gototopgototop

Rio de Janeiro: Novo ato contra as medidas antipovo, Pelegos desesperados!

Avaliação do Usuário: / 10
PiorMelhor 

No dia 24 de outubro ocorreu, no Rio de Janeiro, o Segundo Grande Ato contra a PEC 241, medida que o governo-tampão de Temer que fazer passar como a “salvação para o Brasil” que se resume em congelamento por 20 anos dos investimentos em saúde, educação e demais serviços públicos. Este projeto é parte integrante da lógica das classes dominantes brasileiras, lacaias e agentes do imperialismo, principalmente ianque, no nosso país, que se resume mais ou menos em “precarizar para privatizar”. Esta lógica foi utilizada por todos os gerenciamentos de turno, sem exceção, e é reforçada ainda mais agora, no período de aguda crise política e econômica - e que é acompanhada de uma resposta do povo, ilustrada pelas lutas radicalizadas organizadas em todo país e também pela profunda descrença do povo com o velho Estado e sua politicalha podre, tão bem expresso no boicote recorde deste ano.

Manifestação de Estudantes contra a Contrarreforma do Ensino Médio! Para fazer frente a isto levantou-se no Rio de Janeiro, assim como em todo o país, um vigoroso e promissor movimento em defesa dos direitos do povo. Prenunciando o novo momento político que enfrenta o nosso país e, particularmente, sua situação revolucionária em desenvolvimento, no RJ este movimento levou a cabo logo de cara uma ousada ação de massas: ao fim do primeiro protesto, ocorrido em 17/10, as massas não se contentaram com a decisão oportunista das diversas centrais sindicais, de terminar o ato de uma forma pacifista e no momento em que os pelegos queriam, e de forma combativa as massas continuaram com o ato! Foi quando a PM fascista tentou reprimir os manifestantes, ao passo que o povo defendeu seu direito de protestar com dezenas de pedras e côcos pra cima dos policiais!

No ato de ontem, os manifestantes também compareceram em peso. Centenas de estudantes secundaristas, que participaram ativamente da vigorosa onda de ocupações no início do ano, marcaram presença e seu espírito altivo e combativo novamente deixou em verdadeiro desespero o oportunismo eleitoreiro (representado principalmente por CUT, CTB, todo sindicalismo adestrado, bem como pelos movimentos estudantis eleitoreiros).

 

Sabendo do espírito de luta da juventude, que não se intimidou nem se intimidará com ameças policiais, perseguição, repressão, os sindicaleiros pelegos mudaram sua tatíca: de meros coadjuvantes do velho Estado, passaram a atuar literalmente como policiais dentro do movimento popular! Em dado momento do ato, quando a Juventude Combatente decidiu levar suas faixas e suas pesadas bandeiras vermelhas para o início da manifestação, bate-paus da CUT começaram a provocar estudantes secundaristas (principalmente mulheres), no intuito de impedir que estes tomassem a dianteira da manifestação!

Depois disto, continuaram atuando como agentes do velho Estado: tiraram fotos de estudantes, xingaram, seguiram e tentaram segurar manifestantes. Sem se intimidar, a Juventude Combatente seguiu com seu bloco organizado, entoando palavras de ordem denunciando os ataques ao povo e também rechaçando a atuação da pelegada como camisa de força do povo, indicando que somente pela via da luta combativa e independente de forças políticas eleitoreiras que as massas conseguirão barrar o arrocho e o pacotaço de medidas antipovo e vende-pátria – fato este que contou com amplo apoio das massas que estavam na manifestação.

É preciso desmascarar estes oportunistas que, dizendo-se fazer parte do movimento de defesa dos trabalhadores, na prática não são mais do que agentes da reação dentro do movimento popular! São verdadeiros fascistas tentando reprimir e intimidar com sua tática falida de controlar pela repressão os jovens que estão se levantando agora para a luta revolucionária!

No atual momento de ascenso da luta das massas, aonde a revolução vem avançando passo a passo, a cada dia mais, nada é mais do que natural que o velho Estado e a reação se utilizarem deste instrumento dentro do próprio movimento popular, que é o oportunismo eleitoreiro, verdadeira quinta coluna do imperialismo. É sem nenhuma ilusão que afirmamos: assim como todos os reacionários e os imperialistas, são tigres de papel, e serão varridos pela fúria popular!

Nós, do Movimento Estudantil Popular Revolucionário, temos a clareza do que defendemos e que enfrentamos quando afirmamos que o nosso objetivo é a Revolução Brasileira e não o pântano de lama que é a via do revisionismo e do oportunismo que, particularmente no nosso país, vem sofrendo derrotas após derrotas, depois que foi descartado pelo imperialismo quando chutada do aparato central do velho Estado. Enfrentamos sem titubear, durante todos estes anos, a reação, seus aparatos de repressão, sua perseguição e as diversas campanhas contra os lutadores do povo, não será um grupelho social-fascista que impedirá o avanço da luta!

Desafiamos o fascismo e nos colocamos a disposição de levar a cabo um combate sem quartel ao imperialismo e ao oportunismo! Novos protestos virão na cidade do Rio de Janeiro, e cada vez mais irá se demarcar a diferença entre o verdadeiro caminho em defesa dos nossos direitos e o caminho oportunista, que busca somente novos cargos através de traições ao povo!

IR AO COMBATE SEM TEMER, OUSAR LUTAR OUSAR VENCER!

AVANTE JUVENTUDE! A LUTA É O QUE MUDA, O RESTO SÓ ILUDE!

ABAIXO AS MEDIDAS ANTIPOVO E VENDE-PÁTRIA DE TEMER (PMDB)!

REBELAR-SE É JUSTO!

 

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)