gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário

37º ENEPe em luta contra o governo Temer e o divisionismo na Pedagogia!

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
Logo_NOVO_fundo_transp
Comissão Organizadora do 37º ENEPe
16/07/2017 

Companheiras e companheiros,

O 37º ENEPe está acontecendo desde sábado, com a participação de estudantes de pedagogia de todas as regiões do país, mais de 50 cidades e centenas de companheiros e companheiras de luta, que vieram pra nossa cidade, Petrolina, no intuito de fortalecer o debate e a luta em defesa da educação pública, gratuita e democrática, contra os ataques crescentes deste governo corrupto e vende-pátria!

Saudamos mais uma vez todos e todas que chegaram com disposição de luta, alegria e desejo de elevar a unidade da pedagogia para enfrentarmos juntos/as todos os desafios que estão pela frente, e que não são poucos: sucateamento geral do ensino e da condição de trabalho docente; reforma trabalhista recentemente aprovada; privatização crescente! Como acabamos de discutir na mesa da tarde, vivemos num quadro, como disse a professora Fátima Siliansky, que exige de todos nós mais luta e união contra todos exploradores! A professora Fátima foi recentemente exonerada da direção do Hospital Universitário da UFAL, pela gestão privatizada da EBSHER e apesar da enorme campanha democrática realizada, o MEC não voltou atrás de sua ingerência. Para nós é uma honra tê-la como palestrante do Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia do Sertão, professora! Aqui é terra pra quem resite, como fez a companheira! Afinal, já disse Euclides da Cunha, "o sertanejo é antes de tudo um forte"! Somamos nossas forças às de todas professoras e professores em luta de todo o país!

Queremos saudar, também aos demais professores e professoras que compuseram as mesas dos debates do dia de hoje, que vieram de longe, como Rio de janeiro, Paraná, Belo Horizonte e também daqui de Juazeiro/Petrolina, exclusivamente para contribuir com nossa luta e formação.

Nos somamos nesta aliança democrática, professores! Seguiremos juntos! Saudamos os companheiros do grupo cultural Samba de Velho, e de makulelê, sentimos pulsar nossa cultura popular em todos estes momentos de integração, já esquentando desde cedo com a massiva e inédita oficina de dança realizada! Não podemos deixar de saudar, calorosamente, os camponeses em luta pela terra, que participaram da grande abertura deste encontro!

Foram meses de intenso trabalho da CO e da ExNEPe, nunca chegamos tão mobilizados e mobilizadas para um Encontro Nacional! E este ano, como o marco da retirada histórica de direitos do povo, cabe a nós, companheiras e companheiros, cumrpir uma tarefa grandiosa de impulsionar a luta em todo o país, para barrar a precarização da educação! E iremos cumpri-la, somando nossas forças junto com as de todas as classes populares! Assim selamos desde a abertura de nosso Encontro: com camponeses dando saudações a todos, além de representante da luta indígena entre os estudantes, professores democráticos, e funcionários. Esta é a luta da pedagogia, companheiros e companheiras! Independente de todos os governos e partidos eleitoreiros, que só fazem enganar o povo e tentar desviar nossa luta.

Por tudo isto, repudiamos veementemete a atitude antidemocrática de alguns que propuseram hoje na mesa de abertura do encontro que os debates das mesas não acontecessem! Cumpriram um papel que só pode estar a serviço do bandido Temer e sua quadrilha, os mesmos que estão aprovando a toque de caixa as contra-reformas e retirando todos nossos poucos direitos!

Será que estes que nos atacam agora, estudantes de pedagogia e nosso Encontro Nacional, em sua 37ª edição, foram também ao Congresso da Une, em Belo horizonte, para fazer como fizeram hoje aqui no sertão? Porque logo o Encontro com a pauta mais politizada, crítica, combativa é assim tão atacado por estes!? Será que, aqueles que se retiraram do auditório, simplesmente porque a maioria dos estudantes votou em manter os debates e discussões, para os quais pagaram suas respectivas inscrições, querem fazer da pedagogia um "Fla-Flu", em clima de torcida organizada?

