gototopgototop

GREVE DE FOME DOS ESTUDANTES PRESOS POLÍTICOS NO MARROCOS

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

Reproduzimos nota do COMITÉ AÇÃO E APOIO PARA AS LUTAS DO POVO MARROQUINO, em solidariedade aos estudantes, presos políticos, que encontram-se em greve de fome desde o dia 30 de maio.

Texto original em:http://dazibaorojo08.blogspot.com.br/2016/06/information-lopinion-publique-nationale.html



INFORMAÇÃO PARA A OPNIÃO PÚBLICA NACIONAL E INTERNACIONAL
GREVE DE FOME ILIMITADA DOS ESTUDANTES PRESOS POLÍTICOS DE MEKNES

Todas as universidades no Marrocos estão experimentando vários anos de movimentos de luta e resistência necessárias para combater as políticas anti-populares e anti-sociais do Estado reacionário - medidas políticas como a privatização e a exclusão de crianças de educação pública. Confrontado com estas escolhas políticas desastrosas, os alunos se esforçam para melhorar o seu estudo e de impor as liberdade democráticas, políticas e sindicais. Neste contexto, é que muitos estudantes foram presos e condenados a longas penas através de julgamentos sem provas contra eles.

Entre estes últimos presos estão: IKRAM BOURHIM, Zakia BIYA YASSIN Rahal IBRAHIM Kassimi, HAMZA Alhamidi, Redouan ALALAMI. Esses alunos estão atualmente presos na prisão de Toulal 2 e 3, em Meknes e declararam greve de fome por tempo indeterminado desde 30 de maio de 2016 - buscam ganhar reconhecimento como presos políticos e o direito a um julgamento justo imediatamente. Sua luta está também totalmente inserida em todos os presos políticos do Marrocos e, portanto, reproduzimos suas pautas, a saber:

- A libertação incondicional de todos os presos políticos.

- O fim de todas as acusações e montadas a partir de julgamentos cerco contra os companheiros.

- O abandono da militarização da Universidade e o abandono completo da rodada tripartite.

- A autorização de acesso às suas famílias, estudantes e qualquer pessoa que queira
visitar toda a semana.

- Melhoria da alimentação, o direito ao acesso aos cuidados, saúde e higiene.

- A oferta de livros, acesso gratuito à biblioteca e livros de referência, jornais e
 tudo o que pode contribuir para o estudo.

- O direito de continuar os estudos

- Autorização para usar um número de telefone gratuito para se comunicar com o exterior.

- Autorização para andar durante um tempo suficiente e adequado.

- O reagrupamento de presos políticos em uma prisão e nas mesmas celas.

- Terminar todas as medidas de assédio e extorsão a que estão expostos diariamente.

VIVA A LUTA DO POVO MARROQUINO!

VIVA A LUTA POR UMA EDUCAÇÃO PÚBLICA PARA ESTUDANTES E DE QUALIDADE!

PELO FIM IMEDIATO DA MILITARIZAÇÃO DAS UNIVERSIDADES!

SOLIDARIEDADE COM OS GREVISTASE TODOS OS PRESOS POLÍTICOS DO MARROCOS!

ABAIXO O ESTADO REACIONÁRIO MARROQUINO E TODOS OS SEUS CÚMPLICES

PARIS 31 de maio 2016-05 / 06 /

COMITÉ AÇÃO E APOIO PARA AS LUTAS DO POVO MARROQUINO

 

JEP 19

JEP 19

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)