gototopgototop
MEPR - Movimento Estudantil Popular Revolucionário

GRCP: Escolas a serviço do povo!

Divulgamos a seguir novo vídeo enviado por um companheiro, no qual retrata as mudanças no sistema de ensino chinês durante a Grande Revolução Cultural Proletária e as transformações que a antecederam durante o processo de Educação Socialista. Ao contrário do sistema de ensino brasileiro, que está a serviço do capitalismo burocrático e das podres classes dominantes que o dirigem a serviço do imperialismo, ao contrário de escolas que tratam estudantes como detentos e professores e funcionários como servos, na China Popular uma larga transformação ocorreu nas escolas para que estas se colocassem verdadeiramente a serviço do povo.

Como é retratado no vídeo, desde pequenas as crianças aprendem a importância do trabalho coletivo, enquanto nutrem valores socialistas de trabalhar em prol da sociedade e pelo desenvolvimento de todos, combatendo o individualismo e egoísmo, podres "valores morais" da velha sociedade capitalista. A prática de esportes, música, dança e artes em geral, bem como o aprendizado de ofícios que atendem as necessidades das comunidades em torno das escolas permitem aos estudantes uma vivência muito mais plena da sua juventude, sem a necessidade do uso de drogas "pra escapar da realidade" ou de outros vícios ou práticas que diminuem a condição dos jovens de membros ativos da sociedade, particularmente da construção socialista em curso na época. Com as transformações no sistema de ensino, a China Popular deu um passo importante, proporcionando mais cabalmente as condições reais para juventude cumprir o seu dever revolucionário de SERVIR AO POVO DE TODO CORAÇÃO.

OBSERVAÇÃO: É preciso ativar as legendas do Youtube e configurá-las para Portguês. Note-se que quando o vídeo se refere aos "pequenos soldados vermelhos", está na verdade fazendo referência aos Guardas Vermelhos, organização da juventude revolucionária que teve um papel importântíssimo no despertar das labaredas da Grande Revolução Cultural Proletária, por desmascarar, denunciar e combater o seguidores do caminho capitalista e demais revisionistas do seio do Estado Proletário e do próprio Partido Comunista Chinês, e levar adiante uma verdadeira revolução na alma da sociedade, extirpando-a de todas as expressões da atrasada ideologia burguesa, seja nas artes, na cultura, educação, em toda a superestrutura da sociedade.
CELEBRAR OS 50 ANOS DA GRANDE REVOLUÇÃO CULTURAL PROLETÁRIA


 

A CONTRAPROPAGANDA DE TEMER (PMDB/PSDB) PARA DEFENDER SUA CONTRAREFORMA DO ENSINO MÉDIO

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 


A desmoralizada gerência Temer (PMDB/PSDB) tem acelerado os ritmos de trabalho de sua equipe de propaganda, numa tentativa de fazer melhorar (ou ao menos não piorar) seus sofríveis índices de aprovação e tentar aplastar a fúria popular, facilitando seu trabalho de aplicar ao máximo o programa exigido pelo imperialismo. Dentre as propagandas, ganhou grande destaque e bastante tempo nas telas a que se refere a contrarreforma do Ensino Médio, não é de se estranhar, visto que a juventude tem sido uma das principais fontes da dor de cabeça das últimas gerências do Velho Estado brasileiro. Mas de que se trata esta dita Reforma? E principalmente, a quem ela serve?

Num raro (e breve) momento de honestidade, a propaganda admite a situação vergonhosa em que se encontra o Ensino Médio brasileiro, somente é claro para fazer passar como benéficas as propostas de desmonte que visa implementar com a antiga MP 746, agora Lei 13.415 de 16/02/2017. De fato, o Ensino Médio não é nada atrativo, tem baixíssimo rendimento e estrutura completamente sucateada. Para se ter uma ideia melhor da situação, as taxas de rendimento das escolas públicas regulares contemplam 13% de reprovação e 8% de abandono, respectivamente 18% e 10% só no 1º ano (MEC, INEP, 2015). Dos jovens entre 15 e 17 anos 35% ainda estão no Ensino Fundamental, e 17% fora da escola; dos jovens entre 18 e 24 anos, 32% não concluíram o Ensino Médio e não estão estudando. Isso sem falar nas condições materiais e estruturais (41% das escolas sem saneamento básico). Todos esses são sintomas de uma política educacional conduzida por um Estado semifeudal e semicolonial, e que não poderão ser resolvidos com uma simples canetada.

