Liberdade para Zhao Dong-min! Freedom for Zhao Dong-min!

Liberdade_para_Zhao_Dong-Min
Organizações exigem Liberdade para Zhao Dong-Min

 

O MEPR participou na última quinta-feira, dia 18 de novembro, de uma manifestação na Embaixada da China, em Brasília, que exigiu a libertação imediata do advogado trabalhista chinês Zhao Dong-min, que está sendo criminalizado por defender os trabalhadores e denunciar a exploração promovida pelo Estado chinês.

O ato foi chamado pela ABRAPO – Associação Brasileira dos Advogados  do Povo, Liga Operária, IAPL – International Association of People’s Lawyers, CEBRASPO – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e contou com a participação de diversos estudantes, principalmente do curso de Direito.

Segue abaixo matéria publicada no site da Liga Operária:


Manifestante_entoaram_A_Internacional_hino_dos_povos_em_luta_em_todo_o_mundoAs palavras de ordem exigindo “Liberdade para Zhao Dong-min”, gritadas em português e também em inglês, ecoaram no setor de embaixadas de Brasília, nesta quinta-feira, dia 18 de novembro. Os manifestantes que se postaram em frente ao portão principal da Embaixada da China, na Avenida das Nações, quadra 813, portavam dois grandes estandartes que estampavam a foto do advogado chinês Zhao Dong-min, faixas exigindo a sua imediata libertação, além de bandeiras das entidades.

A manifestação de protesto, contra a prisão ilegal e contra a absurda condenação a três anos de cárcere imposta ao advogado chinês Zhao Dong-min, foi organizada pela ABRAPO – Associação Brasileira dos Advogados do Povo, IAPL – International Association of People’s Lawyers, Liga Operária e CEBRASPO – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos. Operários, advogados e estudantes de direito demonstraram o total repúdio à política fascista do governo da China de perseguir e encarcerar quem luta contra o regime de escravidão e corte de direitos a que são submetidos os trabalhadores no país.

Passeata_chegando__embaixada_da_ChinaMostrando a mesma atitude autoritária e arbitrária do seu governo, além de total despreparo para o exercício de funções diplomáticas, o embaixador da China no Brasil, Qiu Xiaoqi, negou-se a receber o documento elaborado pelas entidades organizadoras do protesto. A atitude do embaixador foi acionar a polícia militar que imediatamente cercou a entrada da embaixada. A delegação de representantes das entidades se postou em frente ao portão da representação da China que permaneceu todo tempo fechada. Gritos histéricos em chinês proferidos de dentro da embaixada e que eram ouvidos do lado de fora dos muros causaram risos entre os manifestantes.

Usando um potente megafone, os manifestantes mantiveram o protesto, com discursos de apoio e solidariedade a Zhao Dong-min, aos trabalhadores da China e de repúdio ao fascismo do Estado chinês. Ao final do ato, já que o embaixador negava-se a receber o documento das entidades, os manifestantes colocaram o documento na caixa de correio da embaixada. Nesse documento, ressaltam-se protestos veementes contra a absurda e ilegal prisão e condenação do advogadoZhao Dong-min e se reitera a exigência dos trabalhadores brasileiros pela sua imediata libertação; a declaração de sua inocência, compensação de suas perdas financeiras e sofrimento mental; punição rigorosa dos responsáveis pelas falsas acusações que originaram a sua arbitrária e ilegal prisão.

Os manifestantes entoaram o hino da Internacional durante o protesto e ao final saíram em passeata e com o firme propósito de levar a campanha pela libertação do advogado Zhao Dong-min para as universidades e locais de trabalho.


Veja o documento das entidades:

Brasília, 18 de novembro de 2010

Ao

Embaixador da China no Brasil, Qiu Xiaoqi

Senhor Embaixador,

A ABRAPO – Associação Brasileira dos Advogados do Povo, a IAPL International Association of People’s Lawyers, o CEBRASPO – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e a Liga Operária, manifestamos o repúdio dos advogados e trabalhadoress brasileiros contra a detenção ilegal e posterior absurda condenação do advogado Zhao Dong-min.

Zhao Dong-min representa a justa luta dos trabalhadores chineses por seus direitos. Este advogado foi submetido a absurda sentença, no dia 20 de outubro, de três anos de prisão acusado de “reunir uma multidão para pertubar a ordem social”. Ele estava preso ilegalmente desde o dia 19 de agosto de 2009 após defender a organização dos trabalhadores de empresas estatais para constituir um grupo de defesa dos direitos trabalhistas com a tarefa de supervisionar a “reestruturacão” das empresas do Estado, para que as administrações não retirem direitos dos trabalhadores, elaborando relatórios e denúncias sobre casos de corrupção e abusos de poder.

Repudiamos essa inaceitável opressão contra este fiel representante dos trabalhadores. É essa a “nova fisionomia” que a China de hoje quer passar para o mundo?

No Brasil, nós trabalhadores também temos sentido na pele o quanto nefasta tem sido a política de “reestruturação” e privatização das empresas estatais, com cortes de direitos, demissões e todo tipo de corrupção. Por isso, somos totalmente solidários aos trabalhadores chineses e em particular a Zhao Dong-min.

Nesse sentido, expressamos ao governo da China os nossos veementes protestos contra a absurda e ilegal prisão e condenação do advogado Zhao Dong-min e reiteramos a exigência dos trabalhadores brasileiros pela sua imediata libertação; a declaração de sua inocência, compensação de suas perdas financeiras e sofrimento mental; além da punição rigorosa dos responsáveis pelas falsas acusações.

ABRAPO – Associação Brasileira dos Advogados  do Povo

Liga Operária

IAPL – International Association of People’s Lawyers

CEBRASPO – Centro Brasileiro de  Solidariedade aos Povos