gototopgototop
Celebrações
Qua, 26 de Janeiro de 2011 Cultura Popular - Celebrações

Discurso_de_proclamao_da_Repblica_Popular_da_China Como prometemos na última atualização, quando da homenagem ao aniversário do camarada Stalin, celebramos agora os 117 anos de nascimento do Presidente Mao Tsetung, que cumprir-se-ão no próximo dia 26 de dezembro.

Publicamos parte de uma obra, “A Grande Marcha”, que contém depoimentos de veteranos combatentes do Exército Vermelho e militantes do Partido Comunista da China que participaram desse grandioso episódio histórico, que marcou indelevelmente a revolução chinesa e mundial, e revelou ante ao mundo a firmeza e caráter inquebrantável do Partido e sua chefatura: o Presidente Mao.

A Grande Marcha foi sem dúvida uma das maiores epopéias que tem visto a Humanidade. Iniciada em outubro de 1934, percorreu 25.000 li, ou 12.500 km. No seu transcurso o Exército Vermelho de Operários e Camponeses venceu 18 cadeias de altas montanhas, cinco delas cobertas de neve; atravessou 24 grandes rios profundos e tormentosos; doze províncias localizadas em regiões inóspitas, nas quais ocupou temporariamente 62 cidades, chegando a Shensi do Norte em outubro de 1935.

Mais do que um feito heróico, ao seu término o Comitê Central do Partido Comunista da China, fazendo um balanço rigoroso de todo o período anterior, e dos erros cometidos quando do enfrentamento à quinta campanha de cerco e aniquilamento desprendida pelo Kuomintang, estabeleceu uma nova e sólida orientação ideológica e política, firmemente traçada pelo Presidente Mao Tsetung, estabeleceu suas imbatíveis bases de apoio e arrancou pela senda da tomada do poder em todo o país, completada após um longo período de guerra antijaponesa e, posteriormente, nova guerra civil contra o Kuomintang.

Esperamos que a publicação desse texto seja de grande utilidade para a juventude interessada em estudar a história gloriosa da revolução proletária, armando a todos da certeza de que não há inimigo ou ferocidade capaz de vencer as massas populares, quando estas estão guiadas pela poderosa e invicta ideologia do proletariado e o Partido Comunista que a encarna e aplica com justeza.

 
Sex, 17 de Dezembro de 2010 Cultura Popular - Celebrações

Stalin_e_Presidente_Mao_assistem_a_assinatura_do_Tratado_de_Amizade_Sino-Sovitico_em_14_de_fevereiro_de_1950._Chou-en-Lai_aparece_na_foto_assinando_o_documento No dia 18 de dezembro próximo completam-se 132 anos de nascimento do grande dirigente comunista e dirigente do primeiro Estado Proletário da história, o camarada Stalin. O ódio do imperialismo e da reação contra sua figura não pode esconder toda a gigantesca construção do socialismo na União Soviética, seus feitos inapagáveis de heroísmo seja na guerra seja na edificação de um mundo novo. Dentre estes feitos devemos incluir a grande vitória na Guerra Patriótica contra o nazi-fascismo, aonde o glorioso Exército Vermelho de operários e camponeses soviéticos derrotou a principal horda genocida do mundo capitalista de então (a “imbatível” máquina de guerra hitleriana), escrevendo páginas de heroísmo revolucionário massivo que só uma poderosa e sólida direção proletária pode plasmar, vanguardear e desenvolver.

 
Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 
Sex, 12 de Março de 2010 Cultura Popular - Celebrações

8_de_MarcoPor ocasião do Dia Internacional da Mulher Proletária nós do MEPR reproduzimos uma excelente matéria aparecida no jornal A Nova Democracia nº29, de abril de 2006. Tratando de duas questões fundamentais no que tange à questão feminina, às quais há várias décadas o sistema socialista deu resposta e que, não obstante, nem de longe se cogitam resolver sob a escravidão capitalista, precisamente a questão das creches e do aborto.

Em meio a todo tipo de ridícula e esdrúxula contra-propaganda levada à cabo pelo imperialismo sobre uma suposta “igualdade da mulher” e universalização do “direito civil” (no caso da mulher, liberdade de ser duplamente explorada, no trabalho e em casa), que não passam de mera farsa que não resiste à constatação dos elevados índices de depressão em donas-de-casa, a ditadura de um padrão estético alienígena que conduz à anorexia, à bulimia e que chega ao cúmulo de que nos shopping’s (a Igreja máxima da nossa atual sociedade) muitas jovens são obrigadas a anexar fotos ao seu currículo quando vão se candidatar a uma vaga, o que evidencia seu papel de mero objeto, sem falar da imensa maioria de mulheres pobres que, não tendo acesso à creche para seus filhos e impossibilitadas de encontrar um emprego digno são lançadas no abismo de um exaustante e embrutecedor trabalho “invisível”, trabalho doméstico, um dos pilares que permitem aos capitalistas explorarem ao máximo a classe operária, reduzindo seus salários ao mais exíguo do necessário à sobrevivência. Sem falar nos outros graves e brutais problemas como a prostituição e o número de mulheres (que se eleva a dezenas de milhares) processadas e até presas por exercer a autonomia sobre seu próprio corpo (no caso do aborto).

 
Avaliação do Usuário: / 3
PiorMelhor 
Sex, 12 de Março de 2010 Cultura Popular - Celebrações

Castro_AlvesNascido em 14 de março, de 1847, Antônio Frederico de Castro Alves veio a se transformar em um grande escritor, dos maiores de nosso país, sobretudo por sua poesia colocada à serviço do povo, levantando sempre o grito pela libertação dos escravos no Brasil e a emancipação dos explorados.

Sofrendo muitas influências dos românticos condoreiros, principalmente o francês Victor Hugo, Castro Alves produziu suas poesias acompanhando o que de mais avançado e libertador havia no mundo e trazendo suas idéias ao povo brasileiro, na luta por sua emancipação, apontando os verdadeiros inimigos e exaltando a luta das massas e de nossos heróis, como Zumbi dos Palmares.

 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL