gototopgototop

Uma entrevista de Trotsky

Avaliação do Usuário: / 9
PiorMelhor 

noatrotsky



“Trotsky nunca teve uma opinião firme sobre qualquer questão importante do marxismo”.

(Lênin, “O direito das nações à autodeterminação”).

 

“Trotsky é um manipulador, um mentiroso e um cínico. Em sua agitada carreira política, passou dos esseristas, socialistas revolucionários, aos mencheviques. Não obstante, uma coisa não mudou jamais: é um fervoroso crítico do Partido bolchevique, se opõe a ele em toda ocasião... Esse é o Trotsky! Bravateia à esquerda e atua à direita, é um prestidigitador da realidade”.

(Lênin, “A guerra e a revolução”).

 

“A desigualdade do desenvolvimento económico e político é uma lei absoluta do capitalismo. Daí decorre que é possível a vitória do socialismo primeiramente em poucos países ou mesmo num só país capitalista tomado separadamente”.

(Lênin, “Sobre a palavra de ordem dos Estados Unidos da Europa”).

 

A luta em torno do estabelecimento da verdade histórica é um dos pontos centrais na confrontação ideológica entre revolução e contrarrevolução. Já Marx dizia que “a tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos”. Particularmente na época de contrarrevolução prolongada que vivemos, na qual apregoa-se aos quatro ventos a “caducidade” do marxismo e a experiência histórica da ditadura do proletariado como um “amontoado de erros”, o resgate da luta heróica do proletariado internacional contra o imperialismo e a reação em geral, e de seus grandes líderes contra o revisionismo em particular, adquire importância capital.

 

É notório que as imposturas vivem da pura e simples repetição. Isso ocorre de modo inequívoco com relação à figura do camarada Stalin. Pressupõe-se, sem qualquer preocupação mais ou menos séria em demonstrar o que é dito, que esse grande dirigente comunista, secretário-geral do Partido bolchevique durante a luta pela coletivização do campo e industrialização socialistas, comandante supremo do Exército Vermelho na guerra patriótica contra o nazi-fascismo, referência máxima dos povos oprimidos na luta por libertação nacional, redator de uma vasta obra teórica, representa o mal, o errado, a “deturpação” da revolução. E pronto. Não se argumenta. Não se discute. É assim. Apresenta-se um Stalin “perseguidor” de bolcheviques –logo ele, bolchevique das primeiras horas, organizador clandestino do partido no interior do Rússia czarista, a famosa “prisão de povos” -, um Stalin “exterminador de milhões” –sem dizer que foi o Exército Vermelho a libertar na Europa milhões de pessoas escravizadas pelo nazismo –e por aí a fora. Esse método, naturalmente anticientífico e alheio ao materialismo dialético, é erigido em “consenso”, e os mesmos que estão encastelados na burocracia sindical e em diferentes esferas do Estado burguês-latifundiário, ou vivendo das esmolas do fundo partidário, surgem das sombras como arautos da luta contra a “burocratização” do Estado soviético. Quanta coerência!


O fundo da questão é realmente esse: a demonização da figura do camarada Stalin é um artifício para denegrir e atacar a experiência histórica da ditadura do proletariado, e da construção socialista na União Soviética em particular. E quem mais tem servido a esse propósito do que o trotskysmo? Que outra corrente tem servido com tanto zelo a deturpar, atacar e desqualificar o socialismo, como uma experiência histórica concreta, do que o trotskysmo? A reação ficaria realmente desmoralizada, e seria mais facilmente desmascarada, se não contasse com “marxistas” dispostos a alugar sua pena para dar “fundamentos teóricos” ao anticomunismo mais raivoso e chulo, que é o que praticam de fato.

Nesse sentido, nós do MEPR publicamos abaixo uma entrevista do próprio Trotsky, que confirma a citação do Lênin reproduzida acima: Trotsky, “eminente teórico marxista” como querem uns, dizendo que foi tudo, inclusive “antimilitarista”, quando da I Guerra Mundial...ele mesmo, “grande dirigente bolchevique”, admitindo sua pusilanimidade em passar de um bloco a outro, de acordo com as circunstâncias...ele mesmo, vaidoso doentio, dizendo de Stalin que é apenas um “camponês estúpido”, ou admitindo ter comprado uma cela mais confortável quando preso na Espanha...Para aqueles que consideram honestamente a prática como critério da verdade, essa entrevista será inegavelmente muito esclarecedora. Para aqueles que já abandonaram o marxismo e o método científico para viver de repetições, ficará talvez o gosto amargo de quem vê tremer seus arraigados preconceitos.

Lenin_and_Stalin

*

Retirado do espanhol do blog ódio de classe. Tradução do espanhol para o português de Cristiano Alves

 

A entrevista de Trotsky que transcrevemos a seguir foi realizada pelo escritor e jornalista Leon Villanúa e está contida em seu livro “A Rússia inquietante. Viagem de um jornalista espanhol a URSS. Anos de 1925-1929”, páginas 379-389. A primeira edição, privada, da mencionada obra data de outubro de 1931.

“A Rússia inquietante” constitui um documento apreciável: nele se recolhem entrevistas a vários líderes soviéticos da época, incluída uma com o camarada Stalin, assim como valiosos dados históricos sobre a Rússia pré-revolucionária e imediatamente posterior a 1917.

Não deixa de ser significativo que o autor, aberto anticomunista como se depreende da leitura das páginas do livro, além de pouco afeito à figura de Stalin –como poderá comprovar quem ler a entrevista mencionada no parágrafo anterior –fosse o tradutor para o castelhano, em 1932, do livro “Vida de Lênin”, atribuído a Trotsky.

O Trotsky que nos apresenta Villanúa em sua entrevista é, poderia dizer-se, um Trotsky em estado puro: transbordante de vaidade, traço de caráter que, segundo Henri Bergson, tinha no riso seu “remédio específico”: quem leia a presente entrevista aprenderá que Trotsky “não ri jamais”. Messiânico, obsessivo, incerto...e se uma surpreendente sinceridade com sua errática trajetória política pessoal.

*

(...) Só um espanhol de uma coragem e muito pouca preocupação poderia ter chegado até ali; calculei que deveria estar de Madri mais longe do que da lua.

Ao longe, ao horizonte, se viam as montanhas de Tian Chan, do outro lado estava a China.

Na manhã seguinte visitei a Trotsky.

Em local popular, numa casa de madeira, de troncos exteriormente como os demais, e de tábuas com parede dupla no interior e telhado de palha, algo parecido com uma casa americana, porém muito modesta.

Um jardinzinho dianteiro dava à casinha um aspecto de juventude e frescor. Trotsky, na varanda nos esperava.

León Trotsky é um homem de baixa estatura, hombros fortes de atleta, barba e lentes, tal como se vê nas fotografias; entretanto a fotografia não descreve seu gesto duro, a palavra seca, e em situação de comando, o seu semblante autoritário. Ante este homem, uma pessoa se sente dominada e com medo.

Trotsky sorriu, inclinou a cabeça levemente, depois estendeu a mão a mim que o cumprimentava e me introduziu à sua casa. Dentro de uma grande habitação, um divã que servia de cama, uma mesa com muitos papéis e livros, folhetos, jornais em todas as partes, pelas mesas, estantes, no chão, em montes, em caixas, em pacotes. A habitação, de uma grande desolação, um talher de escritor, nem um quadro, nenhuma lembrança; apenas um minúsculo retrato de Lenin com uma dedicatória; uma caixa postal junta ao muro com quatro pregos ou tachinhas

Trotsky usava traje cáqui, jaqueta abotoada até em cima e gorro de palas, também cáqui; como eu tirei a cobertura, rogou-me que me mantivesse coberto.

- Eu nunca me descubro; o chapéu e o gorro é algo que demonstra a civilização; ademais, esfria a cabeça; graças a essas precauções, conservo o meu cabelo charmoso, inveja dos bolcheviques, que são todos calvos...

Eu ri, mas ele permaneceu sério; Trotsky jamais ri; sua cara permanece impassível ante tudo; nos sentamos e começou a entrevista.

- Quem me anunciou a sua visita foi Trotskaya, minha mulher, que virá aqui dentro de uns dias; não quero que esteja mais com essa gente estúpida, filisteus-bolcheviques... Em fim, como verá, todo este desterro é uma coisa boa; eu faço o que quero e ninguém se mete comigo; tenho a minha lâmpada de petróleo(aqui não chegou a eletricidade); tenho minha casa isolada; meus livros, pena, tinta e papel, minhas ferramentas, e estou preparando uma nova revolução.