Mas quanto a isso não há problema, afinal, o “Novo” Ensino Médio não tem a menor intenção de solucionar nenhum dos traços deste cenário.

 

UERJ: Universidade vai às ruas. Estudantes denunciam massacre de Pau D'Arco.

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 
No último dia 07/06, quarta-feira, estudantes, professores e técnico-administrativos participaram da Marcha pela Uerj. O ato, que contou com mais de 1000 pessoas, teve início pela manhã, as 10 horas. Ao fim da tarde, ocorreu também a distribuição de panfletos denunciando a chacina de Pau D’Arco, no Pará.

Pela manhã, as aulas foram interrompidas para que o conjunto da comunidade acadêmica pudesse comparecer. A manifestação percorreu toda a Rua 28 de setembro, aonde está localizada o Hospital Universitário Pedro Ernesto - HUPE, que sofre com a precarização e o corte de verbas. Ao longo da caminhada, muitas faixas, cartazes e falas denunciaram o plano de desmonte da educação pública e chamaram a população carioca a se unir na luta em defesa da Uerj e contra as medidas antipovo do Pezão. Chegando até o fim da rua, numa movimentada praça, o ato teve fim.

marcha_pela_uerj

Esta importante iniciativa serviu para mostrar para alguns setores da universidade e também para a população quão grave é a situação da Uerj com um período letivo de apenas 3 meses, o não funcionamento do bandejão, aonde estudantes estão tendo que pagar pelo menos R$50,00 por semana do próprio bolso para almoçar nos arredores da faculdade, e muitas outras pautas que garantem o funcionamento mínimo da faculdade e devem ser urgentemente atendidas.

Apesar dos ataques de Pezão e toda sua quadrilha, a Uerj resiste! Estudantes, professores e funcionários estão se organizando para defender seus direitos e lutar contra os ataques aos seus direitos em defesa do ensino público!

No mesmo dia, às 17h, estudantes do MEPR e militantes da UV-LJR organizaram uma panfletagem denunciando a chacina de 10 camponeses ocorrida em Pau D’Arco, no Pará, no último dia 24/05. Foram mais de 700 panfletos distribuídos em pouco mais de 2 horas de atividade, que contou com uma faixa em apoio à luta pela terra e condenando o massacre, e também intervenções no megafone explicando o conteúdo do panfleto distribuido.

Todos os que passavam e recebiam a nota de denúncia se mostravam interessavados em ouvir o conteúdo das falas e em vários momentos demonstravam o seu apoio à luta dos camponeses pela terra. Na semana que vem será organizado um debate com o mesmo tema para trazer, uma vez mais, o debate sobre a questão agrária e a denúncia dos crimes do latifúndio para dentro da faculdade.

Após o final da atividade, foi estendida uma faixa de 30 metros com os dizeres “Solidariedade aos camponeses de Pau D’Arco Pará! Viva a luta pela terra!” assinada pelo MEPR.

faixaUERJ

 

FERP/CHILE: DERROTAR A "REFORMA" EDUCAIONAL COM LUTA!

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 
Retirado do Boletim La Rebelion se Justifica nº 7 - disponível em: ferp-larebelionsejustifica.blogspot.com

Movimento Estudantil
DERROTAR A "REFORMA" EDUCAIONAL COM LUTA!

 

Chile4

Durante o mês de Abril, foram aprovadas uma série de medidas para a Educação Superior, a suposta "reforma", e por parte do governo foi prometido o fim do Crédito com Aval do Estado (CAE) para o segundo semestre. Entre as medidas estão: criação de uma subsecretaria e superintendencia de educação, obrigatoriedade da acreditação, estabelecimento da bolsa gratuidade por lei, etc.

Esta "reforma" não faz mais que manter intacto o capitalismo burocrático na educação e não incorpora nenhuma das demandas do Movimento Estudantil. Assim, por exemplo, hoje, 80% das matrículas em educação superior estão nas instituições privadas, o que gera uma alta segregação e um grande negócio para os bancos e os donos daquelas universidades. Que diz a reforma sobre isto? "Consagra a educação como um sistema mista" entre universidades públicas e privas, isto é, não muda nenhum fio de cabelo desta questão.

