NOTA DE APOIO A LUTA DOS TRABALHADORES DA UNIMONTES

Combativa_greve_dos_servidores_da_UNIMONTES_em_2008O Movimento Estudantil Popular Revolucionário – MEPR apoia, incondicionalmente, a greve dos servidores da UNIMONTES e as paralisações e mobilizações dos professores. Servidores e professores da UNIMONTES lutam por condições dignas de trabalho, reajuste salarial, democracia e autonomia universitárias.  Os servidores reivindicam reajuste salarial que não ocorre há vários anos, sendo que a situação chegou ao ponto de um técnico de enfermagem ou administrativo receber 470,00 reais, menos de um salário mínimo. Já os professores lutam pela completa isonomia entre professores efetivos e efetivados e em protesto ao não atendimento da pauta de reivindicações por parte da reitoria e do governador Aécio Neves, que se arrasta desde a greve de 2008.

As precárias condições em que se encontram os trabalhadores da UNIMONTES são o resultado da diuturna política de sucateamento da educação pública promovida pelo governo do estado. As absurdas condições de trabalho na UNIMONTES jogam por terra a propaganda demagógica de Aécio e Lula, de que a educação anda a mil maravilhas, como é repetido exaustivamente pelos monopólios da imprensa na farsante campanha eleitoral que já se iniciou.

 

A verdade é  que a UNIMONTES encontra-se em um verdadeiro estado de “calamidade pública”. Não há sequer resquícios de democracia na instituição, administrada como um feudo pelo reitor Paulo César Gonçalves de Almeida que, diga-se de passagem, mesmo sendo o ultimo colocado nas eleições, foi empossado por Aécio Neves por meio de lista – tríplice.

Como se não bastasse temos na direção do DCE a governista UNE/UEE com a aliança entre PCdoB/PMDB e que apoia todos os Os servidores reivindicam reajuste salarial que não ocorre há vários anos, sendo que a situação chegou ao ponto de desmandos da reitoria, como ficou claro em recente reunião do Conselho Universitário, quando o DCE concordou com a imposição, por parte do reitor, dos nomes para composição das câmeras departamentais.

A luta dos servidores e professores da UNIMONTES é também dos estudantes que não possuem as mínimas condições de ensino, pesquisa e extensão garantidas. Além do que, não há qualquer política séria de assistência estudantil na universidade: moradia universitária, bolsa-permanência, transporte, assistência médica, etc.

Por tudo isso, reafirmamos nosso apoio à justa luta dos trabalhadores da UNIMONTES e convocamos todos os estudantes a ingressarem nas mobilizações, aderindo aos atos, assembleias, paralisações e greves. O povo do norte de Minas necessita e merece uma universidade pública, com garantia de acesso e permanência, democrática e autônoma! Só com a luta independente e combativa garantiremos nossos direitos!