Companheiros e companheiras, perguntamos: a quem este tipo de atitude interessa?

Esta, além de uma falta absoluta de respeito e consideração com as centenas de estudanes que se inscreveram em nosso ENEPe, e com os palestrantes confirmados e já presentes em nossa cidade, significa um passo atrás na combatividade, firmeza na defesa de nossos direitos! Este passo atrás, companheiros/as, no momento crucial em que vivemos, é falta de compromisso com a luta dos/as estudantes de pedagogia e de nosso povo! Ou não?

Além de tudo isto, queremos destacar, pra todos/as companheiros/as que a CO e a ExNEPe tem trabalhado dia e noite há meses para acolher a todos/as com muito entusiasmo nesta terra de Marias Bonitas e Lampiões! E assim o fizemos! A CO inclusive garantiu, a pedido de 11 estudantes da delegação de Recife e Caruaru, dentre outras pessoas de algumas outras delegações, que não tiveram condições de pagar, que o preço de sua inscrição ficasse apenas em R$30,oo! Só achamos estranho ver alguns destes mesmos 11 estudantes que tanto nos pediram isenção da inscrição, e acreditamos que seria por estarem com muita vontade de participar, são os mesmos que se rertiraram da plenária quando os estudantes decidiram em maioria que queriam que o debate acontecesse! Não entendemos esta atitude, companheiras/os!

Para quantas delegações estendemos os prazos, conversamos, procuramos atender às necessidades de TODOS/AS estudantes que entraram em contato conosco?! E isto porque para nós, companheiros/as, ao contrário do que alguns dizem, o mais importante é garantir a participação de todos no encontro, em todos os debates e demais atividades, tudo com qualidade, organizado, bem acolhedor.

Hoje teremos noite baiana pra esquentar deste friozinho bom e tão raro em nossa terra, e esperamos que este tipo de atitude divisionista não aconteçam mais, que o Enepe no Sertão seja fortalecido, que todos coloquem suas opiniões no debate e contribuam com a construção democrática desta luta que é de todos/as nós! Vamos nos somar na luta, companheiros/as!

PEDAGOGIA É UNIÃO, NÃO DEIXE O MEC ACABAR COM A EDUCAÇÃO!
CONTRA A PRIVATIZAÇÃO, VIVA O 37º ENEPE NO SERTÃO!
 

UNIR: Para barrar o sucateamento, o fechamento e a privatização de universidades e escolas públicas: GREVE GERAL NA EDUCAÇÃO!

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

Para barrar o sucateamento, o fechamento e a privatização de universidades e escolas públicas:

GREVE GERAL NA EDUCAÇÃO!

 

No início de agosto, a reitoria da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) emitiu posicionamento a respeito dos impactos no orçamento da universidade causados pelos cortes de verba para o ensino público. Apesar do Orçamento de Pessoal não ter sido comprometido, o Orçamento de Custeio sofreu corte de 10% e até a data (01/08), apenas 70% desses recursos foram recebidos pela universidade, impactando diretamente as despesas de manutenção e funcionamento da universidade (energia, água, limpeza, etc), como afirma a própria reitoria na nota. Sobre o Orçamento de Capital, a reitoria afirmou o recebimento de apenas 40% do dinheiro, impedimento o prosseguimento de projetos na universidade, aquisição de equipamentos, acervo bibliográfico, obras de engenharia, etc, que entre outras coisas, vai atrasar ainda mais, ou mesmo impedir, a realização de demandas históricas da comunidade acadêmica, como a construção do restaurante universitário, conquista da vitoriosa Greve da UNIR em 2011 e até agora não concretizada.

