gototopgototop

ISRAEL DESTRÓI ALDEIA PALESTINA BEDUÍNA POR 114 VEZES EM 7 ANOS

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

Reproduzimos do Blog SOMOS TODOS PALESTINOS

As escavadeiras israelenses  destruíram uma aldeia habitada pelos antigos beduínos palestinos, uma tribo que viveu nesta terra  por milhares de anos.  O estado de Israel expulsa sistematicamente os beduínos indígenas para  fora de suas terras com objetivo de abrir caminho para os  assentamentos para os colonos judios.
Whitney Webb 

Uma mulher beduína se sente sobre os restos da sua casa demolida na aldeia beduína de Umm al-Hiran, perto da cidade do sul de Beersheba, Israel, 18 de janeiro de 2017. (AP / Tsafrir Abayov)
Uma mulher beduína se sente sobre os restos da sua casa demolida na aldeia beduína de Umm al-Hiran, perto da cidade do sul de Beersheba, Israel, 18 de janeiro de 2017. (AP / Tsafrir Abayov)
 
ISRAEL - Agentes da "Autoridade de Terra de Israel" (ILA), juntamente com a polícia israelense e várias escavadeiras, invadiram e demoliram a aldeia beduina de al-Araqib na região do Negev esta semana.
A demolição marcou a 114ª vez que a ILA destruiu a aldeia,  a primeira vez  foi em 2010 e a mais recente antes da demolição de quarta-feira ocorreu  no mês passado .  
A maioria das moradias que foram demolidas na quarta-feira foram casas de lata que os próprios moradores da aldeia construíram ao longo do último mês, desde a última demolição,  para continuar tendo uma casa onde morar na área.   
Mas enquanto os moradores de al-Araqib estão lidando  com a demolição  mais recente que está destruindo sua aldeia, os colonos  judeus na região continuam a expandir-se nas terra palestina.
No ano passado, o ILA aprovou cinco novos assentamentos de colonos judeus no Negev, 2 (dois) dos quais estão localizados exatamente onde se encontram  as aldeias Beduínas palestinas "não reconhecidas" pelo estado de Israel.
Vários grupos de direitos humanos denunciam que a demolição das aldeias Beduínas está diretamente relacionada à expansão dos ilegais assentamentos das colônias de judeus,  removem a população indígena palestina e constroem ainda mais assentamentos para os colonos judeus.
Desde a criação de Israel em 1948, assentamentos de colonos brancos e judeus foram construídos sobre a terra indígena palestina depois que a população autóctone sofreu a limpeza étnica, por todos os modos,  para acomodar judeus europeus no início de suas novas vidas em Israel.
Neste domingo, foto do 12 de março de 2017, um homem aproxima-se dos destroços de lares demolidos, na aldeia beduína de Umm al-Hiran, Israel.  (AP / Sebastian Scheiner)
Um homem aproxima-se dos destroços de casas demolidas, na aldeia beduína de Umm al-Hiran, Israel, 12 de março de 2017. (AP / Sebastian Scheiner)
Os históricos Beduínos palestinos  vivem nas aldeias desde que foram transferidos pela força para os locais por uma ordem militar israelense emitida em 1956. No entanto, os Beduínos são significativamente anteriores ao estado de Israel, já que tem vivido no território palestino  há milhares de anos, como um grupo étnico árabe original do Oriente Médio.
Os agentes  da ILA foram repetidamente acusados ​​pelos moradores de realizar demolições sem a mínima consideração para os moradores da aldeia. Na verdade, em vez de fornecer recursos para os moradores agora sem-teto, os Beduínos de al-Araqib foram ordenados pelo governo israelense a pagar o custo acumulado das 114 demolições que foram realizadas desde 2010, uma cifra que é superior a 2 milhões de shekels, ou cerca de US $ 541,000.
No entanto, os beduínos palestinos - apesar da constante destruição de suas casas - permanecem desafiantes, recusando-seà expulsão. Após a demolição do mês passado, a palestina residente de Al-Araqib, Sayyah al-Turi, disse à Agência de Notícias Ma'an: "Todos os crimes de demolição não nos assustarão nem nos impedirão de reconstruir nossas casas e manter nossas terras. Nós permaneceremos aqui apesar da injustiça e das demolições criminais, não nos submeteremos aos seus planos de nos exterminar   e nos deslocar ".
Al-Araqib é uma das 35 aldeias Beduínas que o governo israelense considera "não reconhecida", mesmo que mais da metade dos estimados 160 mil Beduinos que vivem na região do Negev residam em tais aldeias. A classificação "não reconhecida" também previne que os beduínos que vivem nessas aldeias desenvolvam ou ampliem  suas comunidades. O estado sionista também se recusa a ligar as aldeias às redes nacionais de água e eletricidade e se recusaram a oferecer aos seus residentes cuidados de saúde e serviços educacionais, apesar de os beduínos serem cidadãos tecnicamente israelenses ( ou seja nascidos dentro da ocupação - N.do Blog).
Um menino beduíno carrega madeira depois de demolir sua casa na vila de El Araqib, perto da cidade israelense do sul de Beersheba em 2010. (AP / Tsafrir Abayov)
Um menino beduíno carrega madeira para reconstruir sua casa depois que foi demitido pelas autoridades israelenses na aldeia de El Araqib no sul de Israel (território ocupado em 1948) em 2010. (AP / Tsafrir Abayov)

Atividade de assentamentos de colonos judeus  em ascensão

As demolição das habitações  palestinas por Israel cresceram exponencialmente  em 2017, uma condição para expandir os assentamentos israelenses.
As demolições de casas palestinas  também cresceram em Israel (no território ocupado desde 1948 - N. do blog.) na primeira metade do ano, começando com uma incursão de demolição mortal na madrugada em uma aldeia beduína  em janeiro. Uma nova cidade judaico-israelense chamada "Hiran" está preparada para ocupar o lugar da aldeia.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fala enquanto visita um local de construção de assentamentos em Har Homa
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fala enquanto visita um local de construção de assentamentos em Har Homa, Jerusalém Oriental, 16 de março de 2015
O impulso para expandir os assentamentos ilegais a todo custo trouxe recentemente uma condenação internacional contra o governo israelense, com os Estados Unidos , o Reino Unido e o Japão condenando a expansão dos assentamentos ilegais, dizendo que esse fenômeno não é "propício para o processo de paz".
No entanto, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu parece menos preocupado com tais declarações, como evidenciado por seus comentários em uma cerimônia celebrando o 50 º aniversário da Guerra dos Seis Dias, no início deste mês. Na cerimônia, Netanyahu prometeu a uma audiência de colonos judeus que ele estava "fazendo o que fosse necessário para proteger a empresa de assentamentos judeus".
Provavelmente,  exigirá mais do que palavras severas dos governos estrangeiros para por fim as ocupações, que agravam o sofrimento dos palestinos autóctones  que estão perdendo suas terras para a colonização moderna.
Whitney Webb é um colaborador da MintPress que escreveu para várias organizações de notícias em inglês e espanhol; Suas histórias foram apresentadas no ZeroHedge, Anti-Media, 21st Century Wire e True Activist entre outros . Mais artigos de Whitney Webb
http://www.mintpressnews.com/israel-demolishes-palestinian-village-114th-time-seven-years/228991/ 
 

JEP 19

JEP 19

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)