gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário

CARTA DE ROMPIMENTO COM A UJR (UNIÃO JUVENTUDE E REBELIÃO) E POR QUE DECIDI MILITAR NA UV - LJR (Liga da Juventude Revolucionária)

Avaliação do Usuário: / 7
PiorMelhor 

Publicamos abaixo a carta de rompimento da companheira Walkíria com a juventude pelega da UJR, tentáculo do "partido" revisionista do PCR; essa mesma juventude tão bem conhecida por trair a luta combativa dos estudantes, como foi demonstrado nas ocupações secundaristas de 2015/2016. Nessa carta, a companheira contrapõe a linha oportunista desse partideco com a linha democrática revolucionária defendida pela Juventude Revolucionária  da Unidade Vermelha, bem como expressa sua desilusão com as podres táticas dessa organização que, com sua fraseologia oca, levanta a bandeira da "juventude comunista" e do "combate ao estado burguês". Mas, como exposto abaixo, a prática da UJR não corresponde nem minimamente a seu discurso, revelando que, na verdade, se trata de mais uma entidade que compõe o campo oportunista do estado burguês-latifundiário que tanto explora o povo brasileiro. As bandeiras do PCR (UJR, Correnteza, AERJ etc.) estão à direita do movimento estudantil, e o direcionam para a velha prática do oportunismo eleitoreiro. A decisão da companheira Walkíria de militar na UV - LJR demonstra o caráter decadente do revisionismo e a ascensão da luta combativa e independente no movimento estudantil. Saudamos bravamente o rompimento da companheira e que seu exemplo sirva como uma valiosa lição para a juventude que deseja se mobilizar para abalar a velha ordem que subjuga o Brasil.



 

CARTA DE  ROMPIMENTO COM A UJR (UNIÃO JUVENTUDE  E REBELIÃO) E POR QUE DECIDI MILITAR NA UV - LJR (Liga da Juventude Revolucionária)

Minha primeira experiência prática, que se complementava com minha linha teórica começou na UJR, juventude do PCR.

Fui aprendendo com meus ex-companheiros sua centralidade em âmbitos principais da organização, assim reivindicando os pensamentos e as posições ideológicas, sendo assim empenhada em apreender e aplicar sua linha política.

Entretanto, ao decorrer de quase três meses de atuação nessa organização, fui levada a perceber certas falhas em sua teoria e prática "revolucionárias".

A teoria e a prática do PCR são muito divergentes de uma teoria e prática de fato revolucionárias. Se dizem um partido comunista, porém em sua atuação não passa de um partideco revisionista tal qual seus aliados “temporários” como PSOL e PDT.

ATUAÇÃO NOS  MOVIMENTOS DE MASSAS

O PCR justifica sua atuação na central satélite do PT, a CUT, como sendo um trabalho essencial dentro dos sindicatos, utilizando de forma extremamente desonesta textos de Lênin sobre o trabalho dentro dos mesmos. Porém a prática mostra que é impossível alterar a essência da CUT, pois mesmo existindo trabalhadores honestos lá dentro, a direção é uma verdadeira máfia, servindo como linha auxiliar do governo e da grande burguesia, entravando greves e passando a perna nesta base que faz oposição às posições de direita.

Sobre a “disputa” da UNE e UBES, utilizam o mesmo argumento de que os “comunistas devem estar onde as massas estão”. Porém nos congressos não há qualquer possibilidade de debate político e disputa de massas já que tais “congressos” não passam de festas regadas a drogas e orgias. Outra prova de sua completa degeneração são as inúmeras fraudes como a clássica falsificação das atas.

Ainda que o PCR diga o contrário, a prática mostra que sua participação dentro destes instrumentos do oportunismo como a CUT, a UNE e a UBES servem na verdade para acúmulo político na farsa eleitoral.

 

SOBRE O PT

O PCR argumenta sobre a necessidade de combater a direção pelega da CUT, mas, aparentemente, não é isso que fez durante os governos petistas – semeando ilusões nas massas e nos militantes de que havia algo de progressista ou mesmo anti-imperialista no PT. Em seu “Manifesto do PCR para o 2° Turno das Eleições: Impedir a Entrega do Governo do Brasil aos bancos e ao fascismo” de 2014, quando o PT já havia mais que provado a quem servia, diz “[...] O Partido Comunista Revolucionário (PCR) convoca o povo brasileiro a dizer não ao candidato do imperialismo e dos bancos, derrotar a direita e avançar na luta popular. Dia 26 é dia de votar no Brasil votando em Dilma.”

 

37º ENEPe em luta contra o governo Temer e o divisionismo na Pedagogia!

Logo_NOVO_fundo_transp
Comissão Organizadora do 37º ENEPe
16/07/2017 

Companheiras e companheiros,

O 37º ENEPe está acontecendo desde sábado, com a participação de estudantes de pedagogia de todas as regiões do país, mais de 50 cidades e centenas de companheiros e companheiras de luta, que vieram pra nossa cidade, Petrolina, no intuito de fortalecer o debate e a luta em defesa da educação pública, gratuita e democrática, contra os ataques crescentes deste governo corrupto e vende-pátria!

Saudamos mais uma vez todos e todas que chegaram com disposição de luta, alegria e desejo de elevar a unidade da pedagogia para enfrentarmos juntos/as todos os desafios que estão pela frente, e que não são poucos: sucateamento geral do ensino e da condição de trabalho docente; reforma trabalhista recentemente aprovada; privatização crescente! Como acabamos de discutir na mesa da tarde, vivemos num quadro, como disse a professora Fátima Siliansky, que exige de todos nós mais luta e união contra todos exploradores! A professora Fátima foi recentemente exonerada da direção do Hospital Universitário da UFAL, pela gestão privatizada da EBSHER e apesar da enorme campanha democrática realizada, o MEC não voltou atrás de sua ingerência. Para nós é uma honra tê-la como palestrante do Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia do Sertão, professora! Aqui é terra pra quem resite, como fez a companheira! Afinal, já disse Euclides da Cunha, "o sertanejo é antes de tudo um forte"! Somamos nossas forças às de todas professoras e professores em luta de todo o país!

Queremos saudar, também aos demais professores e professoras que compuseram as mesas dos debates do dia de hoje, que vieram de longe, como Rio de janeiro, Paraná, Belo Horizonte e também daqui de Juazeiro/Petrolina, exclusivamente para contribuir com nossa luta e formação.

Nos somamos nesta aliança democrática, professores! Seguiremos juntos! Saudamos os companheiros do grupo cultural Samba de Velho, e de makulelê, sentimos pulsar nossa cultura popular em todos estes momentos de integração, já esquentando desde cedo com a massiva e inédita oficina de dança realizada! Não podemos deixar de saudar, calorosamente, os camponeses em luta pela terra, que participaram da grande abertura deste encontro!

Foram meses de intenso trabalho da CO e da ExNEPe, nunca chegamos tão mobilizados e mobilizadas para um Encontro Nacional! E este ano, como o marco da retirada histórica de direitos do povo, cabe a nós, companheiras e companheiros, cumrpir uma tarefa grandiosa de impulsionar a luta em todo o país, para barrar a precarização da educação! E iremos cumpri-la, somando nossas forças junto com as de todas as classes populares! Assim selamos desde a abertura de nosso Encontro: com camponeses dando saudações a todos, além de representante da luta indígena entre os estudantes, professores democráticos, e funcionários. Esta é a luta da pedagogia, companheiros e companheiras! Independente de todos os governos e partidos eleitoreiros, que só fazem enganar o povo e tentar desviar nossa luta.

Por tudo isto, repudiamos veementemete a atitude antidemocrática de alguns que propuseram hoje na mesa de abertura do encontro que os debates das mesas não acontecessem! Cumpriram um papel que só pode estar a serviço do bandido Temer e sua quadrilha, os mesmos que estão aprovando a toque de caixa as contra-reformas e retirando todos nossos poucos direitos!

Será que estes que nos atacam agora, estudantes de pedagogia e nosso Encontro Nacional, em sua 37ª edição, foram também ao Congresso da Une, em Belo horizonte, para fazer como fizeram hoje aqui no sertão? Porque logo o Encontro com a pauta mais politizada, crítica, combativa é assim tão atacado por estes!? Será que, aqueles que se retiraram do auditório, simplesmente porque a maioria dos estudantes votou em manter os debates e discussões, para os quais pagaram suas respectivas inscrições, querem fazer da pedagogia um "Fla-Flu", em clima de torcida organizada?

Companheiros e companheiras, perguntamos: a quem este tipo de atitude interessa?

Esta, além de uma falta absoluta de respeito e consideração com as centenas de estudanes que se inscreveram em nosso ENEPe, e com os palestrantes confirmados e já presentes em nossa cidade, significa um passo atrás na combatividade, firmeza na defesa de nossos direitos! Este passo atrás, companheiros/as, no momento crucial em que vivemos, é falta de compromisso com a luta dos/as estudantes de pedagogia e de nosso povo! Ou não?

