gototopgototop

[FERP] EDUCAÇÃO GRATUITA, CIENTÍFICA, NACIONAL E A SERVIÇO DO POVO!

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 
Retirado do Blog da Frente Estudantil Revolucionária e Popular do Chile: ferp-larebelionsejustifica.blogspot.com

 

Chile

Milhares de estudantes se jogam às ruas em protestos, marchas e cortes de avenidas pelo direito à educação, tendo como resposta do velho Estado um crescente repressão, com estudantes gravemente feridos, numerosas detenções arbitrárias, espancamentos e gás lacrimogêneo ao limite. O combativo estado de ânimo das massas deve encher-nos de otimismo.

Enquanto tanto a CONFECH impulsiona as “cinco indicações” (fim da dívida, gratuidade, fortalecimento da educação pública, marco regulatório e fim do lucro) para “incidir” nesta “reforma” que só aprofunda o capitalismo burocrático na educação (ver edição anterior). Isto nos fatos é fazer conduta e lobby, e atolar-se no parlamento, órgão de legitimação das classes opressoras, que historicamente tem servido para conter as demandas do povo.

Exemplo do anterior é o de Iván Fuentes, antigo dirigente dos protestos que paralizaram Aysén em 2012, hoje membro do parlamento e acusado de receber subornos e financiamento das mesmas pesqueiras contra as quais as massas ayseninas protestaram.

É por isto que o movimento estudantil não deve deixar-se enganar por aqueles que planteiam “reformar” o velho Estado e usar nossas justas lutas como campanha eleitoral.

 

Pelo contrário, quando os estudantes lutam contra a educação privada, o que se manifesta é o ódio em massa contra o capitalismo burocrático, modelo que está presente em todo ambito da vida do povo, tanto na saúde privada, como nos salários de miséria, nas pensões de fome, etc.

A raíz dos problemas das massas é o capitalismo burocrático sustentado pelo velho Estado, e não tal ou qual governo, tal ou qual reforma, sendo a Revolução Democrática a única capaz de varrê-lo. É por isto que é necessário que o movimento estudantil esteja a serviço da Revolução Chilena.

Isto demanda levantar uma organização classista a nível nacional, uma organização que agrupe estudantes de todo Chile, que tome posição pelo proletariado e pelo povo e que dirija o movimento estudantil contra as três montanhas que nos oprimem: o imperialismo, a semifeudalidade e o capitalismo burocrático.

Uma tarefa urgente para desenvolver esta organização classista é definir uma plataforma de luta.

Esta pertimitirá guiar as amplas massas de estudantes, principalmente os mais pobres, para lutar por reivindicações concretas que representa seus anseios por conquistar os direitos do povo. Assim, em meio a sua luta, poderemos elevar sua consciência política, até que as mais amplas massas compreendam que a luta por uma educação é parte da luta do povo pelo Poder, da Revolução, e que assumam tarefas nela.

Hoje, uma plataforma de luta classista é a da educação gratuita, científica, nacional e a serviço do povo:

Gratuita porque queremos que todos, especialmente os mais pobres, tenam o direito real a educar-se em todos os níveis. Com gratuidade, expulsamos a banca e a burguesia monopolista da educação.

Científica, é dizer, não só teórica, senão também prática. Hoje, nos ensinam dogmas, a responder a, b ou c, a memorizar conhecimentos que só quando saímos para trabalhar vemos como funcionam na realidade, e muitas vezes não tem nada a ver com o que nos ensinaram. Somente ligando a teoria à prática podemos chegar a conhecimentos completos.

Nacional para que responda às necessidades de nosso país, que se aproxime do estudo e da proteção de nossos recursos naturais, de nossas culturas e não dos interesses do imperialismo, que hoje tem carreiras como a pedagogia totalmente desfinanciadas.

E a serviço do povo, que a educação responda às necessidades dos mais pobres na sociedade chilena, de operários, camponeses, assentados e não da burguesia monopolista nem dos latifundiários, como hoje ocorre com liceus caindo aos pedaçõs para gerar mão-de-obra barata, e centros de formação ou institutos de terceira categoria para os mais pobres.

Esta é a consigna que os estudantes revolucionários devem popularizar por todas as partes, para que as massas a tomem como sua e elevem-na. Só assim poderemos desenvolver as bases para dirigir o movimento estudantil pelo caminho revolucionário.



 

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)