- Então, você não é bolchevique?

- Eu sou Leon Davidovitsch Trotsky, nada mais! No princípio da guerra mundial fui menchevique; depois, niilista exaltado, anarquista como vocês dizem no ocidente; logo, com o colosso Lenin, fui bolchevique, sem mim não teria crescido; eu sou a ação, sou uma espada... Nunca me rodeei de imbecis que se consideravam superiores a mim.

- Então, você se vê como um gênio.

Trotsky me olhou de forma séria e repulsante:

- Não é que eu me veja como um gênio, é que eu o sou; morto Lenin, aquela grandiosa figura política, não restava mais que eu... E eles tem afastado a mim, ou acreditam que tem afastado, o que não é o mesmo. Stalin, esse camponês estúpido, me obrigou a viver neste rincão do mundo; eu o deixarei fugir para o estrangeiro, como fez com Kerensky e seus comparsas. O estado atual da Rússia é uma paródia indigna do bolchevismo. Você mesmo, se atravessou a Rússia como disse, viu o espetáculo desconsolador do capitalismo com careta. Os filisteus que assaltaram o poder são mais perigosos que os burchui ou que os burugeses; vamos direto para ruína. A Inglaterra, essa dominadora insular, prepara tudo, e em breve, a Rússia se verá invadida pacificamente pelos capitalistas com seus negócios e explorações, seus papéis e títulos fiduciários, que voltarão a afogar o proletário, ao que trabalha, ao que produz. O bandido Stalin tem sob suas ordens Yaroslavski, que dirige a ação contra mim, antes de estar com Stalin, esteve com Denikin... Isso lhe dará uma ideia da classe de homens que dirigem a Rússia. Expulsaram-me do partido por ser indesejável; desterraram-me neste rincão; mas Trotsky é invencível; pode desfazer inimigos mais fortes e inteligentes que Stalin e companhia, eu os pulverizarei. Estas guerras internas não ajudam mais que a Inglaterra, a rainha do capitalismo.

- E sobre a Espanha, que opinião você tem?

- A Espanha... Só a vi no aspecto inquisitorial ou policial; tem uns cárceres muito graciosos. Você verá o que ocorreu. Eu residia em Paris (1) lá pelo ano de 1916 e trabalhava em um jornal francamente derrotista; a mim não interessava nem o triunfo da Alemanha, mas tampouco queria o triunfo do militarismo francês; em uma palavra, eu sempre fui furioso antimilitarista, algo que não obstou para que depois fosse um excelente militar e criasse o Exército Vermelho, que combateu com êxito todos os inimigos da Rússia. Eu fui muita coisa, e em tudo me distingui. O general von Kamp disse de mim que era o primeiro ministro da guerra que a Rússia havia tido, já que todos os anteriores foram todos uns cavalheiros com uniformes brilhantes, mas que conduziam os exércitos como os pastores a ovelhas. Pois em 1916 eu escrevia uns artigos em Nossa Palavra e Nossa Voz, que fizeram com que a polícia francesa me expulsasse como indesejável com uma recomendação à polícia espanhola de anarquista perigosíssimo. A ponto de passar na fronteira a bófia espanhola (creio que esse é o nome desrespeitoso com que os delinquentes espanhóis a chamam).

- Sim, senhor, assim se chama na gíria do crime.

- Pois a bófia deixou dois agentes amabilíssimos à minha disposição que me tornaram a viagem amarga; ademais, falavam um francês espanholizado ininteligível para um russo. Em Madri encontrei uma sociedade inesperada: gente preparada para toda classe de coisas, mas que não faziam mais do que falar; em Madri se fala muito, mas não se faz nada absolutamente. Meu antigo correligionário e compatriota Tasin, um homem inteligente que fala espanhol fluente, que idioma não falará Tasin, mas para este homem, as gramáticas não tem segredos, fala todos os idiomas conhecidos e por conhecer... Em fim, Tasin havia estado comigo preso na Sibéria, e em Madri reavivamos a nossa antiga amizade. Eu não levava ânimos revolucionários a Espanha, queria unicamente descansar um pouco para orientar-me na nova luta que se avizinhava; mas a bófia se encheu de suspeitas (a suspeita é um talento de todos os tontos ou o regime de governo dos covardes). Bem, sem motivo nem causa me encarceraram no Cárcere Modelo de Madri. Um empregado me perguntou de forma cortês:

- Você quer uma cela paga? Temos as de primeira, que custam 2,50 pesetas diárias, de segunda, a 1,50 diárias, e as gratuitas para presos pobres.

