gototopgototop

GO: repressão atiça rebelião estudantil

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

Redação de AND, com informações de apoiador em Goiânia

 

ocupacao_1

Massiva ocupação avança na politização e organização de estudantes; decisão e combatividade foram expressões do movimento.

A justa luta dos estudantes da Universidade Federal de Goiás contra os pacotaços anti-educação e antipovo segue avançando com expressões de combatividade e conquistando êxitos.

Em 16 de novembro, veio a público o brutal assassinado do estudante Guilherme Irish pelo próprio pai, cujo maior responsável e culpado por este crime é o velho Estado brasileiro e seus instrumentos de propaganda ideológica, como o monopólio da imprensa, que com sua escalada fascista contra as lutas populares e democráticas incrementam a opinião pública fascista.

Quanto a isso, os estudantes renderam justas homenagens ao jovem. O centro de Aulas A, ocupado, foi batizado de Guilherme Irish. Pichações foram feitas em toda a universidade, mas especialmente na porta do prédio ocupado e em letras garrafais. Os estudantes foram ao velório e fizeram a inúmeras homenagens.

 

No último dia 17, os estudantes em assembleia avaliaram a necessidade de aprofundar contato com outros universitários e ampliar o raio da resistência contra a iminente repressão policial fascista, recorrentemente cobrada pelo monopólio da imprensa. Foram tiradas assembleias em todos os cursos com vistas a incrementar a ocupação, ademais de uma assembleia geral, contrariando a direção oportunista do DCE, que havia recuado ante a proposta de convocar uma assembleia estudantil.

No dia 18 de novembro, os estudantes realizaram uma coletiva de imprensa e saíram em manifestação pela universidade. Passaram em todos os prédios que haviam sido ocupados. Os estudantes demonstraram todo o seu repúdio ao diretor Reginaldo, que havia tentado sabotar o movimento de várias formas e até foi filmado agredindo estudantes. Por fim, fizeram uma barricada de pneus na principal rua do entorno da universidade e encerraram o ato com o compromisso de futuras batalhas.

A ocupação Guilherme Irish reuniu combativos estudantes da UFG e o seu saldo principal, que pôde ser notado aos que acompanhavam a empreitada da juventude combatente, foi político. Os jovens, antes dispersos, puderam reunirem-se e estabelecer relações políticas. Daí brotaram grandes frutos à luta popular em defesa dos direitos do povo, tão cuspidos e pisoteados por este gerenciamento ilegítimo e sem autoridade de Temer/PMDB e seus sócios.

 

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)