gototopgototop
Movimento Estudantil
Qua, 22 de Outubro de 2014 Movimento Estudantil

A repressão não pode deter o avanço da Revolução Agrária!

 

 

...o sangue será uma semente, justiça vamos conquistar,

a história não falha, nós vamos ganhar....

(Conquistar a terra, hino da Revolução Agrária)

 

 

 

A reforma agrária do PT é feita de demagogia e repressão

 

O governo da frente oportunista e eleitoreira encabeçada pelo PT foi quem mais atacou os camponeses pobres, quilombolas e povos indígenas desde o fim do regime militar fascista. Segundo dados da Comissão Pastoral da Terra, somente neste ano, 29 pessoas foram assassinadas em conflitos pela terra, desde 2011 o número chega a 128. A participação de policiais militares, civis e federais junto a grupos de pistoleiros a soldo do latifúndio são uma constante, assim como a expulsão dos povos indígenas de seus territórios ancestrais, o que se aprofundou com a construção das hidrelétricas do PAC na região amazônica, Rio Madeira (RO) e Belo Monte (PA).  

 

Na mesma proporção em que se incrementa a repressão e criminalização da luta pela terra com assassinatos, prisões políticas e ameaças de morte, decrescem as desapropriações para fins de reforma agrária. Ainda segundo a CPT, em balanço sobre a reforma agrária publicado em janeiro do ano passado: o número de famílias assentadas em 2012 atingiu a taxa mais baixa registrada desde 1994 e representou apenas 36% da meta prevista pelo Governo em 2012, que era de 30 mil famílias”. Ou seja, durante os sucessivos gerenciamentos do PT que tanto prometeu para os camponeses pobres e se utilizou destes em suas manobras eleitoreiras, o número de famílias assentadas foi ainda menor do que no governo de FHC/PSDB. 

 
Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 
Sáb, 18 de Outubro de 2014 Movimento Estudantil
No ultimo dia 14 de outubro os estudantes da UERJ de maneira altiva e combatente de forma a contribuir e fazer ecoar a altura a revolta de milhares de trabalhadores que são oprimidos diariamente pelo regime fascista instalado no Rio de Janeiro através do seu braço armado que são as UPPS. Os estudantes promoveram uma grande agitação contando com a participação de dezenas de estudantes, movimentos estudantis e CA`s, com faixas, cartazes e palavras de ordem contra a UPP, fazendo com que os dois coronéis que estavam presentes de forma a representar a corporação sentissem ao menos uma vez na vida o que é estar do lado mais fraco. Azedando de maneira cabal a festa dos asseclas de uma das PMS que mais matam no Brasil e no mundo, festa essa que tinha como objetivo promover o livro “Os donos do morro” coordenado pelo dito “sociólogo” e professor da casa Ignácio Cano, ávido colaborador de O Globo é rápido em defender o fascismo aplicado pelos monopólios de imprensa e pelo Estado e em tachar aqueles que ousam lutar contra toda essa canalha com o titulo de fascistas e autoritários, quando na verdade é a ele que este titulo lhe serve tão bem.
 
Sex, 05 de Setembro de 2014 Movimento Estudantil

Entre os dias 23 e 30 de agosto de 2014 aconteceu na UFPE, campus Recife, o 34º Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia (ENEPe). Organizado pela Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia - EXNEPe, junto ao Diretório Acadêmico dos Estudantes de Pedagogia da UFPE, gestão Pedagogia em Movimento, o evento teve como tema “Educação Padrão – Fifa(!?): Os desafios do movimento estudantil de Pedagogia”.

O 34° ENEPe contou com a participação de mais de mil estudantes e se realizou num intenso clima de luta política pela defesa do ensino público e gratuito; por mais democracia nas escolas e universidades; pela libertação dos presos políticos e o fim dos processos contra os manifestantes; em apoio a luta pela terra e a Revolução Agrária e em solidariedade à heróica resistência do povo palestino.

              Nas mesas, grupos de discussão e rodas de diálogo, os estudantes debateram sobre “educação básica e condição do trabalho docente”; “plano nacional de educação”, “concepção de alfabetização”, “educação do campo”, a “regulamentação da profissão pedagogo”, entre outras questões.


001

 
Avaliação do Usuário: / 3
PiorMelhor 
Dom, 10 de Agosto de 2014 Movimento Estudantil

No último dia 06 de agosto em Recife, várias organizações, dentre elas, a FIP-PE, foram às ruas em solidariedade ao povo palestino e pelo fim das perseguições e processos políticos do governo Dilma. Manifestantes jogaram tinta no Consulado Ianque e queimaram a bandeira do Estado de Israel.

 
Qui, 31 de Julho de 2014 Movimento Estudantil

BH: Ato Nacional pela Libertação dos Presos Políticos

 

00000000000000003 Participamos do Ato Nacional Pela Libertação de Todos os Presos Políticos e pelo Cancelamento de Todos os Processos, convocado pela Frente Independente Popular do Rio de Janeiro (FIP-RJ) e que, em Belo Horizonte, foi organizado pela Frente Independente pela Memória Verdade e Justiça (FIMVJ).

 

Inúmeros movimentos populares e entidades da capital mineira como o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil (Marreta), Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, a Liga Operária e o Instituto Helena Greco de Direitos Humanos compareceram à Praça 7 se somando as denuncias contra a criminalização do protesto popular que se acirrou por todo o país a partir das jornadas de luta de junho/julho de 2013.  

