gototopgototop

MUTIRÃO ARTE REVOLUCIONÁRIA: A arte a serviço da luta dos povos

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 
Pernambuco, 17 de maio de 2009

No último dia 17 de maio na comunidade Beira-Mar I, município de Igarassu (PE) ocorreu de forma exitosa o mutirão arte revolucionária, evento que foi resultado do trabalho realizado pela escola popular David Siqueiros (batizada com este nome em homenagem ao grande muralista mexicano Siqueiros). Foi realizado na escola popular um mini-curso de graffiti durante três meses, onde eram ministradas aulas de história das artes, história das revoluções e aulas de produção e técnicas de graffiti.

Todo o mutirão e o curso foram construídos através do aprofundamento dos grupos organizadores (MEPR, CR, SDR e parceiros)¹, no seio das massas estudantis, operárias e camponesas. Não houve nenhum patrocínio ou contribuição de Ongs, empresas, siglas eleitoreiras ou gestões públicas; cumprindo assim o objetivo principal de todo o conjunto das atividades realizadas, que é o de construir o poder popular, provando ao povo que “podemos com nossas mãos, fazer tudo que a nós, nos diz respeito”.

A banda Rala Coco Maria abriu o evento enquanto os grafiteiros já começavam a fazer sua arte. Após o show, tivemos uma pausa para o almoço, organizado com a ajuda da própria comunidade, além do apoio da Liga dos Camponeses Pobres [LCP].

mutirao_arterevol_pe_capoeira O mutirão contou com diversas atividades entre elas o graffiti, break, poesias, roda de capoeira com o grupo “Canoa Grande” e outras bandas como Atack Fulminante, Jov Mc e Relato Consciente. Ocorreu também na associação dos moradores a exposição de telas e gravuras de estudantes de artes plásticas e palestras sobre o dia internacional do proletariado e a revolução agrária, que foram ministradas pelo MFP e pela LCP².

O evento ocorreu perfeitamente bem com alto grau de combatividade e entusiasmo por se tratar de uma linha revolucionária e não oportunista nem eleitoreira. Como o caminho da revolução não é um mar de rosas e sim uma estrada de pedras e espinhos, também contamos com alguns contratempos durante a organização do evento. Parte do que foi solicitado à prefeitura foi negado por não fazermos conchavos eleitoreiros.

Também choveu em alguns momentos durante o evento, e o oportunismo agiu descaradamente. Um militante do “PT” estendeu uma bandeira mutirao_arterevol_pe_camponaoplanta petista em sua moradia, visando oportuna divulgação da sigla durante a realização do evento. Mesmo após discutirmos sobre o caráter do mutirão, ele insistiu em mantê-la, pois estava em sua propriedade privada e tinha todo direito de estendê-la. Esse oportunista ainda se dizia comunista, defensor do socialismo e do povo. Entretanto o próprio curso dos acontecimentos deu resposta vil a esta atitude oportunista; a chuva, as palavras e o repúdio dos participantes se incumbiram de dar a devida resposta.

Fora essas pedras no meio do caminho que foram chutadas, o mutirão aconteceu da melhor forma, independente de siglas eleitoreiras, de conluios empresariais de organizações que enganam o povo. Em contrapartida, tudo foi construído de centavo em centavo, de suores, de muita luta e principalmente da aliança entre os estudantes, operários, camponeses e artistas que convergiam nos lemas: “Servir ao povo de todo o coração” e ser “tropa de choque da revolução”.

mutirao_arterevol_pe_rappers mutirao_arterevol_pe_muro mutirao_arterevol_pe_dj

Agradecemos a todos que construíram mais esta batalha, pois a “guerra” ainda não está vencida, porém um grande golpe já foi dado por nós, para construirmos um novo mundo.

 

VIVA A ALIANÇA DO CAMPO COM A CIDADE!

VIVA A CONSTRUÇÃO DO PODER POPULAR!

VIVA A ARTE A SERVIÇO DA LUTA DOS POVOS!



1MEPR: Movimento Estudantil Popular Revolucionário
CR: Células Revolucionárias
SDR: Sobreviventes das Ruas
2MFP: Movimento Feminino Popular
LCP: Liga dos Camponeses Pobres

 

 

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)