gototopgototop
Movimento Estudantil
Seg, 26 de Setembro de 2016 Movimento Estudantil

13962547_1774932049387316_7630420270288141122_n

Após uma vitoriosa campanha, e com ampla participação dos estudantes nos debates e em todo o processo eleitoral, a chapa 2, Dias de Luta, venceu as eleições para o Diretório Acadêmico de Pedagogia da UNEB – Juazeiro.

Após participarem do 36° ENEPe em Rondônia com uma das mais numerosas delegações do evento, os estudantes da UNEB – Juazeiro sentiram a necessidade de impulsionar e fortalecer o Movimento Estudantil de Pedagogia na região do Vale do São Francisco, e decidiram formar uma chapa para as eleições do Diretório Acadêmico.

 
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
Ter, 13 de Setembro de 2016 Movimento Estudantil
Nos dias 10 e 11 deste mês de setembro o MEPR realizou o VIII Encontro Regional dos Estudantes do Povo – EREP, na capital de Rondônia. Participaram estudantes secundaristas e universitários, militantes e ativistas do MEPR, e outras organizações como o Movimento Classista dos Trabalhadores da Educação- MOCLATE, Liga dos Camponeses Pobres - LCP e Comitê de Apoio ao Jornal A Nova Democracia. O encontro foi dedicado à companheira Sandra Lima que faleceu recentemente, e deixou um legado glorioso no movimento revolucionário brasileiro.
 
Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 
Seg, 22 de Agosto de 2016 Movimento Estudantil

Numa manobra desmobilizadora o Conselho Universitário da UFMG, aprovou no dia 28 de Junho, última semana de aulas, quando a universidade estava convenientemente vazia, o aumento do bandejão de R$ 4,15 para R$5,60, alçando o bandejão da Federal mineira ao posto de mais caro do país.

Contra tal ataque ao direito de estudar, estudantes da universidade tem se organizado e buscado um caminho para barrar o aumento. No dia 11 de agosto, se recusaram a pagar o bandejão e dezenas de "pularam as catracas" do Restaurante Universitáio 1. Mais mobilizações estão previstas para ocorrer em breve, porém a universidade não dá sinais de que quer debater o assunto.

Aumento semelhante havia sido tentado nas primeiras semanas do ano, quando os estudantes invadiram a reitoria, impedindo assim a reunião que votaria o aumento, e forçando a retirada do assunto da pauta. Temendo mobilização semelhante, o Conselho esperou o momento propício em que haveriam poucas pessoas na universidade para novamente anunciar o aumento. Contou ainda com o suporte do DCE (capitaneado pelo Levante Popular da Juventude/PT), que chegou a declarar a medida “uma vitória do movimento estudantil”, servindo às políticas de austeridade e sucateamento que cada vez mais tentam impor às universidades do nosso país, e a desmobilização estudantil. Maquiando o golpe da Fump e do Conselho Universitário, cumprem um papel semelhante ao da pele de cordeiro que serve para amaciar o lombo do cavalo em seu contato com a sela.

 
Qua, 17 de Agosto de 2016 Movimento Estudantil

consolaf

 

 

Comitê de Apoio ao jornal A Nova Democracia – São Paulo (SP)

No dia 11 de agosto, às 14h iniciava-se na Praça Roosevelt a concentração do ato dos secundaristas em defesa da educação pública e contra os cortes de verbas na saúde e educação.

Durante a concentração houve ação truculenta da Polícia Militar de São Paulo que prendeu dois estudantes acusados de serem “os líderes do ato” e uma adolescente acusada de “desacatado à autoridade”. No vídeo feito por um cinegrafista da TV Gazeta, os policiais arrastam a garota até a base da PM e os dois jovens são levados de forma agressiva pra dentro da mesma.

A polícia usou gás de pimenta e bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os estudantes que entoavam energicamente a palavra de ordem: “Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar”.

