazer conduta e lobby, e atolar-se no parlamento, órgão de legitimação das classes opressoras, que historicamente tem servido para conter as demandas do povo.

Exemplo do anterior é o de Iván Fuentes, antigo dirigente dos protestos que paralizaram Aysén em 2012, hoje membro do parlamento e acusado de receber subornos e financiamento das mesmas pesqueiras contra as quais as massas ayseninas protestaram.

É por isto que o movimento estudantil não deve deixar-se enganar por aqueles que planteiam “reformar” o velho Estado e usar nossas justas lutas como campanha eleitoral.

 

A paciência do Povo Brasileiro acabou

Retirado do Boletim La Rebelión se Justifica! da Frente Estundatil Popular e Revolucionária do Chile - FERP

A paciência do Povo Brasileiro acabou


O povo do Brasil demonstra ao mundo heroicas e combativas lutas no campo e na cidade, que estremecem em toda a América Latina. Este dia 24 de Maio, inclusive, os protestos em Brasília se dirigiram para a destruição dos prédios de ministérios e outros órgãos do velho Estado, até o ponto que Temer e sua quadrilha tiveram que enviar militares para reprimir.


A paciência do povo brasileiro chegou ao seu fim, e manifesta com grande violência revolucionária sua disposição para varrer com os reacionários; com os governantes, cujas contradições desmascaram seus verdadeiros rostos. Corruptos que entregam fundos públicos a monpólios industriais como o fez Dilma Rousseff e agora Michel Temer, mostram ao povo brasileiro o caráter de classes de seu velho Estado: servir aos monopólios e latifundiários.


O mais escandoloso, nem sequer é a corrupção, senão a situação da grande concentração latifundiária que existe no campo, que deixa os camponeses desamparados e em fome constante. Frente a esta situação faz tempo que o campesinato vem empreendendo com justeza a tomada de terras, resolvendo assim o problema fundamental e avançando também no caminho da Revolução de Nova Democracia.


As justas tomadas de terra, onde se estabelecem acampamentos produtivos ou áreas revolucionárias, desatam que a mão sanguinária dos latifundiários, que vem assassinando camponeses sistematicamente, se torne mais cruel.

- Ao responder um email, encaminhe-o para a pasta adequada ou seja, para quem ele se destina.

- Ao responder um email, encaminhe-o para a pasta adequada ou seja, para quem ele se destina.A DECA (Delegacia Especial de Conflitos Agrários) perpetuou um grave massacre no Pará no mês passado, onde assassinaram 11 camponeses pobres e deixaram 14 feridos. Estes fatos faram estalar o ânimo dos camponeses. A revolução no Brasil se faz inevitável.


Os oportunistas e revisionistas tentam mostrar estas grandes lutas do povo brasileiro como um conflito que se soluciona com uma mudança de governo. Daí que coloquem ênfase no “Fora Temer”; porém qualquer um que seja parte do corrupto Estado brasileiro será igualmente um pró-imperialista sujo.


O povo brasileiro tem dois grandes problemas: o problema da terra e o problema nacional. Só a Revolução democrática, agrária e anti-imperialista tem a solução para varrer estes problemas destruindo por completo esta velha ordem embelecida pelos adoradores do imperialismo, traidores da pátria e os partidários deste velho Estado burocrático e genocida.


 LA REBELIÓN SE JUSTIFICA N°8


 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI