Zé Maria ao Estilo Arnaldo Jabor ataca a juventude combativa e depois se “arrepende”

conlutas
A última “pérola” lançada por um dos representantes do oportunismo teve um desfecho digno de nota. O presidente nacional do PSTU, Zé Maria, fez uma postagem em sua página no Facebook onde “solicitava” aos professores em luta no Rio de Janeiro que aprovassem em assembleia nota de repúdio a juventude envolvida na estratégia de ação Black-Bloc, adeptos da combatividade como forma de luta e participantes ativos das manifestações populares desde junho. A postagem intitulada “Viva a luta dos educadores no Rio de Janeiro! E chega de Black-Blocs!”, acusava os manifestantes de serem infiltrados, provocadores, etc. A reposta dos professores a esse posicionamento notadamente reacionário foi emblemática: não só não aprovaram a tal nota de repúdio pedida por Zé Maria, como afirmaram o seu apoio aos Black-Blocs, destacando a disposição de luta e a resistência da juventude que, ao lado dos professores, rechaça o fascismo da polícia e combate em defesa da educação pública. Ora, não bastasse toda a dificuldade que se encontra a luta popular em nosso país e especialmente no Rio de Janeiro, não bastasse a repressão e perseguição política ainda temos de ver um burocrata do alto do seu pedestal querer dividir o povo que luta! Não foi dessa vez!

Desmoralizado, acossado pelos fatos, o presidente do PSTU deu uma de Arnaldo Jabor, voltou atrás e agora afirma “a forma com que abordei o assunto não foi correta. Em particular a frase que está no título “chega de black-blocs”, não corresponde ao conteúdo da opinião que considero correta acerca deste agrupamento.” É obvio que Zé Pelego está tentando corrigir seu “deslize” por que sofreu duras criticas e não porque sinceramente está fazendo uma correção. Aqueles que conhecem a prática de seu partido so podem enxergar mais cinismo e manipulação em sua nota de “auto-critica”.
É a desonestidade sem limites do oportunismo. A manipulação, a mentira e o cinismo dos que afirmam suas opiniões e depois as modificam por conveniência, desses verdadeiros inimigos do povo que cumprem o nefasto papel de repelir toda e qualquer ação que ameace a integridade da exploração e da opressão das classes dominantes e do imperialismo. O fato é mais um entre tantos que demonstram de forma cristalina a covardia de um socialismo meramente de palavra, de setores que só fazem bravatear a esquerda e atuar a direita!
As jornadas de lutas que varreram e continuam a varrer o Brasil nesse ano de 2013, além de representarem uma demonstração inequívoca de indignação e combatividade do povo brasileiro, forneceram uma importante demarcação de campos da luta popular em nosso país. Ademais ter cumprido o papel de destruir boa parte dos esforços propagandísticos da gerência PT/Pecëdobë, que demagógicamente propalavam uma realidade ficcional de um país que avançava a todo o vapor, onde os trabalhadores só tinham que comemorar, nas ruas, o povo e os estudantes, puderam ver “quem é quem” e perceber a diferença entre a bravata oportunista e as autênticas organizações revolucionárias.
À medida que a luta avança e que os instrumentos e experiências da mobilização popular são depurados, a prática, como genuíno critério da verdade, cumpre o seu papel. Oportunistas de todas as laias, principalmente os da esquerda oficial – PSTU, PSOL, PCB, PCR… – esses que ao som do primeiro estampido, ao estourar da primeira bomba, correm e covardemente abaixam as suas bandeiras, mortos de medo (mais das massas dispostas a combater do que da polícia) foram e têm sido constantemente desmascarados. A sanha desenfreada desses agrupamentos contra a combatividade e em defesa da “ordem” e da luta pacifica, sua postura delatora expressa em seus comunicados e nas próprias manifestações, sua insistência em tachar manifestantes como “vândalos”, práticas que não ficam um milímetro atrás da vociferação das classes dominantes e de sua representante midiática mais dedicada, a Rede Globo, devidamente disfarçadas com verborragia pseudo-socialista, enganam cada vez menos pessoas.

Todos os verdadeiros democratas e revolucionários tem certeza: o povo brasileiro não irá cessar a sua luta e todos os seus inimigos devem temer! As massas nas ruas, enfrentando a polícia, o velho Estado e seus gerentes, assim como todo o oportunismo dos grupelhos do partido único das classes dominantes, não dará trégua aos que desejam deter a justa rebelião da juventude e dos trabalhadores! O povo prepara a sua rebelião, que venham mais batalhas!