gototopgototop

Boicotar ativamente a farsa eleitoral!

Avaliação do Usuário: / 4
PiorMelhor 

Faixa_-_central

 

Está em curso mais uma edição da farsa eleitoral, desta vez em nível municipal. As falsas promessas dos candidatos e seus frágeis argumentos para convencer o povo de que deve votar contrastam violentamente com o pioramento sistemático das condições de vida das massas. Desemprego e arrocho salarial; aumento do custo de vida; falta de saúde e saneamento básico; sucateamento e desmonte da educação pública; péssima qualidade e alto custo dos transportes coletivos; violência contra o povo praticada pelas polícias (militar, civil e federal) e por grupos paramilitares (“milícias” e grupos de extermínio nas cidades e pistoleiros no campo). É nesse cenário de profunda crise e degradação da vida dos trabalhadores que se realizam as eleições corruptas e reacionárias.

Contudo, onde há opressão, há resistência e o povo tem resistido e lutado em todo o país contra a aceleração e aprofundamento dos ataques a seus direitos pelo ultrarreacionário Michel Temer (PMDB-FMI). Além disso, o povo também tem rechaçado energicamente a farsa das eleições. Tornou-se um fenômeno generalizado a realização de protestos que fecham ruas, avenidas e rodovias com barricadas em chamas e nesse período eleitoral não são raros os casos em que o povo revoltado expulsou candidatos de seus bairros.

Na medida em que Temer tenta aplicar as contrarreformas do imperialismo (“reforma da previdência”, “reforma trabalhista”, “reforma do ensino médio”, etc) e justos protestos tem se levantado contra esse gerente e suas medidas antipovo, o oportunismo eleitoreiro tenta novamente cavalgar e manobrar a revolta popular para converter a luta em desgaste eleitoral e abrir caminho para seus candidatos. Porém, o que esses oportunistas fazem questão de esconder é que Temer representa uma linha de continuidade dos gerenciamentos anteriores, desde Sarney, passando por Collor, Itamar Franco, FHC, Luiz Inácio, até Dilma. Todos eles, sem exceção, aplicaram sistematicamente as medidas do latifúndio, da grande burguesia e do imperialismo, principalmente ianque, na velocidade e na intensidade que era mais conveniente a seus patrões. E nenhum desses gerentes nem chegou perto de arranhar os pilares do velho Estado e todo sistema de exploração e opressão ao qual o povo brasileiro é submetido.

O deslocamento do PT do topo do gerenciamento do velho Estado brasileiro e todo seu “legado” de medidas antipovo e vendepátria foram mais uma demonstração cabal da falência histórica do caminho reformista e eleitoreiro defendido por toda falsa esquerda. O próprio episódio do impeachment de Dilma demonstrou o caráter farsante das eleições ao revelar que não são os votos dos eleitores que decidem quem estará no “governo” e sim o resultado das disputas e dos acordos entre as frações das classes exploradoras em torno do controle do aparelho do velho Estado. Ademais, a votação do impeachment na Câmara dos Deputados expôs as vísceras do sistema político brasileiro e seu caráter semifeudal e semicolonial, num desfile de todo tipo de oligarcas, quadrilheiros, e ladrões.

 

Levantar as massas para o boicote e apontar o caminho da Revolução

 

fora_pt_psdb_pmdb

 

Desde as históricas jornadas de protesto de junho e julho de 2013, que as principais lutas populares no Brasil tem sido orientadas pelo caminho da independência e da combatividade. Em todas essas lutas o oportunismo eleitoreiro tem sofrido uma derrota após a outra ao não conseguir aprisioná-las nas correntes do pacifismo e do cretinismo parlamentar e consequentemente não conseguir extrair nenhum saldo eleitoral. O que na verdade tem ocorrido é um desmascaramento cada vez maior de toda a falsa esquerda e um invariável rechaço às instituições do velho Estado e seu sistema político vigente.

Uma das expressões mais vivas dessa tendência foi a onda de ocupações de escolas por estudantes secundaristas em diversos estados do Brasil, em que os estudantes rejeitaram a linha conciliadora dos oportunistas e enfrentaram com altivez as direções das escolas, secretarias de educação, “governos” e suas polícias fascistas. Os estudantes compreenderam rapidamente que apenas com uma luta decidida, radicalizada e sem nenhuma ilusão com o velho Estado seriam capazes de defender o direito dos filhos do povo de poder estudar e aprender. Justamente por seu caráter independente e combativo, essas lutas forjaram os estudantes num alto nível de politização, onde muitos entenderam que não basta apenas lutar em defesa da educação pública, mas sim lutar por uma verdadeira revolução em nosso país, em que os trabalhadores tomem o poder e de fato garantam todos os direitos do povo, inclusive o direito a uma educação pública, gratuita e que sirva aos seus interesses.

Nesse momento, em que a gerência de Temer (PMDB-FMI) tem acelerado e aprofundado os ataques aos direitos do povo, cabe aos revolucionários intervir de forma contundente em cada luta de resistência e reivindicativa, denunciando a farsa que são as eleições burguesas e elevando a politização até o nível da compreensão de que o Brasil precisa de uma grande revolução! Revolução de Nova Democracia, que se inicia pela Revolução Agrária, em que o campesinato toma todas as terras dos grandes proprietários, destruindo completamente o principal pilar do atraso de nosso país, o sistema latifundiário. Revolução que prossegue com o confisco de todo grande capital, brasileiro e estrangeiro, e com a completa libertação de nosso país das garras do imperialismo, conquistando a independência nacional. Revolução que marchará de forma ininterrupta ao Socialismo, pondo fim a todo sistema de exploração. Esse é o único caminho capaz de conduzir as amplas massas populares à vitória!

 

 

Eleição Não! Revolução Sim!

 

Mobilizar, organizar e politizar o povo na luta por seus direitos e pavimentar o caminho da Revolução!

 

 

Viva a Revolução de Nova Democracia Ininterrupta ao Socialismo!

 

RVI

Celebrações

Teses

Facebook

Jornal A Nova Democracia

FERP (Chile)