Eu fiquei admirado em encontrar-me num cárcere que cobrava hospedagem, nem mais nem menos que um tipo de hotel. Logo depois me informei sobre uma cantina onde também se comia por pouco dinheiro; aos presos era dada uma refeição repugnante. No dia seguinte, depois de ter que sofrer a afronta de ser fichado (na Direção de Segurança haviam me fichado e fotografado no dia anterior); digo que, depois das complicadas medidas bertilhonescas, passei visita ante o médico da prisão, um senhor idoso e alto, uniformizado com gorro de palas, que me perguntou em tom autoritário:

- Você tem sarna, piolho ou lêndias?

- Ante minha resposta negativa, me colocaram na cela de 2,50 (pago adiantado) e fiquei ali até que me tiraram do pátio, onde conheci uma porção de famosos ladrões, estelionatários e assassinos que faziam sua cura de repouso esperando o dia do juízo oral. No final, me retiraram daquele sanatório e me reuni com minha mulher; mas me ordenaram que que marchasse a Cádiz para embarcar para a Argentina. Eu escrevi uma carta muito justa ao ministro daquela província, que era o senhor Romanones, onde expunha a minha queixa, se me expulsavam sem motivo algum e só por que a polícia francesa havia feito aquela recomendação de homem de ação terrível. Não obtive resposta e me levaram a Cádiz, queriam que eu pagasse a viagem de trem... Em fim, na Espanha, o que tem dinheiro se diverte. Em Cádiz nem o governador falava francês; tive por intérprete o vice-cônsul alemão, um inimigo, pois a Rússia estava em guerra com a Alemanha. Esperei até chegar o navio que me conduziria à América do Sul, e tentei, segundo dizem ali, um destino mais aceitável; eu queria ir a América do Norte, país que conhecia e onde poderia viver melhor; por fim, eu consegui e embarquei para os Estados Unidos. Ali, trabalhos e lutas, e, por fim, a vitória. Creio que a atual situação na Rússia é um desastre; vamos direto para um bonapartismo ou um mussolinismo, em fim, algo pessoal e idiota.

Trotski, enquanto falava, se balançava na cadeira, não me olhou e nem sorriu uma só vez; é o homem mais estranho que conheci, algo temeroso. Iniciei as perguntas:

- Você é crente ortodoxo?

- Não me pergunte bobagens, nem me tome por uma velha estúpida ou um burguês.

- Militarista ou pacifista?

- Uns dias uma coisa, outros dias, outra, segundo a marcha de sucessos; consegui criar o Exército Vermelho, e ademais fiz com que o patriotismo, que era desconhecido entre os camponeses do tzar, seja um anseio popular; os russos possuem a terra e a defenderão com armas na mão; os outros tipos de patriotismo são de capachos de banqueiros. Ao terminar a guerra, depois do Tratado de paz de Brest-Litovsk, o Exército Russo se esfacelou, se dissolveu; cada soldado voltou para seu povo levando fuzil e munição; de passagem, levou também o que encontrou adiante, e ao chegar em seu povoado recebeu a propriedade da terra que proporcionalmente que correspondia, segundo o reparte local; a isso se deve o êxito do bolchevismo, o único partido político que não oferecia nada e que dava tudo. Outros soldados trouxeram os canhões e metralhadoras e, acostumados a levar uma vida irregular e homicida na guerra, estes soldados formaram bandos de foragidos que semeavam o terror e a desolação, roubaram, assassinaram e pilharam o que quiseram; quando assaltamos o Poder, tivemos primeiro que transigir com estes desamortizadores do capital, e logo, quando fomos fortes em eliminá-los; haviam suprimido aos burgueses de modo expeditivo e radical; os poucos que restaram foram destruídos por Dzerjinskiy com sua Tcheka. Só um talento tão superior como o de Lenin, o mais sagaz dos políticos, o mais eminente dos russos, pôde, dentro de um partido pequeno, sem prestígio nem partidários, torná-lo o único partido político da Rússia, aproveitando conjunturas e oportunidades, desfazendo-se do que fazia, em fim, empregando constantemente probativas que algumas vezes não saíam mal, mas que ele sabia conduzir com êxito transformando a tudo constantemente. Nosso partido era o que menos deputados tinha na Assembléia Constituinte, reunida na Duma por sufrágio universal; então acordamos(Lenin e eu) e nos apoderamos do poder; eu contava com os marinheiros de Kronstadt e com o cruzador Aurora, ancorado na desembocadura do Neva, de fato, era difícil levá-los a uma ação isolada contra o que acreditavam ser a vontade nacional; Lenin os eletrizou com um só discurso, e no dia seguinte começamos a nossa ação cercando Kerensky e companhia. Resolvemos todos os problemas sem contar com ninguém. Tivemos que impor o que era, a nosso critério, a verdade; nós, o Governo, não admitíamos discussões nem reparos que afogassem a revolução, pois os verdadeiros revolucionários eram uma minoria exígua. Nossa finalidade era suprimir o capitalismo e o conseguimos; todas as revoluções, menos a Comuna de Paris em 1871 e a nossa, tem pactuado com o capital, com a propriedade, com a Igreja e com os demais estúpidos poderes arcaicos burgueses; nós suprimimos a propriedade, o Exército, a Igreja, o capital, a justiça burguesa, o negócio, quer dizer, a exploração. E claro, as classes populares, o povo ignorante e sofrido, veio conosco e hoje constitui uma classe forte de um arraigo extraordinário, impossível de destruir porque tem algo a perder e porque tem a razão e a força; mas... em nosso partido havia também gente estúpida e passional que aspirava ao triunfo pessoal, e os homens da velha Guarda, os bolcheviques de 17, foram sendo apartados do Poder pouco a pouco e substituídos por gente estúpida e ignorante. Eu estou desterrado e expulso de um partido que fundei... mas a nossa revolução é imortal. Poderão fazer muitas evoluções na Rússia (as revoluções são impossíveis), mas o capitalismo não voltará.

Trotsky se levantou, a entrevista havia terminado sem um sorriso, me estendeu as mãos e então seu rosto se transformou, suas lentes oscilaram no nariz, Trotsky ria forte dizendo:

- Você dê à Polícia de Madri e aos empregados do Cárcere-Hotel minhas lembranças mais expressivas. Eles não puderam compreender o pássaro que tinham na jaula quando eu era habitante da primeira galeria. Os alemães também se equivocaram conosco, pois sei de um general prussiano que durante a revolta de 1918 e a revolução comunista afogada em sangue, disse: “Se eu soubesse dos homens que iam nesse célebre vagão selado, eu o teria feito voar com uma dinamite”, como fizeram com Liebnecht e Rosa Luxemburgo, assassinados vilmente pelos soldados. Não há homem pequeno, e triunfar com partidários e força não tem mérito e nem é sólido; o caso é o nosso: triunfar com a pena e o motim, e fazer a vitória indestrutível; no fim, eu agora preparo algo que assombrará o mundo. Eu mesmo, que não me assusto com nada, estou um pouco inquieto.

Aquela saída final me desconcertou. Trotsky, que havia começado o parágrafo rindo, o acabou sério, com as mandíbulas apertadas e olhar feroz.

Me acompanhou até a porta, me estendeu a mão outra vez e me virou as costas...

Naquele mesmo dia comecei o regresso (...)

  1. No ensaio de Dom Miguel de Unamuno “Como se faz uma novela”, dado a imprensa em língua francesa em 1926 e em castelhano em 1927, pode-se ler: “(...) passo a maior parte de minhas manhãs só, nesta jaula cercada pela praça dos Estados Unidos. Depois do almoço vou à Rotonda de Monparnasse, esquina do bulevar Rapail, onde temos uma pequena reunião de espanhóis, jovens estudantes a maioria, e comentamos raras notícias que nos chegam da Espanha, da nossa e dos outros, e recomeçamos cada dia a repetir as mesmas coisas, levando-se, como se diz aqui, castelos na Espanha. Nessa Rotonda alguns procuram aqui por Trotsky, pois parece que ali acudia, quando desterrado em Paris, esse caudilho bolchevique.”

 

Essa mesma nota figura incluída em “Uma entrevista ao camarada Stalin”, tal como a publicou Kimetz no 24 de junho passado. A nota vinha explicar a quem se referia Stalin quando falava dos “revolucionários de Montparnasse”. Trotski também o deixa claro.



 

RVI