Sobre gratuidade, planteia mantera a atual bolsa e aumentá-la progressivamente dependendo da situação econômica do país. Porém, esta bolsa nõa foi mais que uma mudança de nome e de gestão de recursos, passando fundas das outras para criar esta. Assim, o gasto em benefícios estudantis da educação superior de 2016, ano em que se inicia esta bolsa, foi inclusive menor que os anteriores. Em relação ao seu aumento progressivo, não faz mais que gerar falsas ilusões.

Finalmente, a eliminação do CAE é uma promessa de legislar o segundo semestre para mudar este crédito por um estatal. Isto é: seguir endividando-se para estudar, agora não mais enriquecendo os bancos privados, e sim ao capital monopolista estatal.

Ademais, sobre a atual dívida de mais de um milhão de estudantes pelo CAE planteou a ministra que "é impossível perdoá-la" em condições que o mesmo velho Estado perdoou empresas por quantidades gigantescas (o perdão à Johnson's custou mais de 100 milhões de dólares).

Corresponde derrotar esta "reforma", impulsionando o protesto popular, passeatas, manifestações, etc e mobilizar a outros setores do povo. Terá vital importância este ano não deixar-se enganar pela farsa eleitoral.

Os estudantes revolucionários devem aprofundar a luta por uma verdadeira gratuidade, para golpear os bolsos da grande burguesia, luta pelo perdão total das dívidas e pela plataforma revolucionária de educação gratuita, científica, nacional e a serviço do povo.


chile2

 

ABAIXO A OPERAÇÃO CAÇADA VERDE NA ÍNDIA!

Reproduzimos matéria de denúncia sobre a criminosa Operação Caçada Verde do Estado indiano produzida pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (CEBRASPO)

O Estado Indiano declarou guerra ao povo, e pôs em movimento 150 mil tropas nos Estados das regiões central e leste do país, para ameaçar, prender e assassinar pessoas, e expulsar povos tribais e camponeses de suas terras milenares. Trata-se da Operação “Caçada Verde”, em pleno curso nos dias atuais, levada a cabo a pretexto de combater os Naxalitas, nome dado aos combatentes do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoísta).

O real contexto

O Estado Indiano, umbilicalmente associado ao imperialismo, tem ao longo dos anos atacado povos tribais (chamados de Adivasis) para expulsar-lhes das suas terras milenares. Tratam-se de terras riquíssimas em recursos minerais e naturais, e há interesse direto de grandes corporações (como Tata, Essar, Jindal e Mittal) nessas terras.

Nos dados do Censo de 2001, os Adivasis (ou povos tribais) correspondiam a mais de 84 milhões de pessoas em todo o país, preservando uma cultura milenar e modos de produção e de propriedade coletiva, bem como uma estrutura de poder própria. Esses povos têm dado uma importante contribuição à filosofia, linguagem, costumes no país, e também às lutas de resistência desde a colonização britânica no século XVII.

De acordo com a legislação indiana, as terras dos povos tribais são protegidas sob o nome de Áreas Catalogadas (Scheduled Areas), devendo nelas ser assegurado o controle e administração pelos próprios povos tribais. Os órgãos que exercem soberania popular são chamados de Gram Sabha, que são competentes para resolver os problemas locais.

Os Naxalitas tem desenvolvido o apoio concreto aos povos tribais, apontando o caminho da resistência armada. O Estado indiano, a pretexto de combater os Naxalitas, faz a guerra contra o povo e realiza deslocamentos massivos de pessoas visando suas terras.

Em uma entrevista transmitida a uma rádio australiana em 12 de fevereiro de 2010, Linga, uma moradora local, denuncia:

Os moradores do meu bairro se sentem inseguros. Nós estamos sendo explorados, a nossa terra está sendo roubada. E não é o governo que está nos ajudando, mas sim os maoístas. Nenhuma lei é respeitada. Mesmo aquelas conquistadas após a independência, há 60 anos, não têm aplicação. Nós ainda temos que lutar por nossos direitos.”[i]

 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI