Nota sobre a ocupação da UERJ

Desde o primeiro dia da ocupação da UERJ, quando o DCE (PT, pecedobê) teve a iniciativa de levar a cabo uma ocupação acordada e legitimada por REItoria (que vê a ocupação como “legítima e motivada”) e Pezão-PMDB (que se apressou em prometer que “liberaria verbas para o pagamento parcelado de bolsas e salários”), e já nas duas primeiras assembléias do dia 01/12 ficou claro que caso a massa dos estudantes quisessem tomar as decisões nas suas mãos para seguir se contrapondo à política oportunista do DCE, a palavra de ordem destes eleitoreiros seria SABOTAR a Ocupação! Em todas as assembleias era claro o esforço dos pelegos da UNE para cansar os estudantes com manipulações da mesa, passando o rodo em diversas propostas feitas. Esse esforço tinha como objetivo, além de cansar aqueles que tinham ido ali para decidir os rumos da luta na UERJ, desmobilizar toda ocupação e também esvaziar a universidade para que nada fugisse do controle do DCE.

 

 

As decisões que estão sendo tomadas nas assembleias, quando não servem aos vis interesses do DCE, não são postas em prática – como é o caso da Comissão de Segurança que nos piquetes deveriam impedir o funcionamento do setor administrativo da universidade, o que foi aprovado em assembleia e não foi feito. Também foi assim com a proposta de ocupação de toda a universidade, o que inclui o corredor da REItoria, que, apesar de aprovada em assembleia, foi também boicotada pelos oportunistas que soltaram nota rechaçando a ocupação do corredor pelos estudantes independentes e criando inúmeros boatos amedrontando aqueles que queriam ir ocupar aquela parte da universidade. Esta é uma clara tentativa de sabotar tudo o que não conseguem controlar, pois tentam decidir aonde os estudantes podem ou não ficar, ignorando totalmente o que foi decidido em assembleia.

Ficou claro, após quatro dias de ocupação, que acordou-se DCE e REItoria para, primeiro, ocupar na calada da noite e sem a participação da massa dos estudantes e depois votar a greve para desmobilizar e esvaziar completamente a universidade. Tática imunda que contou com imediato apoio de RUA-PSOL que, tão logo o DCE os chamou, passou a legitimar e participar de toda organização e conchavos desta ocupação adestrada passando, inclusive, a defender nas assembleias aquilo que o DCE, amplamente desmoralizado pelos estudantes, não tem a cara de pau de defender.

Somos contra esta política oportunista ultra-esquerdista de “greve pela greve” e fechamento da universidade sem nenhuma iniciativa de mobilizar os estudantes a tomarem parte ativa nos debates políticos e atividades cotidianas de greve, iniciativa que está sendo realizada em todo Brasil e que é parte da estratégia desesperada do oportunismo de tentar retomar algum respaldo que antes tinham no movimento estudantil. Defendemos que para uma greve ser vitoriosa é necessário que os estudantes participem amplamente da luta, que se organizem em cada local de estudo com assembleias de curso e comandos de greve, que construam uma unidade com todos os professores e trabalhadores de toda a universidade e que denuncie a situação da UERJ para além de seus muros através de atos combativos como tem feito os estudantes de São Paulo! Só assim será possível derrotar os cortes na educação da “Pátria Educadora” em geral e da crise da UERJ em particular, cujos responsáveis são Dilma-PT, REItoria, Pezão-PMDB, e todos estes oportunistas do DCE, PT, Pecedobe e PSOL.

 

Nenhuma confiança no DCE pelego e governista!


A ocupação não é do DCE, é dos estudantes!


Ocupação é solução para barrar os ataques do Pezão!