gototopgototop

Rebeliões na Palestina respondem às agressões sionistas

Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 

Retirado de: anovademocracia.com.br

Jaílson de Souza

pal1

 

Jovens atiram pedras contra o agressor sionista em Ramallah, na Cisjordânia

Inúmeros protestos envolvendo milhares de pessoas estremeceram a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, em protesto contra o reconhecimento ianque da ocupação sionista sobre Jerusalém. Somado aos protestos, três foguetes foram disparados da Faixa de Gaza pela Resistência Nacional contra o Estado sionista de Israel, no dia 8 de novembro.

Os foguetes foram uma resposta à repressão brutal desatada pelo sionismo contra as massas que protestaram em Jerusalém e em Gaza contra a ofensiva ianque-sionista de usurpar a cidade de Jerusalém. Um dos foguetes atingiu a cidade de Sderot, segundo informações do Exército sionista.

Entre os dias 07 e 08/12, quando milhares de massas se levantaram, mais de dois palestinos foram assassinados na Faixa de Gaza. Um deles, Mahmoud al-Masri, de 30 anos, foi morto no leste de Khan Younis, na fronteira entre a Faixa de Gaza e o território ocupado por Israel.

Outros 53 palestinos foram atendidos em hospitais por intoxicação com gás lacrimogêneos, ferimentos por tiros ou por balas de aço revestidas de borracha ou por espancamentos, durante protestos. Dentre estes, estão ao menos seis crianças. O número geral de feridos chega a 80 pessoas, segundo o monopólio da imprensa.

A agressão sionista inclui também bombardeios contra a Faixa de Gaza, no dia 08/12, deixando ainda outras 25 pessoas feridas.



pal2

Homens e mulheres palestinos enfrentam repressão sionista. Na imagem, dezenas de bombas de gás não são capazes de dispersar o protesto

Dia da fúria

As rebeliões explodiram logo após a convocação de Hamas para a nova Intifada, no dia 07/12. Sob os gritos de Não precisamos de palavras vazias, precisamos de pedras e fuzis e Jerusalém é a nossa capital!.

Em Ramallah, na Cisjordânia, centenas de pessoas se reuniram na praça de Al Manara e marcharam até um posto de controle militar israelense no noroeste da cidade, onde atiraram pedras e coquetéis molotov contra os soldados, no dia 07/12. Outros jovens fizeram ações semelhantes em Qalandia.

“Estamos aqui mesmo sabendo que uma pedra não pode fazer nada contra eles”, disse a jovem estudante de engenharia da informática, Mohamed, segundo o portal Palestina Libre. “Isto é a única coisa que hoje podemos fazer, e seguiremos fazendo-o!”, cravou, expressando a justa combatividade do povo palestino, próximo do posto militar atacado.

Já seu companheiro, Mustafá, mostrou pouca confiança nas medidas de rendição e capitulação da Autoridade Palestina: “Nós estamos aqui porque não esperamos que [a Autoridade Palestina] faça algo”. “Se esperássemos algo, não estaríamos aqui”, pontuou.

Em Hebron, Belém, Jericó e nas proximidades de Naplusa também houveram rebeliões.



pal3

Combatentes da Resistência Nacional palestina, organizados no Hamas, em protesto em Belém.

 

 

JEP 19

JEP 19

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)