gototopgototop

Militantes comunistas e estudantes, presos políticos revolucionários, fazem greve de fome em Marrocos

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

Os militantes comunistas maoístas da Juventude da Via Democrática Basista  Sofiane Srir, Hassan Ahmouch, Zouhair Belaichi e Mustapha Srati junto aos ativistas do movimento estudantil Hamza Kabaj, Omar Aaroussi, Mohamed Alhamri e Yassin Ait Larbi, presos políticos do velho Estado mrroquino,  iniciaram uma greve de fome no último dia 30 de junho, em protesto contra as suas degradantes condições de carcere, pelo  direito de receberem visitas, comida saudável, cuidados e higiene básica, julgamento justo e exigindo a libertação de todos presos políticos no país.Manifestamos nossa solidariedade à justa luta dos jovens coamunistas e aos ativistas do movimento estudantil de Marrocos e repúdiamos veemente os crimes contra o povo perpretado pelo Estado fascista marroquino.

Publicamos, abaixo, trechos uma matéria retirada e traduzida do periódico “Nueva Democracia” do Chile, nº40, Maio de 2010, na qual se informa sobre a luta do movimento estudantil no Marrocos e a brava resistência dos jovens comunistas e revolucionários nas masmorras medievais daquele país.

marrcs

"Suas reivindicações não são diferentes das necessidades que hoje têm os estudantes do Chile ou de outra nação oprimida: exigem melhora das bolsas de estudo e residência, almoço e transporte para os estudantes mais pobres, assim como o respeito à liberdade de associação e a renúncia da autoridade da Faculdade. Ademais, se opõem a que os capitalistas lucrem com os anseios de educação do povo".[...]

 

"Zahra tem denunciado que quando foi detida foi amarrada e a mantiveram desnuda durante longas horas. Tem logrado declarar aos meios de comunicação: “Ali mesmo começaram a golpear-me, a insultar-me e ameaçaram violar-me”, e agrega: “Mais tarde, no comissariado, me bateram com uma barra de ferro e um me asfixiou até que perdi a consciência...durante cinco dias nos torturaram a todos quase ininterruptamente” [...].

"Ela e seus companheiros foram agredidos com porretes na cabeça, enquanto lhes davam pontapés e bofetadas, seus torturadores não livraram parte alguma de seus corpos, mais ainda preferiam apontar especificamente à cabeça, rosto, tórax e joelhos"[...].

"Os jovens foram transferidos a diferentes lugares de reclusão em um esforço para mante-los em isolamento amedronta-los sobre o perigo de atrever-se a desafiar o governo. Não obstante, eles se mantêm firmes em suas convicções políticas. Apesar da difícil situação que enfrentam, desde o cárcere seguem os acontecimentos do movimento democrático do Marrocos com greves de fome e preparando mensagens de solidariedade para que sejam lidas nas atividades do movimento democrático marroquino. Ainda desde o cárcere seu exemplo de luta segue dando novos ímpetos ao movimento estudantil e popular do Marrocos" [...]

Confira o texto na íntegra em: http://mepr.org.br/jep/38-movimento-estudantil-revolucionario-no-mundo/384-a-luta-do-movimento-estudantil-do-marrocos-e-um-exemplo-para-os-jovens-revolucionarios-populares-que-lutam-contra-o-imperialismo-e-seus-lacaios.html

 

 

Liberdade para os presos políticos comunistas e revolucionários em Marrocos e por todo o mundo!

Viva a juventude combatente!

 

 

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)