gototopgototop
Teoria
Avaliação do Usuário: / 17
PiorMelhor 
Ter, 03 de Dezembro de 2013 Teoria - Teoria

Marx_escrevendo

Publicamos abaixo importante trabalho crítico elaborado por Marx em 1874 a respeito do livro de Bakunin “O Estado e a anarquia”. O texto possui tanto maior interesse porque, na crítica às concepções bakuninistas, expõe Marx de maneira positiva vários aspectos centrais a respeito do comunismo científico, principalmente no que diz respeito à questão do Estado em geral e da ditadura do proletariado em particular. Sendo anotações à margem do texto, embora não seja uma obra sistemática, oferece assim uma síntese bastante precisa a respeito de questões fundamentais que há século e meio separaram anarquistas e comunistas no interior da I Internacional.

 
Avaliação do Usuário: / 2
PiorMelhor 
Qua, 23 de Janeiro de 2013 Teoria - Teoria

Resumo do Fórum sobre o trabalho artístico e literário nas Forças Armadas convocado pela camarada Chiang Ching por incumbência do camarada Lin Piao –de 2 a 20 de fevereiro de 1966

Nota do MEPR: Retirado em espanhol da página http://dazibaorojo08.blogspot.com. Tradução para o português do MEPR.
Nota: Este importante documento foi tomado de Importantes Documentos da Grande Revolução Cultural Proletária. Edições em Línguas Estrangeiras. Pequim, 1970, p.209-250. Foi transcrito por Grande Marcha para o Comunismo e incluído em sua página web para dar-lhe maior difusão, especialmente entre as novas gerações de comunistas e revolucionários. Madri, janeiro de 2013.

A pedido do camarada Lin Piao, a camarada Chiang Ching convidou alguns camaradas das forças armadas para celebrar um fórum em Shangai de 2 a 20 de fevereiro de 1966, para discutir certos problemas concernentes ao trabalho artístico e literário nas forças armadas.

Camarada_Chiang_Ching

 
Sex, 27 de Janeiro de 2017 Teoria - Teoria

SearaVermelha_phixr2

 
Avaliação do Usuário: / 7
PiorMelhor 
Qui, 20 de Dezembro de 2012 Teoria - Teoria

Nesse 21 de dezembro, na passagem do 133º aniversário de nascimento do camarada Stalin (1879-1953), grande dirigente da revolução socialista de Outubro e do Estado Soviético, bem como do Movimento Comunista Internacional, homenageamos esse titã da classe operária mundial publicando um trecho do livro “Viagem”, de Graciliano Ramos.

Nessa obra, publicada postumamente, o grande autor de Vidas Secas e Memórias do Cárcere relata impressões de sua viagem à União Soviética e à Tcheco-Eslováquia, no ano de 1952, portanto, ainda durante a construção do socialismo nesses países. Graciliano Ramos, quando morreu, mal iniciara a dar a essas impressões a forma de um livro, de modo que o relato é particularmente vivo, espontâneo, e por isso mesmo de grande interesse.

 
Avaliação do Usuário: / 4
PiorMelhor 
Qui, 21 de Março de 2013 Teoria - Teoria

Figuras do Movimento Operário: Karl Marx

V. I. Lênin
Novembro de 1914

images_1

Karl Marx nasceu em 5 de maio de 1818, em Treves (Prússia Renana). Seu pai, advogado israelita, converteu-se, em 1824, ao protestantismo. Sua família, abastada e culta, não era revolucionária. Terminando os estudos no Liceu de Treves, Marx entrou para a Universidade de Bonn, indo depois para Berlim, onde estudou direito e, sobretudo, história e filosofia. Em 1841, terminava os seus estudos, sustentando uma tese de doutorado sobre a filosofia de Epicuro. Eram, então, as concepções de Marx as de um hegeliano idealista. Fez parte, em Berlim, do círculo dos "hegelianos de esquerda" (Bruno Bauer e outros), que procuravam extrair da filosofia de Hegel conclusões ateias e revolucionárias.

Saindo da Universidade, Marx fixou-se em Bonn, onde contava com uma cadeira de professor. Mas a política reacionária do mesmo governo que, em 1832, afastara Ludwig Feuerbach de sua cátedra, e que, em 1836, recusava o seu retorno à Universidade, e ainda, em 1841, proibia ao jovem professor Bruno Bauer realizar conferencias em Bonn, obrigou a Marx a renunciar à carreira universitária. Nessa época, o desenvolvimento das idéias hegelianas de esquerda estava em franco progresso na Alemanha. Particularmente, a partir de 1836, começou Ludwig Feuerbach a criticar a teologia e a se orientar para o materialismo que, em 1841, já aceitava inteiramente, como se verifica em a A essência do cristianismo; em 1843, eram publicados os seus Princípios da Filosofia do Futuro.