gototopgototop

Charu Mazumdar: Vida Longa aos Camponeses heróicos em Naxalbari!

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

Por ocasião da celebração dos 50 anos do levante de Naxalbari e da passagem dos 45 anos da morte de Charu Mazumdar, celebrados neste dia 28 de julho, publicamos a seguir um artigo de sua autoria escrito 5 anos após o levante, em janeiro de 1972, aonde o grande líder, dirigente e fundador do PCI (Maoísta) expõe a situação da Revolução Indiana, bem como da luta contra o revisionismo moderno de Kruchov.

Atualmente, passados 50 anos do levante de Naxalbari, a Índia é um farol estratégico para a revolução no mundo todo. Milhões de indianos se levantam contra o gerenciamento fascista de Modi, que avança brutalmente sobre todos os direitos do povo Indiano, cumprindo à risca com o que o imperialismo exige das colônias e semi-colônias.

A luta do proletariado, dos camponeses, da burguesia nacional, das nacionalidades oprimidas, minorias religiosas, dos povos tribais e não tribais, dos dalits, dos advasis, das mulheres, dos estudantes, dos intelectuais progressistas contra o velho Estado indiano, na sua expressão mais alta, a Guerra Popular dirigida pelo Partido Comunista da Índia (Maoísta) - PCI (Maoísta), nos dá a certeza na vitória dos povos e nações oprimidas de todo mundo na sua luta por varrer o imperialismo da face da terra.

E aquilo que se vê como combustível para a chama da Revolução Indiana é a mesma pradaria que se encontra nos rincões de nosso país: massivos levantamentos camponeses em resposta aos ataques do velho Estado, levantamentos nas cidades com greves gerais contra a retirada dos direitos pelas classes dominantes reacionárias, assassinatos da população fruto dos “falsos encontros” - a mesma tática de forjar supostos confrontos armados utilizada pelas forças de repressão para justificar o genocídio do povo preto nas favelas e periferias nas cidades (os “autos de resistência) e o assassinato de camponeses em luta pela terra, no campo. Tudo isto nos mostra que a luta do povo e dos revolucionários na Índia é a mesma luta do povo e dos revolucionários no Brasil!

Na Índia, a expressão mais avançada desta luta é a Guerra Popular travada pelo Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL) e dirigida pelo Partido Comunista da Índia (Maoísta), processo que teve sua origem no levantamento camponês de Naxalbari. Enfrentando todo o tipo de cerco, aniquilamentos, repressão e fascismo com que o velho Estado tenta afogar em sangue o povo da Índia, os “naxalitas” (como são conhecidos os maoístas naquele país) seguem avançando! Hoje os revolucionários controlam mais de 1/3 do território da Índia e aumentam sua influência sobre áreas que ainda são controladas pelo velho Estado, inclusive na capital, Nova Deli.

Celebrar os 50 anos do levantamento de Naxalbari é celebrar esta luta heróica travada desde a Índia, grande farol para os povos em luta de todo o mundo para seguir travando batalhas para varrer o imperialismo da face da terra e contruir um mundo novo.

Viva os 50 Anos do Levante de Naxalbari!

Viva a Guerra Popular da Índia!

 cartaz

 

 


 

  

Vida Longa aos Camponeses heroicos em Naxalbari!

Charu Mazumdar

O sistema social que existe na Índia é semifeudal e semicolonial. Assim, a revolução democrática neste país significa revolução agrária. Todos os problemas da índia estão relacionados com esta uma tarefa. Nesta questão da revolução agrária, houve diferença de opinião em círculos marxistas, desde o início deste século e entre os marxistas a luta entre as duas políticas de um revolucionário e a outra que continua contra-revolucionária. Os mencheviques desviaram a questão do poder do Estado e procuraram uma solução em municipalização. Lenin declarou uma cruzada contra eles e disse que não era possível resolver o problema de rastreamento de lado a questão do poder de Estado. Ele fez uma tentativa de uma legislação mais progressista, mas a estrutura de estado atual não permitiu implementá-la. A condição do camponês permaneceria a mesma. Foi por isso que ele disse que só o Estado democrático dos trabalhadores e camponeses, liderado pela classe trabalhadora, poderia resolver este problema. Apenas no outro dia mesmo o escritor Partido Soviético, Yudin (1), ao criticar a tentativa básica de Nehru (2), disse que Nehru não tinha até então sido capaz de resolver o problema dos camponeses. Ele desafiou Nehru para mostrar, na prática, como esse problema poderia ser resolvido de forma pacífica e acrescentou que Nehru não seria capaz de fazê-lo. A história provou que, longe de resolver este problema, Nehru não era capaz até mesmo para trazer um pingo de mudança.

Após o XX Congresso do partido soviético, a porta foi aberta ao revisionismo e, como resultado, o Estado soviético foi transformado de um Estado socialista em um Estado capitalista. Ao fazer a teoria da transição pacífica ao socialismo aprovada como principio básico no XX Congresso (3), os revisionistas do nosso país estão gritando que a luta dos camponeses pela terra é uma luta pela realização de demandas econômicas e que é para o aventureirismo falar da máquina do Estado. Que estranha semelhança entre as palavras de Dange (4) e Basavapunnia (5)!