 

 
Avaliação do Usuário: / 9
PiorMelhor 
Ter, 01 de Julho de 2014 Movimento Estudantil

10397302_824289817589540_7876052120568116968_o

 

Os trabalhadores da rede municipal de ensino de Goiânia estão há mais de um mês em greve e seguem ocupando a câmara municipal, realizando atividades políticas diariamente e debatendo os rumos da greve. Assim como nas principais capitais, onde os protestos rompem com a contrapropaganda fascista do PT e repudiam a Copa da Fifa, em Goiânia também os trabalhadores lutam contra os cortes de direitos e o sucateamento na educação.

 

Com o fim da greve do final de 2013, o prefeito Paulo Garcia (PT) assinou um acordo em que atenderia parte das reivindicações da categoria. Do ano passado até aqui, muito pouco foi feito e, no último dia 15 de maio, a prefeitura baixou um decreto (nº 1248) que fez vários cortes na folha de pagamentos dos servidores públicos de Goiânia. Nesses dias já outras categorias estavam em greve – os agentes de trânsito pararam quase todo o mês de maio e voltaram a greve esta semana, trabalhadores da saúde também – e esse decreto foi o estopim para, em assembleia no dia 26 de maio, os trabalhadores da educação deflagrarem sua greve.

 
Avaliação do Usuário: / 10
PiorMelhor 
Sex, 20 de Junho de 2014 Movimento Estudantil

 copa1

Em BH/MG, assim como em diversas cidades do país, as consecutivas mobilizações populares tem atrapalhado a Farra da Fifa desde sua abertura, no dia 12. Com demonstrações cabais da indignação e da revolta das massas contra mais esse show de agressões contra nosso povo pobre e trabalhador cometido pelo imperialismo e seus lacaios à gerência do velho e carcomido Estado brasileiro, a juventude combatente deu mostras de sua disposição para a luta e radicalidade, forçando esse Estado assassino a mostrar sua verdadeira face: o fascismo!

 
Avaliação do Usuário: / 7
PiorMelhor 
Sex, 13 de Junho de 2014 Movimento Estudantil
Ocupação da REItoria da UnB prepara o Movimento Estudantil da universidade para grandes batalhas
Diante da postura autoritária adotada pela REItoria da UnB, expressa em constantes ataques, cortes de direitos e criminalização do movimento estudantil, os estudantes mobilizaram importante luta que culminou com a recente ocupação de seis dias do prédio da administração da universidade. O reitor Ivan Camargo, que desde os primeiros dias de sua gerência hostiliza os estudantes e executa um projeto nefasto de universidade, move verdadeira escalada repressiva contra o movimento estudantil, ameaça o bem-estar e a sobrevivência dos estudantes que recebem os direitos da assistência (são verificados recorrentes atrasos nas bolsas, insuficiências as mais diversas, humilhações são cometidas contra os estudantes), destrói o patrimônio público da UnB (vide o recém-privatizado restaurante universitário, que já aumentou o preço das refeições e criou um “espaço gourmet” confortável e que serve comida de qualidade a preços exorbitantes enquanto a imensa maioria dos estudantes tem de conviver com alimentação ruim, com insetos e demais violações) além de aplicar medidas para militarizar a universidade e transformá-la em uma instituição ainda mais elitizada e desvinculada do povo brasileiro.
 
Avaliação do Usuário: / 9
PiorMelhor 
Qua, 11 de Junho de 2014 Movimento Estudantil

Alunos e funcionários da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) enfrentam a dura realidade de uma universidade precarizada, sem as mínimas condições de trabalho e ensino, com professores contratados, sem água nos bebedores, falta de bandejão nos demais campi, cursos sem trabalho de campo, falta de creche para funcionários e alunos, etc. E como se não basta-se tudo isso o REItor  em mais uma de suas arbitrariedades e desmandos entregou a Uerj a FIFA cedendo as instalações da universidade como: centro de treinamento para os voluntários da Copa arrebanhados pelo PCdoB, como estacionamento para dias de jogos no Maracanã e como cabine de transmissão para a rede Globo.

Diante desse quadro na semana do dia 05/06 o movimento estudantil popular revolucionário juntamente com o coletivo inimigos do rei, mobilizaram toda a comunidade acadêmica da Uerj em torno da luta contra a privatização  da Universidade pelo REItor e pela FIFA. Foi construído um ato juntamente com outros coletivos, CA`S, professores e indivíduos independentes, pela justo direito de uma universidade que sirva ao povo e não a FIFA.

1

 

 
Ter, 08 de Abril de 2014 Movimento Estudantil
Participamos no ultimo dia 1° de abril, quando se completou 50 anos do golpe civil-militar no Brasil, de uma importante manifestação realizada pela Frente Independente pela Memória Verdade e Justiça – FIMVJ, composta por inúmeras organizações entre as quais o Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania e o Movimento Feminino Popular - MFP.


estudantes de belas artes da ufmg realizam interveno durante o ato crdito foto fimvj

Centenas de ativistas de vários movimentos populares da cidade e do campo, artistas, personalidades democráticas, ex-presos políticos e familiares de vítimas do terrorismo de Estado de ontem e hoje, realizaram um ato público de rebatismo popular do então elevado Castelo Branco (no do primeiro general que governou o país após o golpe de 64), localizado no centro de BH.