gototopgototop
Celebrações
Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 
Sex, 12 de Março de 2010 Cultura Popular - Celebrações

8_de_MarcoPor ocasião do Dia Internacional da Mulher Proletária nós do MEPR reproduzimos uma excelente matéria aparecida no jornal A Nova Democracia nº29, de abril de 2006. Tratando de duas questões fundamentais no que tange à questão feminina, às quais há várias décadas o sistema socialista deu resposta e que, não obstante, nem de longe se cogitam resolver sob a escravidão capitalista, precisamente a questão das creches e do aborto.

Em meio a todo tipo de ridícula e esdrúxula contra-propaganda levada à cabo pelo imperialismo sobre uma suposta “igualdade da mulher” e universalização do “direito civil” (no caso da mulher, liberdade de ser duplamente explorada, no trabalho e em casa), que não passam de mera farsa que não resiste à constatação dos elevados índices de depressão em donas-de-casa, a ditadura de um padrão estético alienígena que conduz à anorexia, à bulimia e que chega ao cúmulo de que nos shopping’s (a Igreja máxima da nossa atual sociedade) muitas jovens são obrigadas a anexar fotos ao seu currículo quando vão se candidatar a uma vaga, o que evidencia seu papel de mero objeto, sem falar da imensa maioria de mulheres pobres que, não tendo acesso à creche para seus filhos e impossibilitadas de encontrar um emprego digno são lançadas no abismo de um exaustante e embrutecedor trabalho “invisível”, trabalho doméstico, um dos pilares que permitem aos capitalistas explorarem ao máximo a classe operária, reduzindo seus salários ao mais exíguo do necessário à sobrevivência. Sem falar nos outros graves e brutais problemas como a prostituição e o número de mulheres (que se eleva a dezenas de milhares) processadas e até presas por exercer a autonomia sobre seu próprio corpo (no caso do aborto).

 
Avaliação do Usuário: / 3
PiorMelhor 
Sex, 12 de Março de 2010 Cultura Popular - Celebrações

Castro_AlvesNascido em 14 de março, de 1847, Antônio Frederico de Castro Alves veio a se transformar em um grande escritor, dos maiores de nosso país, sobretudo por sua poesia colocada à serviço do povo, levantando sempre o grito pela libertação dos escravos no Brasil e a emancipação dos explorados.

Sofrendo muitas influências dos românticos condoreiros, principalmente o francês Victor Hugo, Castro Alves produziu suas poesias acompanhando o que de mais avançado e libertador havia no mundo e trazendo suas idéias ao povo brasileiro, na luta por sua emancipação, apontando os verdadeiros inimigos e exaltando a luta das massas e de nossos heróis, como Zumbi dos Palmares.

 
Sáb, 27 de Fevereiro de 2010 Cultura Popular - Celebrações

manoel_lisboa No dia 21 de fevereiro último celebrou-se 66 anos do nascimento do grande revolucionário e comunista brasileiro camarada Manoel Lisboa de Moura. Militante abnegado e de grande capacidade política e teórica foi preso e assassinado pelo regime militar fascista aos 29 anos de idade, tendo sido torturado pelo bandido e famigerado delegado Fleury.

Aproveitamos a oportunidade para reeditar em nossa página matéria publicada em sua homenagem no Jornal Estudantes do Povo nº6 no ano de 2005. Reafirmamos mais uma vez nosso compromisso em não esquecer a bandeira revolucionária empunhada pelos jovens que tombaram na luta por uma nova sociedade e não descansaremos enquanto não vingar o seu sangue derramado. Nenhuma concessão e nenhuma anistia aos criminosos do regime militar! Nas próximas semanas publicaremos matéria mais aprofundada sobre o assunto, que veio novamente à público recentemente. Por ora saudamos novamente os mártires e heróis do povo brasileiro tombados na luta contra os gendarmes fascistas e dizemos em alto e bom som que manteremos erguida sua causa, até a vitória final.

 
Ter, 22 de Dezembro de 2009 Cultura Popular - Celebrações

stalin_e_lenin É com grande honra que nós do MEPR viemos em nossas páginas celebrar o aniversário de 131 anos de nascimento de Iosif Vissarionovicht Stalin, o grande dirigente da URSS revolucionária e que deu provas, múltiplas e grandiosas, de que a sua vida foi, nos dizeres do Presidente Mao Tsetung, “a vida de um grande revolucionário proletário, um grande marxista-leninista”.

Não é à toa que não têm faltado reacionários de toda laia para negar e jogar lama sobre o grandioso papel do camarada Stalin. Desde os abertamente anti-comunistas, estilo “Veja” e afins, que financiam e divulgam a cada ano edições de luxo para denegrir a imagem do grande Stalin (dizendo mil vezes enterrado o marxismo, exatamente como prova de que não só este não está morto como faz ainda tremer de medo os que vivem da exploração do trabalho alheio) até seus “amigos” de “esquerda”, social-democratas, trotskistas e sequazes que, atacando o que intitulam de “culto à personalidade”, “burocratização”, o que fazem é negar em essência a experiência da ditadura do proletariado, a possibilidade e necessidade do Partido Comunista, do assalto ao Poder e da construção socialista em um único país, questões que atormentaram e continuam a atormentar não pouca gente travestida de “comunista” e até de “maoísta”nos dias de hoje.

 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

RVI