 

Até agora ainda não havíamos sentido na UNIR, de forma mais dura, o impacto da política de ataque às universidades e escolas públicas pelo gerenciamento do bandido Michel Temer (PMDB), que são continuidade e aprofundamento da política de sucateamento do ensino público e privatização aplicada pelos gerenciamentos anteriores de Luís Inácio e Dilma (PT) e FHC (PSDB). Para os mais atentos era evidente que essa realidade mais cedo ou mais tarde seria sentida na UNIR. Como a própria reitoria admitiu, esse cenário que se avizinha da UNIR está inserido no panorama mais amplo dos cortes de verbas pro ensino público a nível nacional.

 

Basta ter olhos e ouvidos para perceber a grave situação em que estão as universidades públicas do Brasil: servidores efetivos e, principalmente terceirizados, com salários atrasados; cortes de bolsas de assistência estudantil e bolsas de pesquisa e extensão; “recessos” forçados para reduzir custos e; o mais grave, ameaça concreta de fechamento de universidades estaduais e federais, sendo o exemplo mais dramático a UERJ.

 

Na esteira desses e outros ataques aos direitos do povo brasileiro pelo velho Estado, o Poder Judiciário dá sua chancela e cobertura legal a todas essas medidas. Expressão disso é a recente aprovação pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da cobrança de taxas e mensalidades para cursos de especialização em universidades públicas, abrindo a porteira para a onda de privatização planejada pelo velho Estado burguês-latifundiário.

 

 

Nota de Repúdio: Os restos do PSTU, mais uma vez, apontam seus dedos duros contra o MEPR

Avaliação do Usuário: / 38
PiorMelhor 
Nota de Repúdio:

Os restos do PSTU, mais uma vez, apontam seus dedos duros contra o MEPR

Em novo capítulo da sua longa trajetória de serviços prestados à polícia política do velho Estado reacionário, o falimentar PSTU, em nota publicada no dia 17/11, acusa o Movimento Estudantil Popular Revolucionário de agredir seus militantes. Assim como os trotskystas vêem no camarada Stalin o responsável por todos os males do mundo, o PSTU enxerga no MEPR a responsabilidade pelos tropeços que dão em suas próprias sombras. Como força desmoralizada que são, buscam, em cima da gloriosa bandeira vermelha da juventude combatente do MEPR, um suspiro para recuperar algum prestígio no movimento popular.

Em vão!

Este PSTU, que nos acusa sem fundamentos, e choraminga, é o mesmo que espancou diversos jovens combatentes antes e depois de 2013, ganhando por isso o nada honroso apelido de P2TU; o mesmo PSTU que, amedrontado diante do protesto popular, só via “fascistas” nas manifestações, buscando aliança e colo junto do PT cuja separação nunca superaram; o mesmo PSTU que dobra suas bandeiras vergonhosamente diante da repressão; o mesmo PSTU que disse que na Copa haveria luta, mas traiu de forma explícita a greve dos rodoviários no Rio e dos Metroviários em São Paulo a dias da abertura do torneio; o mesmo PSTU que, como partido eleitoreiro falido, vive principalmente às custas desse movimento sindical mafioso e institucionalizado que temos no País.
 

1917 - 2017: Viva o centenário da Grande Revolução Socialista de Outubro!

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

revolucao-russa-centenario

“A importância mundial da Revolução de Outubro não consiste somente no fato de que ela representa uma grande iniciativa de um só país para romper o sistema imperialista, de que constitui o primeiro foco de socialismo no oceano dos países imperialistas, mas também no fato de que é a primeira etapa da Revolução Mundial e uma poderosa base do seu desenvolvimento ulterior.?” J. Stálin


