gototopgototop

Os Subterrâneos da Liberdade Vol. I, II e III - Completos

Avaliação do Usuário: / 14
PiorMelhor 

“-É preciso não ter ilusões na decisão da justiça. É uma justiça de classe, uma justiça dos latifundiários. E, apesar de que esse é o seu mais clamoroso escândalo, o furto de terra mais abjeto, o Supremo Tribunal Federal não dará ganho de causa aos índios. Alimentar ilusões nesse sentido é desarmar os lavradores pobres e os colonos...

“-Os índios estão dispostos a defender a terra com as armas... São valentes, dizem que aquela terra é tudo que possuem e não querem entregar de jeito nenhum, preferem morrer com a repetição na mão...”

(Os Subterrâneos da Liberdade – Os Ásperos Tempos)

 

 

Baixe o 1º volume de Os Subterrâneos da Liberdade - Os Ásperos Tempos

Baixe o 2º volume de Os Subterrâneos da Liberdade - Agonia da noite

Baixe o 3º volume de Os Subterrâneos da Liberdade - A luz no túnel

 

 

 

jorge_amado O escritor baiano Jorge Amado (1912-2001) escreveu no início da década de 50 o romance tripartido “Os Subterrâneos da Liberdade” (1. Os ásperos tempos,2. Agonia da noite e 3. A luz no túnel).

A história se passa durante a ditadura fascista da administração Getúlio Vargas no chamado Estado Novo.

Jorge Amado descreve com maestria a luta do povo brasileiro, sob a direção do PCB, contra o domínio imperialista e o fascismo de Vargas. A atividade clandestina do Partido Comunista, em meio à greves, atos e manifestações operárias e populares, percorre todo o romance.

E, se por um lado mostra a ação dos revolucionários, por outro, revela a asquerosa atuação das classes dominantes que utilizam todos seus meios sujos para deter as massas populares e o Partido Comunista. Denuncia as torturas cometidas pelo Estado Brasileiro contra os comunistas e, a cada linha, demonstra a superioridade moral da classe operária ante a degenerada moral burguesa.

É, sem dúvida, um romance otimista, irradiador de esperança. Acredita e propaga a força indestrutível das massas populares e, mesmo sob as condições mais difíceis, encherga a luz no fim do túnel. Uma grande obra da literatura nacional.