gototopgototop

Naxalbari: faísca que incendiou a pradaria na Índia!

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

internacional_1_a

Naxalbari é a aldeia situada ao norte do departamento de Bengala Ocidental que, há meio século, despertou a Índia e animou os povos e nações oprimidas do mundo com seu Trovão de Primavera.

Milhares de camponeses e povos tribais, armados de lanças e fuzis, sob a direção do Partido Comunista da Índia (à época PCI Marxista-Leninista, hoje PCI Maoísta), lançaram-se à revolta varrendo impiedosamente o latifúndio, fazendo tremer o imperialismo e todos os reacionários.

Sob a forte e decisiva influência da Grande Revolução Cultural Proletária, desencadeada na China em Maio de 1966 sob a direção do Presidente Mao Tsetung, a fração revolucionária do Partido Comunista da Índia, dirigida por Charu Mazumdar, rompe com os grilhões do revisionismo e desencadeia a luta armada revolucionária camponesa como Guerra Popular.

Guiados pelos “Oito Documentos”, escritos por Charu Mazumdar, os comunistas indianos formularam as bases ideológicas do movimento Naxalbari. Rechaçando o caminho do pacifismo e do parlamentarismo, sob a luz do Marxismo-Leninismo Pensamento Mao Tsetung (como era definido o Maoísmo à época), definiu-se que o caminho da Revolução Indiana era o da Revolução Democrática ininterrupta ao Socialismo, partindo da Revolução Agrária e através Guerra Popular Prolongada. Apontou ainda que, com a liderança do proletariado, os camponeses seriam a força principal da Revolução Indiana.

No início da década de 1960, os comunistas já desenvolviam profundo trabalho entre os camponeses de Naxalbari. Centenas de estudantes e intelectuais revolucionários, provados militantes comunistas, transferiram-se das cidades para as vastas zonas rurais da região e fundiram-se solidamente às massas camponesas.

Em Março de 1967, camponeses tomaram terras do latifúndio e realizaram a colheita das safras. Animados, os camponeses criaram comitês em toda região. As tomadas de latifúndios e safras se multiplicaram como um rastilho de pólvora.

 

O velho Estado enviou as forças policiais para reprimir o movimento. Em 25 de março, a polícia abriu fogo, matando nove mulheres e uma criança. Foi o estopim para as massas camponesas elevarem as labaredas da revolta popular.

As massas revolucionárias camponesas tomaram terras, safras, munições, armas dos latifundiários e das forças de repressão. Clandestinamente, os comunistas dirigiram o movimento, instruindo as massas e animando-as.

Nos vilarejos e cidades vizinhas eram desatadas greves em solidariedade aos camponeses rebelados. Em muitos combates, os camponeses em armas impuseram sérias derrotas à reação e suas hostes e apontaram para as massas de toda a Índia a necessidade da violência revolucionária para derrotar o velho Estado e conduzir o povo para sua emancipação.

O movimento de Naxalbari foi brutalmente reprimido, seus principais dirigentes foram presos e brutalmente torturados e assassinados pela reação, entre eles a sua Chefatura, Charu Mazumdar. Os camponeses de Naxalbari foram os iniciadores da Guerra Popular Prolongada na Índia que ainda hoje segue derrotando a reação e conquistando o Poder para as massas exploradas!

Viva os 50 anos do Levante de Naxalbari!

Viva o Partido Comunista da Índia (Maoísta)!

 

RVI