A despeito da repressão, o ato saiu mesmo assim. Percorreu a Rua da Consolação, deu a volta na Praça da Republica e subiu novamente a Consolação. Uma nova assembléia foi realizada e os estudantes decidiram prosseguir até a Av. Paulista.

 

A exemplo do que ocorreu no Ato contra o Massacre Olímpico em São Paulo no dia 05/08, conforme noticiado no blog de AND, novamente as forças de repressão do velho Estado usaram a tática militar denominada “Caldeirão de Hamburgo”. Os estudantes resistiram ao ataque da PM com barricadas e fizeram denúncias com pichações pela Av. Paulista. Cinco estudantes foram detidos em diferentes pontos do centro e levados até o 4°DP (localizado na Consolação) e logo após encaminhados até ao 78°DP.

Pelos relatos dos estudantes detidos, houveram agressões por parte dos policiais dentro das DPs.

Este é o segundo ato dos secundaristas que vem cercado de repressão e prisões de estudantes, no que a juventude combatente responde com mais vigor e mais luta, demonstrando que novos tempos se aproximam e que o velho Estado nada pode fazer para suprir as necessidades das massas, apenas responder com mais repressão. Os estudantes afirmam que a luta não para e novas manifestações estão marcadas.

 
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
Seg, 15 de Agosto de 2016 Movimento Estudantil

Na tarde do dia 12/08, estudantes secundaristas realizaram um combativo ato na região do Méier, subúrbio do Rio de Janeiro. O ato se concentrou numa movimentada praça da região e tinha como objetivo do percurso seguir até o “estádio olímpico” Engenhão. Diversas faixas e a disposição de luta da Juventude Combatente deram o recado para as classes dominantes e para todo mundo de que os estudantes não aceitarão a farra da Olimpíada.

Ao ter início, a manifestação logo encontrou a PM fascista que tentou reprimir os estudantes com bombas de gás e balas de borracha. Os estudantes resistiram como puderam e não deixaram o ato terminar. Reagruparam-se e deram continuidade ao ato, ao passo que foram novamente atacados pelas forças de repressão. Cerca de 50 estudantes que estavam dispersos em lojas e prédios residenciais foram detidos pela PM, que o colocaram em um ônibus e o levaram até a Cidade da Polícia, aonde, segundo advogados, foram acusados de “provocar tumultos em região próxima à estádios”. Aí, novamente, a legislação deste velho Estado serviu ao intuito de reprimir o povo em luta.

Juventude Combatente Resiste A Prisão! 1A

 
Sex, 29 de Julho de 2016 Movimento Estudantil

Ato_36_ENEPe

 

Saudamos as(os) estudantes que construíram e participaram do 36º ENEPe que foi realizado de 17 a 24 de julho em Porto Velho na Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e foi completamente vitorioso em seus objetivos. Desde sua preparação até sua realização, o Encontro foi marcado por um elevado espírito de decisão por parte das(dos) estudantes em construir esse evento importantíssimo, mesmo diante de todos os ataques à educação e ao direito de organização dos estudantes por parte da gerência Temer (PMDB) e diante de boicotes e sabotagens por parte dos oportunistas, que tentaram desmobilizar o Encontro e atuaram como linha auxiliar de Temer. Todos os debates e grupos de discussão foram altamente politizados e expressaram a consciência das(dos) estudantes de que diante do desmonte da educação pública e da privatização temos que lutar com vigor redobrado para barrar tais medidas e vislumbrar uma transformação profunda e radical na base econômica, na política e na cultura de nosso país, uma verdadeira Revolução! Essa combatividade materializou-se no Ato realizado na sexta-feira (22/07) no centro de Porto Velho e que marchou até a sede do “governo” estadual (foto). Na plenária final foi votado um importante Plano de Lutas para o próximo ano, fruto dos debates das mesas e grupos de discussões e que conta com um Dia Nacional de Lutas em Defesa da Educação, encabeçado pelo MEPe e a ser realizado no próximo dia 23 de novembro, histórica data em que as(os) estudantes da UNIR em greve de ocupação derrubaram o REItor fascista Januário Amaral em 2011.

 
Avaliação do Usuário: / 8
PiorMelhor 
Sex, 01 de Julho de 2016 Movimento Estudantil

A onda de ocupações vem sacudindo todo o país levando a ousadia e rebeldia principalmente dos estudantes secundaristas para o meio de um cenário de profunda crise social, econômica, política e moral de todo velho Estado e as diferentes siglas do Partido Único das classes dominantes. Em pouco mais de quatro meses, os estudantes da primeira cidade a ter ocupações de escolas em 2016, Rio de Janeiro, deram sucessivos saltos em sua luta: primeiro ocupando suas escolas, depois indo para as ruas e radicalizando a luta em defesa de escolas que sirvam ao povo e, finalmente, expulsando todas as diferentes entidades e movimentos oportunistas-eleitoreiros, desmoralizadas para as massas junto com seu pacifismo, eleitoralismo e peleguismo.

Publicamos a seguir o histórico recente desta luta em Niterói, município vizinho do Rio de Janeiro, que desenvolveu uma importante experiência para o movimento estudantil não apenas do estado do RJ, mas de todo país. Saudamos a Juventude Combatente de todo país e esperamos que possam seguir trilhando o mesmo caminho dos estudantes cariocas, levantando alto a nova bandeira do Novo Movimento Estudantil independente e combativo!

Manifestação Manifestação

 
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
Ter, 28 de Junho de 2016 Movimento Estudantil

Na "cidade olímpica", a quase um mês das "olímpiadas" serem realizadas sob estado de sítio (com operação semelhante a que fora organizada pelo velho Estado na Copa de 2014, mobilizando até a Força Nacional de Segurança), a Juvente Combatente segue firme na luta por escolas de qualidade e em defesa do direito de estudar e aprender!

Nesta altura, alguns colégios foram já desocupados, principalmente pela ação fascista e autoritária do Judiciário do RJ - que determinou que "as ocupações não poderiam ocorrer nas salas de aula", abrindo brecha para criminalização ainda maior da luta estudantil -, mas também pelo desgaste que é natural em um movimento de ocupação de escolas.

Porém apesar de tudo, os estudantes seguem mobilizados em suas escolas. Aproveitando a "volta às aulas" (leia-se: volta a situação precária que encontra-se todo ensino público), os estudantes têm se lançado na tarefa de seguir mobilizando e politizando os estudantes em cada colégio!

Repercutimos a seguir o conteúdo de um panfleto distribuido por estudantes do C.E. Herbert de Souza, colégio que foi ocupado, fazendo um balanço da experiência da ocupação e convocando os estudantes a seguirem na luta:

"

VIVA AS OCUPAÇÕES DE ESCOLAS! ABAIXO O MOVIMENTO ESTUDANTIL OPORTUNISTA E ELEITOREIRO!

REBELAR-SE É JUSTO!

As ocupações das escolas têm início em São Paulo, onde centenas de escolas são ocupadas contra a decisão do Governo de SP de fechar escolas. Desde então, o exemplo de luta têm sido repercutido por todo país!

 

 
Avaliação do Usuário: / 6
PiorMelhor 
Seg, 27 de Junho de 2016 Movimento Estudantil

O Movimento Estudantil Popular Revolucionário - MEPR vem por meio desta nota expressar seu apoio ao combativo movimento de ocupação do prédio do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais - IFCS, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.

Escadas do IFCS - UFRJ Estudantes em atividade da ocupação.

Saudamos a capacidade política que os estudantes independentes e combativos demonstraram em reconhecer nas lutas secundaristas, em suas ocupações por todo o país, o que há de mais avançado no movimento estudantil atualmente, caminho trilhado pela juventude dos colégios públicos para defender seu direito a estudar e aprender!

 

Teses

Facebook