RONDÔNIA: Estudantes e professor são presos arbitrariamente por apoiarem camponeses em luta e denunciarem crimes do latifúndio e da PM

foto dos panfletos

 

Quatro estudantes e um professor foram presos pela PM fascista de Rondônia no dia 24 de maio, em Ji Paraná, por participarem de uma panfletagem de apoio às famílias camponesas do acampamento Jhone Santos de Oliveira, que foram covardemente despejadas da área (16.000 alqueires). Além do apoio aos camponeses, a panfletagem denunciava a grilagem de terras feita pelo latifundiário Miguel Martins Feitosa, que tem um contrato com o INCRA de 800 alqueires mas está de posse de uma área de 16.000 alqueires, onde ele tem roubado madeira, além de não pagar os funcionários do latifúndio e possuir uma dívida milionária em bancos públicos não paga. O panfleto também denuncia que o latinfundiário Miguel Martins Feitosa nem mesmo mora no Brasil e reside em Pittsburgh nos EUA, tudo isso com a conivência e o apoio da PM e do judiciário do estado de Rondônia.

            Ademais o panfleto traz a denúncia dos crimes cometidos contra os camponeses pelo capitão Braguim (comandante da PM de Ji Paraná), que comandou operação policial na mesma estrada e mesmo dia em que os irmãos Jesser e Nivaldo Cordeiro foram assassinados e jogados no Rio Candeias; e pelo tenente-coronel Enedy (comandante geral da PM de Rondônia), que juntamente com Braguim comandou operações policiais para aterrorizar camponeses do acampamento Jhone Santos de Oliveira e; a denúncia das ameaças feitas pelo oficial de justiça Brito que segundo o panfleto “No dia do despejo do acampamento, protegido por dezenas de policiais militares, (…) ficou valente, e ameaçou os camponeses ‘fiquem vocês sabendo que o pau que dá em Chico é o mesmo que dá em Francisco’. Ele falava das ações violentas do Capitão Braguim contra acampamentos de Buritis e Jacinópolis.”

            Prestamos aqui nossa solidariedade a esses estudantes e professor do povo, que exerciam justamente a consigna de “Servir ao povo de todo coração” e repudiamos a ação reacionária e antipovo da PM de Rondônia, corporação de paus-mandados do latifúndio. Seguimos ainda mais convictos de que a destruição do sistema latifundiário é condição fundamental e indispensável para uma verdadeira mudança em nossa sociedade, entregando terra para quem nela vive e trabalha!

            Abaixo reproduzimos integralmente o panfleto distribuído em apoio aos camponeneses.

 

Todo apoio aos estudantes e educadores do povo!

Abaixo as perseguições aos lutadores do povo!

Abaixo o fascismo de Enedy, Braguim e sua PM!

Morte ao latifúndio!

 Viva a Revolução Agrária!

 

panfleto