    Neste ano de 2017, revolucionários de todo o mundo celebram os 100 anos da tomada do Poder pelo proletariado russo. A Grande Revolução Socialista de Outubro em 1917 marcou uma virada na história da humanidade, o fim da era do monopólio do Poder político pela burguesia e outras classes reacionárias e o início de uma nova era: a Era das Revoluções Proletárias! Esta nova era expressa a caducidade da burguesia para dirigir a revolução e a maturidade do proletariado para tomar, dirigir e manter o Poder da Ditadura do Proletariado dentro da qual se enquadram as Revoluções das nações oprimidas.
    No campo ideológico, a Revolução de Outubro f forjou uma nova arma p para o proletariado — a teoria e a tática da revolução proletária —, apontando para os povos oprimidos o de todos os países o caminho para o triunfo do Socialismo. Elevou o Marxismo a sua segunda etapa de desenvolvimento histórico: o M a r x i s m o -Leninismo. Este, com o advento da Revolução Chinesa chefiada pelo Presidente Mao Tsetung e os aportes de validez universal do Pensamento Gonzalo, que guia a invencível Guerra Popular no Peru, hoje se desenvolveu em Marxismo-Leninismo-Maoísmo.
    Celebrar o centenário da Revolução Socialista de 1917 hoje, requer também reafi rmar a plena vigência e validez da ideologia do proletariado, o Marxismo-Leninismo-Maoísmo, principalmente Maoísmo. Pois o fundamental do Maoísmo é o Poder, o Poder para o proletariado, o Poder para a Ditadura do Proletariado, baseado em uma força armada dirigida pelo seu Partido Revolucionário, que se conquista e defende com a Guerra Popular.
    Tendo à frente o Partido Comunista da Rússia (bolchevique) - P.C.R. (b), sob a chefatura do Grande Lenin, por meio da violência revolucionária, o proletariado russo assaltou aos céus. Lenin, elevado a chefe inconsteste do proletariado internacional, teve ao seu lado valorosos revolucionários como Josef Stálin, Yakov Sverdlov, Nadheza Krupskaya e muitos outros. Estes lideraram a vanguarda revolucionária para cumprir a tarefa histórica de derrotar o império feudal czarista na Rússia, abrindo caminho para o proletariado conquistar o Poder em todo o mundo.
    Obra de uma dura luta teórico-prática junto ao proletariado russo e no seio da II Internacional, o estabelecimento do destacamento de vanguarda do proletariado, o Partido Comunista de Novo Tipo, teve em Lenin seu formulador. Derrotando no fogo da luta de classes as posições economicistas e revisionistas dos mencheviques e de outras frações não proletárias, Lenin formulou e forjou o Partido Bolchevique, comprovando que o combate do imperialismo e a reação dissociado o do combate a todo oportunismo não passava de fraseologia oca. Defendeu e aplicou a máxima de que as massas devem se forjar na violência revolucionária e no combate ao oportunismo.

 

Homenagens Internacionais a Companheira Remis

remis_carla_hamburg_4

Diversas organizações e movimentos democráticos e revolucionários pelo mundo tem se manifestado em repudio ao assassinato da companheira Remis Carla. Em franca demonstração do verdadeiro internacionalismo proletário, se solidarizam com a dor de seus companheiros de luta e familiares e também se unem a nos no ódio de classe contra o velho Estado brasileiro burguês-latifundiário e esta podre sociedade patriarcal a qual lhe serve. Reproduzimos a seguir as manifestações das quais já tomamos conhecimento.

A 26 de Dezembro de 2017, a Frente de Estudantes Revolucionaria e Popular (FERP) do Chile, traduziu para o espanhol e publicou as notas do MEPR e MFP sobre o assassinato da companheira e também a nota sobre o seu funeral.

Como introdução a nota, afirmam: "Con profundo pesar traducimos el comunicado del Movimiento Estudiantil Popular y Revolucionario (MEPR) y el Movimiento Femenino Popular (MFP) de Brasil, organizaciones que bregan por la Revolución de Nueva Democracia en ese extenso país, al igual que nosotros, y que en los últimos días han perdido a una de sus mejores jóvenes combatientes, a una gran hija del pueblo dedicada completamente a la causa revolucionaria del proletariado a su corta edad, quien fue asesinada y oculta por su ex novio. Saludamos a todos los compañeros y compañeras del MEPR y del MFP y expresamos que, al igual que a ustedes, esta muerte no hace más que llenarnos de odio contra el patriarcado que oprime a la mitad del mundo y contra el viejo Estado, responsable también de la muerte de estas y tantas otras hijas del pueblo."

"Com profundo pesar, traduzimos o comunicado do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) e do Movimento Feminino Popular (MFP) do Brasil, organizações que brigam pela Revolução de Nova Democracia neste extenso pais, assim como nos, e que nos últimos dias perderam uma de suas melhores jovens combatentes, uma grande filha do povo, dedicada completamente a causa revolucionaria do proletariado na sua pouca idade, que foi assassinada e oculta por seu ex-namorado. Saudamos a todos os companheiros e companheiras do MEPR e do MFP e expressamos que, assim como vocês, esta morte não faz mais que nos encher de ódio contra o patriarcado que oprime a metade do mundo e contra o velho Estado, responsável também pela morte desta e de tantas outras filhas do povo."

 

Remis_ME

Em uma segunda nota, veiculada no inicio de janeiro afirmam:

"Desde distintas organizaciones revolucionarias de Chile enviamos un saludo y homenaje a la compañera Remis Carla, militante del MEPR y MFP de brasil, incansable revolucionaria y maoísta asesinada y oculta por su ex novio el mes pasado.

A los 24 años fue arrancada de este camino, sin embargo seguirá viva en cada una de nosotras y nosotros, en cada acción que contribuya a la revolución, así también en nuestra tarea de luchar diariamente contra el patriarcado, producto de esta sociedad dividida en clases en que vivimos, en nuestra implacable batalla contra el imperialismo y todos los que oprimen al pueblo.

Sabemos que hoy su asesinato es culpa también del viejo Estado brasileño que no protege a las mujeres populares en ninguno de sus aspectos, luchamos firmemente por construir una sociedad nueva. ¡Aplastar el imperialismo y el patriarcado con la Revolución Proletaria!"

Desde distintas organizações revolucionárias do Chile enviamos uma saudação e homenagem à companheira Remis Carla, militante do MEPR e do MFP no Brasil, incansável revolucionária e maoísta assassinada e oculta por seu ex-companheiro no mês passado.

Aos 24 anos, foi arrancada deste caminho, no entanto, seguira viva em cada uma de nos, em cada ação que contribua com a revolução, assim também em nossa tarefa de lutar diariamente contra o patriarcado, produto desta sociedade dividida em classes em que vivemos, em nossa implacável batalha contra o imperialismo e todos que oprimem o povo.

 

Sabemos que hoje seu assassinato e culpa também do velho Estado brasileiro que não protege as mulheres do povo em nenhum de seus aspectos, lutamos firmemente por construir uma sociedade nova. Aplastar o imperialismo e o patriarcado com a Revolução Proletária!"

Junto com a nota, divulgam um vídeo onde militantes revolucionários erguem a bandeira do Movimento Feminino Popular do Chile e uma faixa com os dizeres "Companhera Remis: Presente na Luta! MJP*FERP". Na belíssima homenagem em vídeo, além de puxarem palavras de ordem, os militantes também cantam um trecho do Hino do MFP em espanhol:" Venceremos ao vil imperialismo / a vitória e do povo e seu fuzil!"  - https://ferp-larebelionsejustifica.blogspot.com.br/2018/01/homenaje-la-companera-remis-carla.html

A revista alemã Dem Volke Dienen (Servir ao Povo), divulgou a nota completa do MEPR e MFP sobre o assassinato de Remis e também a nota sobre seu funeral traduzidas para o Alemão, além de fotos da pichação do Coletivo Vermelho de Hamburgo. Em seu texto, afirmam que a o assassinato cruel da companheira Remis, "não nos paralisa, mas apenas nutre nosso ódio de classe mais profundo contra o sistema imperialista e patriarcal". Defendendo a militancia revolucionaria de Remis, afirmam:

