RIO DE JANEIRO: Desesperado, Governo tenta intimidar a Juventude Combatente

A mobilização da Juventude Combatente na atual greve dos servidores, entre eles os professores, no estado do Rio de Janeiro já levou a atual Onda de Ocupações de Colégios. Até o dia 23/04 já eram mais de 75 o número de Ocupações e são mais dezenas mais os colégios aonde os estudantes vêm se mobilizando para novas e maiores ações, enfrentando de maneira decidida direções fascistas, a contrapropaganda dos monopólios de comunicação e a repressão da Polícia fascista tudo isto sendo desesperadamente orquestrado pelo atual gerenciamento de turno, em crise, do estado do Rio de Janeiro, Pezão/Dornelles (PMDB).

Em todo Estado vem ocorrendo cenas de direções fechando escolas para impedir a mobilização dos estudantes, policiais militares intervindo em assembleias e manifestações estudantis, bloqueando os aparelhos que recarregam os cartões de passagem, RioCard. Ao mesmo tempo os combativos estudantes resistem aos ataques, se mobilizam e aumentam, a cada dia que passa, o número de colégios Ocupados! Os estudantes vêm colocando na ordem do dia suas pautas contra o desmonte do ensino público e contra o autoritarismo de direções aliadas à Secretaria de Estado de Educação SEEDUC.

Combativo protesto na greve dos professores de 2013.

 

 

Este cenário de destruição de escolas, sucateamento de toda sua estrutura, constantes atrasos de salários de professores vêm sendo combatido com uma luta radicalizada dos estudantes, que além das pautas estruturais de cada colégio exigem a participação nas decisões dos rumos de seus colégios, como a votação direta para diretor. 

Desesperado, Governo tenta desmobilizar a Greve de Ocupação

Totalmente atolado em uma crise e desesperado com a gestação de novas e maiores revoltas populares tais quais presenciou a cidade olímpica nos anos de 2013/2014, recentemente o Governo do Estado informou através de uma nota no site da SEEDUC que pretende promover um calendário diferenciado para as escolas invadidas. Com a efetivação desta medida seria decretado recesso a partir deste mês de abril no calendário das escolas Ocupadas. Esta medida fascista e arbitrária pretende intimidar os alunos, professores e servidores em greve com um discurso de que a greve não seria legítima para tentar desmobilizar as Ocupações e toda organização estudantil.

Se enganam estes inimigos do povo se pensam que vão conseguir deter a Revolta Estudantil: em cada colégio ocupado e em cada nova mobilização dos estudantes fica claro que não se deixaram intimidar por nenhuma ameaça destes inimigos do povo!

Em cada colégio os estudantes se organizam e descobrem que podem derrotas suas direções autoritária. Coletivamente discutem todo rumo da Ocupação, desde a limpeza até o calendário de atividades; descobrem livros e materiais escolares guardados em salas trancadas que deveriam ser disponibilizados para os alunos; consertam a estrutura sucateada pelo Governo. É desta maneira que a Juventude vai aprendendo a trilhar o caminho da luta em defesa de seus direitos!

Livros didáticos com péssimo armazenamento em local abandonado, próximo a água e mofo. E enquanto isso a direção diz que não há livros para serem utilizados na sala.

Politizar a organização estudantil!

Em todo Estado estudantes decidem pela independência de suas Ocupações e em alguns casos até pela expulsão dos partidos eleitoreiros e entidades e associações a eles vinculadas (UNE, UBES, AMES, etc) pois percebem que sua prática conciliadora e pelega é um entrave à sua organização. Estes traidores dos estudantes se reúnem com representantes do Governo, com direções fascistas e se infiltram na mobilização propondo o caminho da conciliação com os inimigos do povo.

Para construir uma mobilização vitoriosa em cada colégio se faz necessário seguir o caminho da luta decidida sem ilusão com os diferentes governos que atacam a educação, tal como fizeram os estudantes em São Paulo! É necessário politizar a organização estudantil para que cada estudante perceba que a luta não é apenas sua, e sim uma luta de todo nosso povo por uma educação de novo tipo para seus filhos.

Realizar Debates, CineClubes, Palestras e Rodas de Leitura em cada colégio para que cada mais e mais estudantes passem a lutar não apenas por melhorias em sua escola, mas para que a educação deixe de ser um meio de manter o atual podre sistema de exploração! A luta em defesa de uma educação que sirva ao povo é a luta por uma nova sociedade!

Rebelião Popular durante a greve dos professores de 2013.

ESCOLA QUE É PRISÃO, VAI TER REBELIÃO!

POR UMA ESCOLA PÚBLICA GRATUITA, DE QUALIDADE E QUE SIRVA AO POVO!

REBELAR-SE É JUSTO!

MEPR Movimento Estudantil Popular Revolucionário Abril de 2016