Além de tudo isto, queremos destacar, pra todos/as companheiros/as que a CO e a ExNEPe tem trabalhado dia e noite há meses para acolher a todos/as com muito entusiasmo nesta terra de Marias Bonitas e Lampiões! E assim o fizemos! A CO inclusive garantiu, a pedido de 11 estudantes da delegação de Recife e Caruaru, dentre outras pessoas de algumas outras delegações, que não tiveram condições de pagar, que o preço de sua inscrição ficasse apenas em R$30,oo! Só achamos estranho ver alguns destes mesmos 11 estudantes que tanto nos pediram isenção da inscrição, e acreditamos que seria por estarem com muita vontade de participar, são os mesmos que se rertiraram da plenária quando os estudantes decidiram em maioria que queriam que o debate acontecesse! Não entendemos esta atitude, companheiras/os!

Para quantas delegações estendemos os prazos, conversamos, procuramos atender às necessidades de TODOS/AS estudantes que entraram em contato conosco?! E isto porque para nós, companheiros/as, ao contrário do que alguns dizem, o mais importante é garantir a participação de todos no encontro, em todos os debates e demais atividades, tudo com qualidade, organizado, bem acolhedor.

Hoje teremos noite baiana pra esquentar deste friozinho bom e tão raro em nossa terra, e esperamos que este tipo de atitude divisionista não aconteçam mais, que o Enepe no Sertão seja fortalecido, que todos coloquem suas opiniões no debate e contribuam com a construção democrática desta luta que é de todos/as nós! Vamos nos somar na luta, companheiros/as!

PEDAGOGIA É UNIÃO, NÃO DEIXE O MEC ACABAR COM A EDUCAÇÃO!
CONTRA A PRIVATIZAÇÃO, VIVA O 37º ENEPE NO SERTÃO!
 

Por que o imperialismo estampa Che Guevara em camisetas e Frida Kahlo em maiôs de praia?

Avaliação do Usuário: / 5
PiorMelhor 

el-marxismo-darc3a1-salud-a-los-enfermos-1954-e29c86-frida-kahlo-c2a9-c3b1c3a1ngara-marx

"O Marxismo dará saúde aos enfermos" - Frida Kahlo (1954)

 

Como não pode apagar da memória das massas a memória gloriosa destes camaradas, a reação mundial tenta de todas as formas deturpar o significado revolucionário da vida dos grandes comunistas! Da mesma forma como caluniam e difamam os Grandes Chefes do Proletariado Internacional, Marx, Engels, Lenin, Stalin e o Presidente Mao, procuram ocultar toda a dedicação à revolução e a defesa do comunismo que os outros cumpriram.

Ao transformar Frida e Che em estampa de mercadorias (roupas e acessórios, principalmente), buscam alterar toda a sua significação histórica, como se estes fossem apenas pessoas que se destacaram por um brilhantismo individual próprio. Na realidade, estes foram chefes e dirigentes das massas na sua luta revolucionária pela destruição da velha ordem imperialista e a construção da Ditadura do Proletariado como parte de um Novo Mundo Socialista.

No caso de Frida, o revisionismo, o trotskysmo, o pós-modernismo e as feministas pequeno-burguesas fazem coro com a reação e contribuem de forma convergente com o imperialismo para difamá-la. Destacam como central na sua vida e prática questões secundárias da ordem da sua conduta nas relações sexuais. Elegem Frida como ícone da “contracultura” porque foi uma mulher dos anos 30 que quebrou tabus sexuais. Mas para isso tem que retirar o que foi o principal da sua vida e da sua história – sua posição de classe e seu compromisso com a revolução.

Sua história representa, assim, a luta do proletariado internacional pelo socialismo, e a briga tenaz de muitas mulheres revolucionárias, que combatem ombro a ombro com seus companheiros e camaradas pela causa da emancipação popular e do comunismo. Muito distante dos movimentos culturalistas feministas e “pós-modernos”, que se limitam à defesa de mudanças “comportamentais” individuais ou meras mudanças “discursivas”, no âmbito da linguagem.

Como revolucionária, Frida questionava os costumes patriarcais dominantes, que pesam sobre as mulheres do povo como a montanha da milenar opressão sexual, e não os desvinculava da luta central de sua classe: a revolução, assim como da luta dos camponeses contra o latifúndio e da luta dos povos contra o imperialismo. Mais que preocupada em “quebrar tabus”, Frida Kahlo se dedicava ao desenvolvimento da revolução social em seu país, sempre destacando o farol da Revolução Mundial, a URSS. Frida, durante toda sua vida de militante, foi convicta Marxista-Leninista e defensora do Camarada Stalin e da Revolução Bolchevique!

 


 

Viva a combativa greve dos professores do Peru!