"Die Genossin hat in ihren jungen Jahren gezeigt, was es bedeutet, dem Volk zu dienen. Sie hat wichtige Aktionen mitgemacht und geführt. Sie hat bewiesen, dass die Pseudotheorie der sogenannten „minderwertigen weiblichen Natur“ nichts weiter ist als ein Mittel der Bourgeoisie, die Frauen weiter in ihren Ketten gefangen zu halten. Genossin Remís Carla war auf das Engste mit den Massen verbunden und wurde von ihnen geliebt. Ihr entschlossener Kampf gegen den Opportunismus, stets die Fahne des Marxismus-Leninismus-Maoismus hochhaltend, unerschrocken und gewillt, alles für die Revolution zu geben; dies alles und vieles mehr macht die Genossin zu einem leuchtenden Beispiel dafür, wie sich Frauen des Volkes entwickeln können, wenn sie nicht nur zu Schwestern im Kampfe erzogen, sondern zu Führerinnen geschmiedet werden."

" Ela participou e liderou ações importantes. Provou que a pseudo-teoria da chamada "natureza feminina inferior" não passa de meios da burguesia para manter as mulheres presas nas suas correntes. A companheira Remís Carla estava intimamente ligada às massas e amada por elas. Sua luta resoluta contra o oportunismo, mantendo sempre a bandeira do marxismo-leninismo-maoísmo, implacável e disposta a dar tudo para a revolução; tudo isso e muito mais faz com que a companheira seja um exemplo brilhante de como as pessoas das mulheres podem se desenvolver se não são apenas educadas em irmãs em batalha, mas são forjadas em líderes".

 Exigindo a puniçao de seu assassino covarde, afirmam: "Dass nun das System, gegen das die Genossin seit Jahren kämpfte, sie nun aus dem Leben gerissen hat; dass die Reaktion des alten brasilianischen Staates nun versucht, ihren Mörder ungestraft davon kommen zu lassen; all dass bestärkt uns nur noch mehr in unserem Kampf gegen den Imperialismus und das Patriarchat!"

"Que agora o sistema, que o camarada luta há anos, agora a tirou da vida; que a reação do antigo estado brasileiro agora está tentando deixar o seu assassino ficar impune; Tudo isso apenas reforça nosso compromisso com nossa luta contra o imperialismo e o patriarcado!" - http://www.demvolkedienen.org/index.php/de/lat-amerika/1974-genossin-remis-hier-im-kampf

remis_carla_hamburg_3

Na pagina da Kommunistiska Föreningen (Associação Comunista) da Suécia, foram divulgadas as imagens da Campanha Cadê Remis, além de fotos do seu funeral e os cartazes do MEPR e do MFP em sua homenagem. Na nota divulgada relembram a militância da companheira Remis junto a LCP do Nordeste e noticiam:  

"Remis deltog också i bonderörelsen LCP:s kamper och arbetade i det revolutionära området Renato Nathan 2016. Hennes begravning hölls den 24 december med mer än  300 deltagare, inklusive militanter från MFP som sjöng organisationens sånger. En stor banderoll med en målning av Remis fanns på plats under begravningen."

"Seu funeral em 24 de dezembro contou com a participação de mais de 300 participantes, incluindo militantes da MFP, que cantavam o hino de sua organização. Uma grande bandeira com uma foto do camarada também foi carregada." - http://kommunisten.nu/2018/01/02/kamrat-remis-narvarande-i-kampen/

Ao final, reproduzem as consignas:

Paulo César mördare, du kommer att betala!
Paulo Cesar assassino, você vai nos pagar!

Ned med den gamla ruttna bourgeois-godsägarstaten!
Abaixo velho Estado burguês-latifundiário!

Kamrat Remís Carla närvarande i kampen!
Companheira Remis Carla presente na luta!

 

Companheira Remis: Presente na luta!

 

Viva o internacionalismo proletário!

 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI