gototopgototop

UNIDADE VERMELHA: Resistir nas ocupações, unificar a luta para derrotar as reformas do ensino de Temer

Avaliação do Usuário: / 5
PiorMelhor 

Paraná, 23 de outubro de 2016. 

Desde o dia 03 de outubro estudantes secundaristas do Paraná iniciaram a ocupação de escolas públicas em todo o estado contra a PEC 241 e a medida provisória 746, também chamada de MP do ensino médio.

Criada pelo gerente de turno Michel Temer (PMDB) a PEC 241 é uma proposta de modificar a constituição brasileira e que na prática congela os gastos do governo federal com educação e saúde durante os próximos 20 anos. Já a MP 746/2016 também assinada por Temer e que entrou em vigor no dia 22 de setembro propõe a reformulação do Ensino Médio com aumento gradativo da carga horária (escola integral) e flexibilização do conteúdo, mas mantendo os baixos salários dos professores e funcionários, falta de material e estrutura precária das escolas. Juntas a PEC e MP visam a precarização do ensino médio e a pavimentação do caminho para sua privatização. Ou seja, querem que os mais pobres paguem a conta da crise!

Hoje já são mais de 850 escolas ocupadas e 4 Núcleos Regionais de Ensino em 110 municípios do Paraná. As ocupações também atingiram 14 universidades (Unioeste, Unicentro, UEPG, Unespar, UEM, UEL e UFFS) em 12 cidades. No dia 16 teve início a greve dos professores e funcionários da rede pública estadual chegando a 30% das escolas estaduais paralisadas. Mas a greve dos professores só pode avançar em aliança com as ocupações, ou seja, os professores em greve tem que ir pra dentro das ocupações!

Em cada escola ocupada os estudantes têm organizado aulas, realizado trabalho de limpeza, segurança e alimentação, organizado a divulgação da luta, atividades culturais, e conquistado enorme apoio da população que contribui com alimentos, materiais de limpeza e até como voluntários. Os estudantes paranaenses têm sido professores nas ocupações das escolas.

No início das ocupações, o governador do Paraná Beto Richa (PSDB) tentou criminalizar a luta dos estudantes apelando para que Ministério Público, Conselho Tutelar e Poder Judiciário fossem favoráveis a reintegração de posse. Porm suas tentativas foram atropeladas pela resistência dos estudantes e a massificação das ocupações por todo o estado. Diante da crise o governador decretou recesso de 5 dias nas escolas e nega qualquer negociação com os estudantes. A crise da educação no estado é muito grave e veio acumulando material inflamável durante os últimos anos e que agora incendiou com as ocupações.

Assim como nas jornadas de junho de 2013, quando a juventude se levantou em todo o Brasil contra os desmandos e arbitrariedades dos políticos e todos seus partidos eleitoreiros, contra a corrupção, contra a falência dos serviços públicos, contra a repressão policial cotidiana desmascarando por completo o governo Dilma/Lula (PT) e seu discurso ufanista de Brasil grande potência, agora se levantam os estudantes secundaristas contra as reformas antipovodo governo Temer (PMDB). Os estudantes do Paraná dão um exemplo de firmeza e combatividade, assumindo a vanguarda e apontando como único caminho ocupar e resistir nas escolas transformando-as em trincheiras de luta.

Fora Temer! Fora Richa! Fora todos que são contra a educação!

Abaixo as eleições podres e corruptas e todos partidos eleitoreiros!

Por uma escola pública, gratuita, de qualidade e que sirva ao povo!

Contra a Reforma do Ensino fazer das escolas trincheiras de luta!

Rebelar-se é justo! Viva a juventude combatente!

Unidade Vermelha – Liga da Juventude Revolucionária

 

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)