Que estranha cooperação entre Biswanath Mukherji (6) e Harekrishna Konar (7)! Isto não é acidental, desde a sua origem é um contra-revolucionário de ideologia menchevique. É por isso que os governantes astutos do Estado soviético têm repetidamente declarado que só é usando fertilizantes, sementes melhoradas e implementos agrícolas que os problemas alimentares da Índia podem ser resolvidos. E dessa maneira que eles estão vindo para  frente para salvar o dirigente reacionário da Índia; eles estão escondendo das massas a forma básica e eficaz de resolver o problema indiano de alimentos, de desemprego, a pobreza e outros problemas. Isso ocorre porque o Estado soviético é hoje está a colaborar com os imperialistas anglo-americanos e foi transformado em um Estado que explora as massas da Índia. Com a ajuda da burguesia nativa, a União Soviética também está tentando investir capital em nosso país. Na esfera do comércio e do mercado com o nosso país tem vindo a desfrutar de instalações especiais. É por isso que os argumentos da facção dominante reacionária estão escorrendo da boca de seus porta-vozes em um fluxo contínuo e em uma velocidade ininterrupta. É por isso que, como colaborador da Grã-Bretanha e dos EUA, o Estado soviético também é nosso inimigo e não é de se abrigar embaixo de suas asas que o governo reacionário da Índia e pesa como um cadáver sobre os ombros das massas. Mas, mesmo assim Naxalbari foi criado e centenas de “Naxalbaris” estão ardendo. (grifo nosso) Isso ocorre porque no solo da Índia, o campesinato revolucionário é herdeiro dos camponeses revolucionários heroicos de grande Telengana (8). A então liderança do Partido traiu a luta camponesa heróica de Telengana e o fez usando o nome de grande Stalin. Muitos daqueles que estão ocupando as posições de líderes do partido hoje é uma das partes do ato de traição no mesmo dia! Em joelhos dobrados, teremos de ter aulas com esses heróis da Telengana, não só para ter força para carregar a bandeira vermelha da revolta, mas também para ter fé no poder revolucionário internacional. Que respeito sem limites que tinham para a liderança internacional, o nome de Stalin os fez colocar suas vidas sem medo à disposição do governo reacionário da Índia. Em todos os tempos e em todos os climas essa lealdade revolucionária é necessária para a organização das revoluções. Temos de aprender com a experiência dos heróis da Telengana: é preciso tirar a máscara no rosto daqueles que se opõem marxismo-leninismo, usando o nome de Stalin. Vamos ter de arrancar de suas mãos a bandeira vermelha tingida com o sangue de centenas de operários e camponeses. Os traidores, tocando a bandeira com as mãos, mancham ela.

Naxalbari vive e viverá. Isso é porque ele é baseado em invencível Marxismo-Leninismo-Maoísmo. Sabemos que à medida que avançamos vamos enfrentar muitos obstáculos, muitas dificuldades, muitos atos de traição e haverá muitos contratempos. Mas Naxalbari não vai morrer, porque a luz do sol brilhante do Pensamento de Mao caiu sobre ele como uma bênção. Quando Naxalbari recebe parabéns dos heróis nos seringais do Malaya que tenham estado envolvidos em luta há 20 anos, quando parabéns são enviados pelos companheiros japoneses que têm lutado contra a direção revisionista de seu próprio partido, quando tais parabéns vêm dos revolucionários australianos, quando os camaradas das forças armadas de grande China enviam saudações, sentimos o significado dessa chamada imortal, “Trabalhadores do mundo, unem-se”, temos um sentimento de unidade e nossa convicção torna-se mais forte e firme, que nós temos nossas queridas relações em todas as terras. Naxalbari não morreu e nunca vai morrer.

Publicado em: Liberation, julho de 1971 – janeiro de 1972

Fonte: Obras Escolhidas de Charu Mazumdar


(1) Pavel Fyodorovich Yudin foi um revisionista soviético.

(2) Jawaharlal Nehru foi o primeiro ministro da Índia de 15 agosto de 1947 até  27 de maio de 1964.

(3) A teoria da transição pacífica ao socialismo formulada pelo traidor e revisionista Kruchov após o XX Congresso do PCUS, ocorrido após a morte de Stálin. Esta tese era parte dos “três pacíficas e dois todos”: “Transição Pacífica”: revisão do conceito marxista da violência revolucionária e indicando o caminho parlamentar como caminho para se chegar ao socialismo; "Coexistência pacífica" para regular todas as relações entre classes antagônicas e entre os países dominados e o imperialismo; "Emulação pacífica" completava sua revisão do marxismo-leninismo sobre a luta de classes, propugnando que a competição pacífica do desenvolvimento econômico e social entre socialismo e capitalismo levaria aos homens de forma geral a compreensão sobre a superioridade do socialismo e consequente definição por ele. Com “Estado de todo o povo” e “Partido de todo o povo” destituía do caráter de classe proletário o Estado Socialista e o Partido Comunista.

(4) Dange foi um revisionista indiano.

(5) Basavapunnia foi um traidor do Partido Comunista da Índia – Marxista.

(6) Biswanath Mukherji foi um professor reacionário indiano.

(7) Harekrishna Konar foi um traidor do Partido Comunista da Índia – Marxista.

(8) A Rebelião de Telengana foi uma rebelião de camponeses contra os latifundiários da região.

 

 

JEP 19

JEP 19

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)