Retirado de Ligaoperaria.org.br

596fc8b88b303

Protesto combativo dos Professores do Peru fechando a via de acesso ao aeroporto de Puerto Maldonado

A Liga Operária e o Moclate (Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação) saúdam a massiva e combativa greve nacional de professores do Peru. Saudamos calorosamente a justa revolta dos professores peruanos que durante os mais de 44 dias de paralisação protagonizam vigorosos protestos em várias regiões do país, como dezenas de cortes de vias públicas, como o da estrada de ferro que liga Cusco a Machu Picchu, importante destino turístico, no dia 11 de julho, e a via de acesso ao Aeroporto Internacional José Aldamiz, de Puerto Maldonado, no dia 18 de julho, além de combativas manifestações, que têm enfrentado com destemor e bravura a repressão das hordas policiais.

Repudiamos veemente a decretação de estado de emergência em vários distritos, o que demonstra mais uma vez o caráter fascista do governo peruano gerenciado pelo ianque PPK.

Saudamos a resistência dos docentes peruanos ante aos covardes ataques da gerência PPK que pratica uma violenta política de arrocho salarial contra o povo peruano e exige a aplicação de avaliações de desempenho dos docentes, política imposta por determinação do FMI visando a destruição da educação pública.

PROTESTA DE MAESTROS PROFESORES DEL SUTEP SUTE TRAS PROTESTAS EN EL AEROPUERTO

Vigorosos protestos dos professores do Peru sacodem o Peru

No Brasil, os gerentes de turno também desferem inúmeros ataques à educação pública. No estado do Rio de Janeiro, o ano letivo de 2017 na UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) até hoje não se iniciou devido aos brutais cortes no orçamento da instituição; enquanto se mantêm os altíssimos gastos com os imorais juros da ilegítima dívida, propinas para os políticos etc. Na educação básica, em diversos estados e municípios, os trabalhadores do ensino sequer recebem o valor do arrochado Piso Nacional do Magistério, além das condições precárias em que estão a maioria das instituições de ensino.

As bandeiras de luta dos docentes peruanos são extremamente justas e nesse sentido o Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação e a Liga Operária se espelham na combatividade da atual greve nacional dos professores do Peru e continuam mobilizando e organizando os professores brasileiros na luta contra os ataques a educação pública, pelos direitos do povo e também no combate ao oportunismo.

Por uma educação que sirva ao Povo!

Viva a luta classista, combativa e independente!

Viva a greve dos professores do Peru!

Viva o Internacionalismo Proletário!

São Paulo, 04 de agosto de 2017

 

Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação

Liga Operária

 

Rondônia: Abaixo a militarização das escolas!

O Brasil é atingido pela pior crise de sua história, crise cuja base é a economia atrasada de nosso país, mas que tem seus reflexos políticos, sociais, etc. O velho Estado brasileiro e todos os corruptos partidos desse podre sistema político tem realizado todo tipo de ataques aos direitos dos trabalhadores, congelamento de gastos com saúde e educação, reforma trabalhista, reforma da previdência, reforma do ensino médio, etc. A educação pública também tem sido duramente atacada e uma situação que já era ruim nas escolas e universidades públicas tem se tornado calamitosa.

Nas escolas, particularmente, a situação que se verifica no país inteiro é de extrema precarização, são péssimas condições de infraestrutura, falta tudo: desde canetas para os professores escreverem nos quadros até merenda pros estudantes; isso para não falar das condições de trabalho degradantes que os professores tem de enfrentar com turmas superlotadas, extensa e intensa jornada de trabalho e baixíssimos salários. Nessa situação dizer que a educação está ruim e precisa de uma melhoria imediata é dizer o óbvio, a questão é: como resolver esses graves problemas na educação pública?

Uma das formas, mas não a única, com que o velho Estado brasileiro tem respondido a essa questão é com a militarização das escolas, ou seja, a entrega da direção e da gestão das escolas às polícias militares dos estados. Aqui em Rondônia o gerenciamento estadual de Confúcio Moura (PMDB) está promovendo a militarização de escolas da capital e do interior, apoiado nos argumentos principais que a militarização promove: melhoria da qualidade do ensino, uma maior disciplina por parte dos estudantes, combate à delinquência e ao consumo de drogas, entre outros. Afirmamos com toda segurança que esses argumentos são falaciosos. Por quê?

Vejamos, essa tão elogiada “disciplina” nas escolas militarizadas como na atuação em geral da polícia nada mais é do que a velha repressão comum a essas instituições militares. É evidente que, com medo do castigo severo, os estudantes vão passar a ter “bom comportamento” e não por valorizarem o aprendizado, ou seja, na prática a escola vai se tornar mais uma prisão para os jovens, tendo a polícia como diretores e carcereiros. Em relação às drogas funciona da mesma forma, mas a culpa do alto consumo de drogas entre os jovens não é da escola, mas sim do próprio Estado brasileiro e das classes dominantes que estimulam e facilitam a alcoolização e drogatização da sociedade em geral e da juventude em particular pois esse é um negócio bastante lucrativo.

 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI